Sequência Didática Gamificada Investigativa como estratégia pedagógica para o ensino de Microbiologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v14n2a01

Palavras-chave:

Ensino por Investigação, Ensino de Biologia, Gamificação, Microrganismos

Resumo

O ensino sobre os microrganismos tem sido sempre um desafio, tanto pela falta de recursos físicos na escola quanto pela mistificação de que todos são maléficos. Diante dessa realidade, este trabalho teve como objetivo aplicar uma Sequência Didática Gamificada Investigativa (SDGI), tendo a importância de bactérias e fungos em nosso cotidiano como temática central e validá-la em meio ao período de ensino remoto/híbrido de uma escola pública de Mato Grosso, Brasil. Após aplicação, os alunos avaliaram a proposta didática através de um questionário semiestruturado baseado na metodologia ARCS. Os dados foram analisados por estatística descritiva e análise de conteúdo. Os resultados da aplicação e validação demonstraram que a SDGI contribuiu para a desmistificação sobre bactérias e fungos de maneira motivadora, divertida e engajada. Assim sugere-se que o uso desta abordagem didática pode contribuir significativamente para melhoria das aulas de biologia, sendo aplicável tanto para o ensino híbrido quanto presencial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABE, Amanda Santos Franco da Silva; QUIJADA, Carla Christie Dibán. Muito além da videoaula: diversificando as metodologias de ensino remoto de biologia. Revista Insignare Scientia, São Pedro, v. 4, n.4, p. 350-362, maio/ago. 2020.

ALVES, Flora. Gamification: como criar experiências de aprendizagem engajadoras. 2 ed. São Paulo: DVS Editora, 2015.

AZEVEDO, Thamara Medeiros; SODRÉ, Luiz. Conhecimento de estudantes da educação básica sobre bactérias: saber científico e concepções alternativas. Revista de Educação, Ciências e Matemática, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 22-36, maio/ago. 2014.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

BRICCIA, Viviane. Sobre a natureza da ciência e o ensino. In: CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. (Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para a implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2018. p. 111-128.

BRUM, Wanderley Pivatto; SILVA, Sani de Carvalho Rutz da. As concepções de estudantes do ensino fundamental sobre bactérias e sua relação com a saúde humana. Revista Ciências e Idéias, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 60-70, jul./dez. 2015.

BUSSARELO, Raul Inácio; ULBRICHT, Vania Ribas; FADEL, Luciane Maria. A gamificação e a sistemática de jogo. In: FADEL et al. (Org.). Gamificação na Educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014. p. 11-37.

CAETANO, Gabriela Luciano; PEREIRA, Grazielle Rodrigues O ensino sobre as bactérias e as arqueas na educação básica: proposição de um curso de formação docente. Latin American Journal of Science Education, Rio de Janeiro, n. 5. p. 1-8, 2018.

CAMARGO, Franciele Pereira; SILVA, Antônio Fernando Gouvêa da; SANTOS, André Cordeiro Alves dos. A microbiologia no caderno do aluno e em livros didáticos: análise documental, Revista Iberoamericana de Educación, Madrid, v. 78, n. 2, p 41-58, 2018.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas, In: CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. (Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para a implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage learning, 2018. p. 1- 20.

DURÉ, Ravi Cajú; ANDRADE, Maria José Dias de; ABÍLIO, Francisco José Pegado. Ensino de biologia e contextualização do conteúdo: quais temas o aluno de ensino médio relaciona com o seu cotidiano? Experiências no ensino de Ciências, Cuiabá, v.13, n.1, p.259-272, abr. 2018.

EUGÊNIO, Thiago. Aula em jogo: descomplicando a gamificação para educadores. São Paulo: Évora, 2020.

FADEL, Luciane Maria; ULBRICHT, Vania Ribas. Educação gamificada: valorizando os aspectos sociais. In: FADEL et al. (Org.). Gamificação na Educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014. p. 6-10.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

KELLER, John M. Motivational Design for Learning and Performance: the ARCS Model Approach. Springer, 2009.

LIMA, Alencar Beltrão De. Tecnologia educacional no contexto do ensino de citologia: uso de aplicativo educacional na produção de um ambiente virtual de ensino e aprendizagem. 2019. Dissertação. (Mestrado Profissional em Ensino de Biologia) — Instituto de Ciências Biológicas. Universidade de Brasília. Brasília, 2019.

MCGONIGAL, Jane. A realidade em jogo. Rio de Janeiro: Best Seller, 2012.

MORÁN. José. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, Lilian; MORÁN, José. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

MOREIRA, José António Marques; HENRIQUES, Susana; BARROS, Daniela. Transitando de um ensino remoto emergencial para uma educação digital em rede, em tempos de pandemia. Revista Dialogia, São Paulo, v. 1, n. 34, p. 351-364, jan./abr. 2020.

MOREIRA, Maria Aparecida; KELECOM, Katharina Jeanne. O uso de murais virtuais em um projeto interdisciplinar de línguas estrangeiras no ensino médio. Revista do Seminário Mídias e Educação, Rio de Janeiro, v. 3, n.1, p. 1-10, nov. 2017.

NOVO, Juliana Martins Marteleto; CAVALCANTI, Danielle Pereira. Ensino de Microbiologia com materiais de baixo custo e fácil acesso: uma sequência didática voltada aos alunos do Ensino Médio, REnCiMa, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 1-25, abr./jun.2022.

PEDASTE, M. et al. Phases of inquiry-based learning: Definitions and the inquiry cycle. Educational Research Review, v. 14, p. 47–61, 2015.

RODRIGUES, Erika Dias; MELO, Cynthia Germoglio Farias de. Metodologias ativas no ensino remoto de Embriologia e Histologia: um relato de experiência. REnCiMa, São Paulo, v.12, n.6, p. 1-18, out ./ dez. 2021.

ROMANO, Adriano Marcos; SOUZA, Hilton Marcelo de Lima; NUNES, Josué Ribeiro da Silva. Contribuição do jogo didático “Conhecendo os invertebrados” para o ensino de biologia. Revista Prática Docente, Confresa, v. 5, n.1, p. 325-343, maio. 2020.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Fernandez; LUCIO, Maria del Pilar Baptista. Metodologia de Pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SANTOS, Camila Ellem Cabral dos et al. Estudo de ciências e biologia em aulas remotas: Mudanças e desafios no ensino e aprendizagem na educação básica, Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 7, n. 9, p. 92471-92491, set. 2021.

SANTOS, Vanide Alves dos. et al. O uso das ferramentas digitais no ensino remoto acadêmico: desafios e oportunidades na perspectiva docente. In: Congresso Nacional de Educação, 7, 2020, Maceió. Anais do VII Congresso Nacional de Educação. Maceió: Universidade Estadual da Paraíba, 2020, p. 1- 10.

SASSERON, Lúcia Helena. Ensino de Ciências por Investigação e o Desenvolvimento de Práticas: Uma Mirada para a Base Nacional Comum Curricular. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Rio de Janeiro, v.18, n. 3, p. 1061-1085, dez. 2018.

SCARPA, Daniela Lopes; SILVA, Maira Batistoni e. A biologia e o Ensino de Ciências por investigação: dificuldades e possibilidades. In: CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. (Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para a implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2018. p. 129-149.

SILVA, João Batista da. Gamificação na sala de aula: avaliação da motivação utilizando o questionário ARCS. Revista Prática docente, Confresa, v. 5, n. 1, p. 374-390, jan/abr. 2020.

SILVA, Patrícia Grasel da; LIMA, Dione Sousa. Padlet como ambiente virtual de aprendizagem na formação de profissionais da educação. Revista Renote, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 83-92, jul. 2018.

SILVA, Sílvio Francisco da; COLOMBO, Andrea Vieira. Jogos: uma proposta pedagógica no ensino da Microbiologia para o Ensino Superior. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, Piedade, v.13, n.45, p. 110-123, 2019.

SOUZA, Leidiane Ferreira Marcelino De. O ensino de ciências, em aulas teórico-práticas, desenvolvido através de atividades investigativas, para o ensino da microbiologia, enfocando o estudo de bactérias. 2016. Monografia. (Especialização em Ciências por Investigação) — Centro de Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

STAMM, Tauane; MARTINS, Joana. Abordagem de microorganismos nos livros didáticos de ciências, Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, v. 9, n. 4, 2020.

TEZANI, Thaís Cristina Rodrigues. Nativos digitais: considerações sobre os alunos contemporâneos e a possibilidade de se (re)pensar a prática pedagógica. Revista Brasileira de Psicologia Educacional, Araraquara, v. 19, n. 2, p. 295-307, jul./dez. 2017.

TORTORA, Gerald J.; FUNKE, Berdell R.; CASE, Christine L. Microbiologia. Porto Alegre: Artmed, 2012

URSI, Suzana; SCARPA, Daniela Lopes. Ensino de Ciências por investigação: sequência didática “enigma do costão rochoso”. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2016.

Downloads

Publicado

01.04.2023

Como Citar

ZOCCHE, Elis Regina dos Reis; SOUZA, Hilton Marcelo de Lima. Sequência Didática Gamificada Investigativa como estratégia pedagógica para o ensino de Microbiologia. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 1–25, 2023. DOI: 10.26843/rencima.v14n2a01. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/rencima/article/view/3861. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos