Percepções de discentes do curso de licenciatura em Ciências Biológicas sobre o ensino de fisiologia vegetal com auxílio de recursos didáticos alternativos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v15n1a08

Palavras-chave:

Ensino de Botânica, Recursos Didáticos, Processo Ensino-Aprendizagem

Resumo

A negligência no ensino de Botânica, especialmente na Educação Básica, leva ao desinteresse sobre o tema. Esse desinteresse pode começar pelo próprio professor, por não entender a temática ou pela falta de afinidade. O objetivo foi analisar as percepções de licenciandos sobre o uso de recursos didáticos na disciplina de Fisiologia Vegetal do curso de Ciências Biológicas de uma universidade pública. Os dados foram coletados por meio de um Grupo Focal com os licenciandos e analisados segundo a metodologia da Análise Textual Discursiva. Observou-se que, dentre os recursos pedagógicos avaliados, o “Painel Interativo da Cadeia Transportadora de Elétrons da Respiração Vegetal”, apresentou-se como o mais interessante, pois este se destaca por ser mais dinâmico e interativo, e por favorecer a aprendizagem significativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

cognitive view. Ed. 2, Ballwin: Holt, Rinehart e Winston Editora, 1978.

AUSUBEL, D.; NOVAK, J. Y. H. H.; HANESIAN, H. Significado y aprendizaje significativo. Psicología educativa: un punto de vista cognoscitivo, v. 1, n. 2, p. 53-106, 1976.

BARBOUR, R. Grupos focais: coleção pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BECKER, F. O que é construtivismo? Revista de Educação AEC, Brasília, v. 21, n. 83, p. 7-15, abr./jun.1992.

BRUNER, J. S. Uma Nova Teoria da Aprendizagem. Ed. 4, Rio de Janeiro: Editora Bloch,1976.

CABRERA, W. B. A ludicidade para o ensino médio na disciplina de biologia: contribuições ao processo de aprendizagem em conformidade com os pressupostos teóricos da Aprendizagem Significativa. 2007. 158f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática). Universidade Estadual de Londrina. Londrina.

CARVALHO, F. da R.; WATANABE, G. A construção do conhecimento científico escolar: hipóteses de transição identificadas a partir das ideias dos (as) alunos (as). Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 35, p. 1-26, mar. 2019.

CASTOLDI, R.; POLINARSKI, C. A. A utilização de recursos didático- pedagógicos na motivação da aprendizagem. In: Anais do I Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia- SINECT, 2009, Ponta Grossa. Ponta Grossa: UTFPR, 2009, p. 684-692.

CRUZ, J. L. A. da. A aplicação do jogo didático nas aulas de História e Geografia. 2012. 83f. Dissertação (Mestrado em Ensino de História e Geografia) — Faculdade de Letras do Porto. Universidade do Porto. Porto.

DAHER, A. F. B. Aluno e professor: protagonistas do processo de aprendizagem. Secretaria Municipal de Educação, v. 4, Campo Grande: SEMED, p. 1-12, 2017.

DANTE, L. R. Didática da Resolução de Problemas de Matemática. 12. ed. São Paulo: Ática, 2005.

FIGUEIREDO, J. A. O ensino de botânica em uma abordagem ciência, tecnologia e sociedade. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 3, n. 3, p. 488-498, abr/out. 2012.

GLAT, R. Desconstruindo representações sociais: por uma cultura de colaboração para inclusão escolar. Revista Brasileira de Educação Especial, Bauru, v. 24, n.spe, p. 9-20, out/dez. 2018.

GUNTHER, H.; JUNIOR, J. L. Perguntas abertas versus perguntas fechadas: uma comparação empírica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 6, n. 2, p. 203-213, mar/jun.1990.

LIBÂNEO, J. C. A avaliação escolar. São Paulo: Cortez, 1994.

MATTOS, E. M. A.; CASTANHA, A. P. A importância da pesquisa escolar para a construção do conhecimento do aluno no ensino fundamental. Cadernos PDE, Paraná: Secretaria de Educação do Estado, p. 1-11, 2009.

MEDEIROS, E. A. de; AMORIM, G. C. C. Análise textual discursiva: dispositivo analítico de dados qualitativos para a pesquisa em educação. Laplage em Revista, Sorocaba, v. 3, n. 3, p. 247-260, set/dez. 2017.

MORAES, R. Uma Tempestade de Luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Revista Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-211, jul/dez. 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise Textual Discursiva. Ed. 3. Revisada e Ampliada. Ijuí: Unijuí, 2016.

MOREIRA, M. A. Mapas conceituais e aprendizagem significativa (concept maps and meaningful learning). In: MOREIRA, M. A. (Org.). Aprendizagem significativa, organizadores prévios, mapas conceituais, diagramas V e Unidades de ensino potencialmente significativas, Porto Alegre: UFRGS, 2012, p. 41-54.

NETO, A. A. L. Bullying – comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 81, n. 5, p. 164-172, fev. 2005.

NICOLA, A.J.; PANIZ, C. M. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no Ensino de Ciências e Biologia. Inovação e Formação, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 355-381, mai. 2017.

OLIVEIRA, F. I. W. de; A importância dos recursos didáticos adaptados no processo de inclusão de alunos com necessidades especiais. In: GARCIA, W.G.; GUEDES, A.M.. (Org.). Núcleos de Ensino. São Paulo: FUNDUNESP, 2003, p. 21-24.

OLIVEIRA, O. B.; TRIVELATO, S. L. F. Prática docente: o que pensam os professores de ciências biológicas em formação? Teias, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13-14, p. 1-11, jan/dez. 2006.

PAULA, G. M. C. de; BIDA, G. L. A importância da aprendizagem significativa. In: SEED/PR. Superintendência da Educação. (Org.). O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense; PDE 2008. 1ed, Curitiba: SEED/PR, 2012, p. 1-20.

PELIZZARI, A. et al. Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Revista PEC, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 37-42, jul. 2002.

PEREIRA, É. F.; TEIXEIRA, C. S.; ANDRADE, R. D.; LOPES, A. da S. O trabalho docente e a qualidade de vida dos professores na educação básica. Revista de Salud Pública, Bogotá, v. 16, n. 2, p. 221-231, jan/abr. 2014.

PEZZINI, C. C.; SZYMANSKI, M. L. S. Falta de desejo de aprender: causas e consequências. In: O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense. Curitiba: SEED, 2011, p. 21-43.

PIETROCOLA, M. Construção e realidade: o realismo científico de Mário Bunge e o ensino de ciências através de modelos. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 4, n. 3, p. 213- 227, ago/dez. 1999.

PINTO, M. Evaluación de la cálidad de recursos electrónicos educativos para el aprendizaje significativo. In: Cadernos SACAUSEF, Sistema de Avaliação, Certificação e Apoio à Utilização de Software para a Educação e a Formação: avaliação de locais virtuais de conteúdos educativos, n. 2, Ministério da Educação, p. 25-43, 2007.

POWELL, R. A.; SINGLE, H. M. Focus groups. International Journal of Quality in Healtb Care, v. 8, n. 5, p. 499-504, 1996.

SALATINO, A.; BUCKERIDGE, M., "Mas de que te serve saber botânica?" Estudos Avançados, São Paulo, v. 30, n. 87, p. 177-196, maio/ago. 2016.

SANTANA, G.; FERNANDES, G. O ensino de Botânica na Educação Básica e possíveis métodos para o aprimoramento da aprendizagem. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [s.l], v. 11, n. 6, p. 571-590, out/dez. 2020.

SCOLARO, M. A. O uso dos materiais didáticos manipuláveis como recurso pedagógico nas aulas de matemática. Dia a Dia Educação, Paraná, 2008.

SIKORA, G. et al. Os jogos cooperativos: uma possibilidade de inclusão. In: Anais VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte, 2014, Matinhos: CBCE, 2014, p. 1-15.

SILVA, F. R. da; SOARES, A. F. A construção da relação de convivência entre alunos no espaço escolar. 2010. 10f. Relatório de Experiência (Graduação em Pedagogia). Centro Integrado de Educação Especial. Universidade Estadual do Piauí. Teresina.

SOUZA, S. E. O uso de recursos didáticos no ensino escolar. Arquivos do Mudi. Maringá, v. 11, n. 2, p. 110-114, 2007.

SUDMAN, S.; BRADBURN, N. M. Asking questions: a practical guide to questionnaire design. San Francisco: Jossey-Bass,1982.

TAPIA, A. J.; FITA, C. E. A motivação em sala de aula: o que é, como se faz? Ed. 6, São Paulo: Loyola, 2004.

URSI, S. Texto para Aula introdutória - Cegueira Botânica: um obstáculo à aprendizagem. Recursos e Estratégias para o Ensino de Botânica, 2017, p. 1-3.

VISCOVINI, R. C. et al. Recursos pedagógicos e atuação docente. In: Anais do IX Congresso Nacional De Educação - EDUCERE e III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, 2009, Curitiba. Curitiba: PUC-PR, 2009, p. 1230-1238.

VYGOTSKY, L. S. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

WANDERSEE, J. H.; SCHUSSLER, E. E. Preventing plant blindness. American Biology Teacher, v. 61, n. 2, p. 84-86, fev. 1999.

WANDERSEE, J. H.; SCHUSSLER, E. E. Toward a theory of plant blindness. Plant Science Bulletin, v. 47, n. 1, p. 2-9, 2001.

XAVIER, R. P. O tempo no agir docente: algumas reflexões para a formação de professores de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v.13, n. 4, p. 1085-1106, abr/dez. 2013.

Downloads

Publicado

29.01.2024

Como Citar

XAVIER, Natália Gomes; CABRINI, Elaine Cristina; ALLAIN, Luciana Resende. Percepções de discentes do curso de licenciatura em Ciências Biológicas sobre o ensino de fisiologia vegetal com auxílio de recursos didáticos alternativos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 1–25, 2024. DOI: 10.26843/rencima.v15n1a08. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/rencima/article/view/3899. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)