A professora que ensinava Matemática (1860-1934): as Escolas Normais e as composições curriculares masculinas e femininas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v15n2a01

Palavras-chave:

Escola Normal, Meninas, Educação, Matemática, Currículo

Resumo

O presente artigo se estabelece a partir do cenário educacional do oitocentos no qual se promulga a primeira Lei Educacional do Brasil, cujo intuito era fomentar mudanças na estruturação do ensino. Inicialmente, abordamos as perspectivas filosóficas inerentes ao sistema educacional da época. Em seguida, mediante uma análise da Escola Normal da Corte, estabelecemos um paralelo entre as abordagens educacionais direcionadas a meninos e meninas, destacando a transição para turmas mistas e a adoção da coeducação de gêneros. Adicionalmente, exploramos o papel da Matemática neste contexto histórico, assim como a influência da filosofia positivista, que permeava tanto essa disciplina quanto a Educação Primária, contribuindo para a perpetuação das barreiras à educação feminina. Por fim, enfocamos as mudanças educacionais e o movimento escolanovista que marcaram o século XX, delineando os avanços e desafios enfrentados no panorama educacional brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACCÁCIO, Liéte Oliveira. Formando o Professor Primário: a escola Normal e o Instituto de Educação do Rio de Janeiro. Campinas: Gráfica FE/Unicamp, 2006.

ALMEIDA, Jane Soares de. A coeducação dos sexos: apontamentos para uma interpretação histórica. Revista História da Educação, v. 11, n. 22, p. 61-86, 2012.

ALMEIDA, Jane Soares de. A destinação das mulheres para educar meninos e meninas: como são construídos os paradoxos históricos. Educação & Linguagens, v. 11, n. 18, p. 136-149, jul./dez. 2008.

CARDOSO, Elizangela Barbosa. Mães educadoras e profissionais: educação feminina em Teresina na primeira metade do Século XX. Outros Tempos, v. 7, n. 10, p. 158-179, dez. 2010.

CASTRO, Maickelly Backes; LUFT, Hedi Maria; WEYH, Cênio Back. O movimento escolanovista e as contribuições dos pioneiros da educação. In: Anais da XXIV Jornada de Pesquisa. Ijuí, 2019, p. 1-10.

CÉFALO, Matheus Luiz de Souza. A Escola Normal de São Paulo na transição do Império para a República (1880-1890). In: Anais do XXV Encontro Estadual de História da ANPUH-SP. São Paulo, 2020, p. 1-18.

COMTE, Augusto. Catecismo Positivista. Traduções de José Arthur Giannotti e Miguel Lemos. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

DASSIE, Bruno Alves; CARVALHO, João Bosco Pitombeira de. A influência da escola normal no ensino de Matemática na primeira metade do século XX. Perspectivas da Educação Matemática, v. 3, n. 6, p. 81-96, jul./dez. 2010.

DAVIES, Nicholas. A educação nas constituições federais e em suas emendas de 1824 a 2010. Revista HISTEDBR On-line, v. 10, n. 37, p. 266-288, 2012.

FERREIRA, Alexandre Marcos de Mattos Pires. A criação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP: um estudo sobre o início da formação de pesquisadores e professores de Matemática e de Física em São Paulo. 2009. 271f. Tese (Doutorado em História da Ciência). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo.

HAHNER, June Edith. A Escola Normal, as professoras primárias e a educação feminina no Rio de Janeiro no fim do século XIX. Revista Gênero, v. 10, n. 2, p. 313-332, 2010.

HAHNER, June Edith. Escolas Mistas, Escolas Normais: A coeducação e a feminização do magistério no século XIX. Revista Estudos Feministas, v. 19, n. 2, p. 467-474, maio/ago. 2011.

LIMA, Virna Lumara Souza. Os manifestos de 1932 e 1959 e suas contribuições para as diretrizes e bases da educação. Communitas, v. 1, n. 1, p. 247-267, 2017.

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORI, Mary (Org). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997, p. 443-481.

NAGLE, Jorge. Educação e sociedade na Primeira República. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1974.

NOGUEIRA, Antonio Wherbty Ribeiro; SENA, Edilene Ferreira; RIBEIRO, Luís Távora Furtado. Educação e trabalho: Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932). Ensino em Perspectivas, v. 2, n. 2, p. 1-12, 2021.

OLIVEIRA, Ana Carla Menezes de. A história da mulher no magistério no século XX: Vocação e Representação. In: Anais do IV Congresso Nacional de Educação. Campina Grande: Realize Editora, 2017.

OLIVEIRA, Davidson Paulo Azevedo. Um estudo de avaliações de Matemática na Escola de Minas de Ouro Preto de 1876 a 1891. 2020. 200f. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

PAULA, Maria de Fátima Costa. USP e UFRJ. A influência das concepções alemã e francesa em suas fundações. Tempo Social, v. 14, n. 2, p. 147-161, out. 2002.

PORTELA, Ludmila Noeme Santos. A Educação Feminina no Espírito Santo do século XIX. Revista Ágora, n. 25, p. 98-108, 2017.

SALVADOR, Marcelo Ferreira Martins. A Aritmética na Escola Normal do Distrito Federal: 1890-1946. In: Anais do XII Seminário Temático Saberes Elementares Matemáticos do Ensino Primário (1890-1971): o que dizem as revistas pedagógicas? Curitiba: PUCPR, 2015, p. 630-637.

SAMANIEGO, Luis Elias Q. O positivismo e as ciências físico-matemáticas no Brasil. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 11, n. 2, 1994.

SILVA, Circe Mary Silva da. The influence of positivism on the teaching of Mathematics in Brazil: 1870-1930. Academic Press, v. 26, n. 4, p. 327-343, nov. 1999.

SILVA, Circe Mary Silva da. Politécnicos ou matemáticos? História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 13, n. 4, p. 891-908, out./dez. 2006.

SILVA, Lais Marta Alves da; RODRIGUES, Fernanda Plaza. A escola normal e as reformas educacionais como símbolo republicano. In: IV Congresso Nacional de Formação de Professores e XIV Congresso Estadual paulista sobre Formação de educadores, Águas de Lindóia, 2018.

SOARES, Flávia dos Santos. O ensino de Matemática na Escola Normal da Corte (1876-1889). Revista Histedbr, n. 54, p. 128-143, dez 2013.

TANURI, Leonor Maria. História da formação de professores. Revista Brasileira Educação, n. 14, p. 61-89, maio/ago. 2000.

VILLELA, Heloísa. A primeira escola normal do Brasil: concepções sobre a institucionalização da formação docente no século XIX. In: ARAUJO, José Carlos Souza; FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de; LOPES, Antônio de Pádua Carvalho (Org.). As escolas normais no Brasil: do Império à República. Campinas: Alínea, 2008, p. 217-231.

WESTIN, Ricardo. Para lei escolar do Império, meninas tinham menos capacidade intelectual que meninos. Arquivo S, 65. ed., 2 mar. 2020.

ZUIN, Elenice de Souza Lodron. Escola Normal da Corte e o Ensino das Matemáticas no Final do Século XIX em Transição para o Período Republicano no Brasil. In: Anais do IX Seminário Nacional de História da Matemática. Aracaju, 2011.

Downloads

Publicado

01.04.2024

Como Citar

PAULA, Lorrayne Ferreira dos Santos de; MOURA , Roseli Alves de; PINTO , Gisela Maria da Fonseca. A professora que ensinava Matemática (1860-1934): as Escolas Normais e as composições curriculares masculinas e femininas. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 1–23, 2024. DOI: 10.26843/rencima.v15n2a01. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/rencima/article/view/4707. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos