A educação de surdos na formação de professores que ensinam Matemática nos Anos Iniciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v14n2a05

Palavras-chave:

Formação Continuada, Ensino de Matemática, Surdez

Resumo

Neste artigo, tem-se como objetivo identificar algumas contribuições de uma formação de professores para o ensino de Matemática para surdos. Desenvolveu-se uma pesquisa qualitativa na qual se utilizou o questionário, o diário de campo, a escrita de narrativas e a gravação em áudio dos encontros presenciais de uma formação oferecida para docentes que ensinam Matemática de escolas regulares. Os dados foram interpretados a partir da Análise de Conteúdo. Evidenciou-se a necessidade de formação para trabalhar com os surdos, a reflexão sobre diferentes práticas e experiências, a importância da adaptação do currículo, a utilização de diferentes estratégias metodológicas, que permitiram que os participantes conhecessem atividades e materiais para o ensino de Matemática.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMPESSAN, João Paulo; GUIMARÃES, Juliana Sousa Pereira; LUCHI, Marcos. Intérpretes educacionais de Libras: orientações para a prática profissional. Florianópolis: DIOESC, 2013.

BATISTA, Orleinilson Agostinho Rodrigues. O uso dos recursos didáticos no ensino de Matemática para alunos surdos: uma proposta de material voltado para o ensino de matrizes e das relações métricas no triângulo retângulo. 2016. 159f. Dissertação (Mestrado em Ciências e Matemática) — Centro de Ciências Biológicas e da Natureza. Universidade Federal do Acre. Rio Branco.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora, 1994.

BORGES, Fábio Alexandre; NOGUEIRA, Clélia Maria Ignatius. Um panorama da inclusão de estudantes surdos nas aulas de Matemática. In: NOGUEIRA, Clélia Maria Ignatius. (Org.). Surdez, inclusão e Matemática. Curitiba: CRV, 2013, p. 43-70.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília: Diário Oficial da União, 23 dez. 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretária de Educação Especial. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC/SEE, 2001.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Educação matemática: da teoria à prática. Campinas: Papirus, 1996.

FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sergio. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, 2012.

GRANDO, Regina Celia. O jogo e a matemática no contexto da sala de aula. São Paulo: Paulus, 2004.

KLEIN, Madalena; FORMOZO, Daniele Paula. Im/Possibilidades na educação de surdos: discussões sobre currículo e diferença. Currículo sem Fronteiras, Pelotas, v. 9, n. 2, p. 212-225, jul./dez. 2009.

LIMA, Elvira Souza. Currículo e desenvolvimento humano. Brasília: MEC, 2007.

LORENZATO, Sérgio. O laboratório de ensino de Matemática na formação de professores. Campinas: Autores Associados, 2009.

MACHADO, Fernanda Camargo, LUNARDI-LAZZARIN, Márcia Lise. Formar, tolerar, incluir: tríade de governamento dos professores de surdos. Cadernos de Educação, Pelotas, v. 19, n. 36, p. 19-44, maio/ago. 2010.

MICHELETTO, Ingrid Barbara Pereira; LEVANDOVSKI, Ana Rita. Ação-reflexão-ação: processo de formação continuada. UENP, 2008.

MINAYO, Maria Cecília Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2000.

MOURA, Maria Cecília; PASSOS, Ana Cristina Camano. A importância da escola bilíngue na constituição psíquica da criança surda. Revista da FENEIS, São Paulo, v. 35, p. 47-49, jan./jul. 2008.

NÓVOA, António. A formação contínua de professores: realidades e perspectivas. Aveiro: Universidade de Aveiro, 1991.

NÓVOA, António. Os professores e as histórias de sua vida. In: NÓVOA, António. (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 2007.

REIS, Pedro Rocha. As narrativas na formação de professores e na investigação em Educação. Nuances, Presidente Prudente, v. 15, n. 16, p. 17-34, jan./dez. 2008.

RODRIGUES, Nelson. Organização neural da linguagem. In: MOURA, Maria Cecília; LODI, Ana Claudia; PEREIRA, Maria Cristina. (Org.). Língua de sinais e educação do surdo. São Paulo: SBNp, 1993.

SANTOS, Ana Lúcia Cardoso; GRUMBACH, Gilda Maria. Didática para a licenciatura: subsídios para a prática de ensino. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2009.

SCHÖN, Donald. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, António. (Coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

TARDIF, Michael. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TAVARES, Ilda Maria Santos; CARVALHO, Tereza Simone Santos. Inclusão escolar e a formação de professores para o ensino de Libras (Língua Brasileira de Sinais): do texto oficial ao contexto. In: ENCONTRO EM PESQUISA E EDUCAÇÃO EM ALAGOAS, 5., 2010, Maceió. Anais do 5 EPEAL. Maceió: UFAL, 2010. p.1-12.

ZEICHNER, Keichner. Novos caminhos para o practicum: uma perspectiva para os anos 90. In: NÓVOA, António. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Nova Enciclopédia, 1992, p. 116-138.

Downloads

Publicado

02.04.2023

Como Citar

KLÔH, Letícia de Medeiros; CARNEIRO, Reginaldo Fernando. A educação de surdos na formação de professores que ensinam Matemática nos Anos Iniciais. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 1–23, 2023. DOI: 10.26843/rencima.v14n2a05. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/rencima/article/view/4121. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos