Racismo capilar sob a lente das Questões Sociocientíficas: possibilidades para o ensino de Ciências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v15n2a03

Palavras-chave:

Questões Sociocientíficas, Racismo Capilar, Formação para a Cidadania, Ensino de Ciências

Resumo

O ensino, numa perspectiva de Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente (CTSA), desempenha um papel fundamental na educação, pois confere um significado social, econômico e político aos conteúdos abordados. As Questões Sociocientíficas (QSC) surgem como uma das propostas de ensino fundamentada no movimento CTSA, especialmente baseada no objetivo de contribuir para uma formação mais crítica e atuante na sociedade. O presente artigo tem como objetivo identificar, a partir dos registros escritos, indícios de aprendizagens atitudinais, por meio de uma Sequência Didática (SD) fundamentada em QSC, pautada no tema racismo capilar. Utilizando uma abordagem qualitativa e de natureza empírica, foi elaborada e aplicada uma SD para estudantes do 1º ano do Ensino Médio Técnico em Química. Utilizamos para analisar os dados a Análise de Conteúdo. Os resultados revelaram que os estudantes trouxeram posicionamentos em respeito à diversidade cultural e à história individual, demonstrando sensibilidade e consciência com as vítimas de racismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, L. H. et al. O ensino explícito da argumentação na abordagem de uma questão sociocientífica sobre o uso de máscaras faciais. #Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, Canoas, v. 12, n. 1, p. 1-20, 2023.

ALVINO, A.; BENITE, A. Africanidades em ensino de química: uma experiência no contexto da produção de biocombustíveis e aquecimento global. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as, v. 9, n. 22, p. 84-106, 2017.

ALMEIDA, S. L. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BARDIN, I. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta,1994, p. 42.

BRASIL. Lei n.º 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 9 jan. 2003.

BENITE, A. M. C. et al. Cultura africana e afro-brasileira e o ensino de química: Estudos sobre desigualdades de raça e gênero e a produção científica. Educação em Revista, v. 24, p. 1-36, 2018.

BENTO, C. Pacto da Branquitude. São Paulo: Companhia das Letras, 2022.

CHAER, G.; DINIZ, R. R. P.; RIBEIRO, E. A. A técnica do questionário na pesquisa educacional. Revista Evidência, v. 7, n. 7, p. 1-16, 2012.

CONRADO, D.; NUNES-NETO, N. Questões sociocientíficas: Fundamentos, propostas de ensino e perspectivas para ações políticas. Salvador: Edufba, 2018.

CONRADO, D. Questões sociocientíficas na Educação CTSA: contribuições de um modelo teórico para o letramento científico crítico. 2017. 239f. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências). Universidade Federal da Bahia. Salvador.

COLL, C. et al. Los contenidos de la Reforma. Ensenanza y aprendizaje de conceptos, procedimientos y actitudes. Madrid: Santillana, 1992.

COLUCCI-GRAY, L. et al. From scientific literacy to sustainability literacy: An ecological framework for education. Science Education, v. 90, n. 2, p. 227-252, 2006.

CRENSHAW, K. Mapping the margins: intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, v. 43, n. 6, p.1241-1299, 1991.

DEMO, P. Pesquisa participante: saber pensar e intervir juntos. Liber livro, 2008.

DIONOR, G. A. et al. Avaliando propostas de ensino baseadas em Questões Sociocientíficas: reflexões e perspectivas para Ciências no Ensino Fundamental. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 20, p. 429-464, 2020.

GOMES, N. L. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: SANTOS, S. (Org.). Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 39-62.

GOMES, N. L. Sem perder a raiz: Corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. 411p.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama do Censo 2022. Brasília: 2023.

MATTA, A. E. R.; SILVA, F. P. S.; BOAVENTURA, E. M. Design-based research ou pesquisa de desenvolvimento: metodologia para pesquisa aplicada de inovação em educação do século XXI. Revista da FAEEBA, v. 23, n. 42, p.1-14, 2014.

MINAS GERAIS. Projeto Político Pedagógico: E. E. Desembargador Horário Andrade. Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, 2022.

MOREIRA, A. H. et al. Discriminação estética. Rev. Direito e Práx., Rio de Janeiro, v.14, n. 3, p.1934-1959, 2023.

MORGADO, J. C.; FERNANDES, P.; MOURAZ, A. Contextualizar o currículo para melhorar a aprendizagem dos alunos. In: Livro de Atas do XI Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, v. 3, 2011.

MOURA, G. O Direito à diferença. In: MUNANGA, K. (Org.). Superando o racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação, 2005. p. 69-82.

PENTEADO, B. Racismo capilar: o desafio de enfrentar preconceitos nas escolas. Disponível em: https://cangurunews.com.br/racismo-capilar-o-desafio-de-enfrentar-preconceitos-nas-escolas/. Acesso em: 23 mar. 2023.

PIOVESAN, A.; TEMPORINI, E. R. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Revista de Saúde Pública, v. 29, n. 4, p. 318-325, 1995.

SANTOS, A.; CONCEIÇÃO, M.; BRITO, D. Cabelo, Cabeleira, Cabeluda, Descabelada: a importância do cabelo na construção da identidade da raça negra. In: Anais do 3º Encontro Baiano Estudos em Cultura. Cruz das Almas: UFRB, 2012.

SILVA, E. B. S. Efetivando a Lei 10.639/2003 no ensino de Química: proposta de mediação didática com a temática cabelos crespos. 2017. 78f. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal da Bahia. Salvador.

SILVA, J. P. et al. Tem dendê, tem axé, tem química: Sobre história e cultura africana e afro-brasileira no ensino de Química. Química Nova na Escola, 2017.

SILVA, M. O. Refletindo a pesquisa participante. Em Aberto, v. 5, n. 31, 1986, 168p.

TORRES-SANTOMÉ, J. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, T. T. (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 2015. p. 159-189.

WARTHA, E. J.; SILVA, E.; BEJARANO, N. R. R. Cotidiano e contextualização no ensino de química. Química Nova na Escola, v. 35, n. 2, p. 84-91, 2013.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Penso Editora, 2016.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

Downloads

Publicado

22.04.2024

Como Citar

RANGEL, Renata Miranda de Moura; FRANCO-PATROCÍNIO, Sandra; MIRANDA, Ana Carolina Gomes. Racismo capilar sob a lente das Questões Sociocientíficas: possibilidades para o ensino de Ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 1–25, 2024. DOI: 10.26843/rencima.v15n2a03. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/rencima/article/view/4715. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos