Uma proposta STEAM para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental por meio do jogo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v13n2a19

Palavras-chave:

STEAM, Conversas de Aprendizagem, Interdisciplinaridade, Processos de Aprendizagem

Resumo

No cenário brasileiro atual, é verificado a incipiente inserção de atividades STEAM (sigla em inglês que significa Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática) no contexto escolar. O trabalho apresentado tem como objetivo analisar as implicações de uma proposta STEAM para o processo de aprendizagem dos alunos do quinto ano do Ensino Fundamental. A atividade foi desenvolvida em uma escola pública com estudantes dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, por meio de uma abordagem metodológica qualitativa. Foram analisadas as interações dos alunos durante os desafios propostos ao longo de um jogo STEAM a partir da técnica conversas de aprendizagem. Os resultados apontam que, por meio das interações realizadas, a abordagem STEAM contribuiu para o processo de aprendizagem de modo a estimular os estudantes na resolução de problemas e no desenvolvimento da criatividade e da curiosidade. Concluiu-se que a abordagem STEAM e o jogo têm potencial para trazer contribuições para o processo de ensino e aprendizagem de alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALLEN, Sue. Looking for learning in visitor talk: a methodological exploration. Learning Conversations in Museums. (Org.). LEINHARDT, Gaea; CROWLEY, Kevin; KNUTSON, Karen. Lawrence Erlbaum Associates. 2002, p. 259-303.

ANJOS, Maylta Brandão dos; PEREIRA, Grazielle Rodrigues; VENTURA, Gabriela. Sociedade e interdisciplinaridade no ensino de ciência: o papel socioeducacional. In: PEREIRA, Grazielle Rodrigues; ALENCAR, Fábio Rapello; VENTURA, Gabriela; ALVES, Gustavo Henrique; ALMADA, Rafael Barreto. (Orgs.). A interdisciplinaridade no ensino de Física: possibilidades de ações didáticas para o ensino fundamental. 1. ed. Rio de Janeiro: Yellow Carbo Editora, 2019, p. 15-22.

BACICH, Lilian; HOLANDA, Leandro. STEAM: integrando as áreas para desenvolver competências. In: BACICH, Lilian; HOLANDA, Leandro. (Orgs.). STEAM em sala de aula: a aprendizagem baseada em projetos integrando conhecimentos na Educação Básica. Porto Alegre: Penso. 2020, p. 25-42.

CARNIELLO, Andreia; ZANOTELLO, Marcelo. Desenvolvimento de habilidades digitais na escola por meio da integração de jogos digitais, programação e robótica educacional virtual. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 11, n. 3, p. 176-198, 5 maio 2020.

FERNÁNDEZ-RÍO, Javier; GIMENO, José Manuel Rodrígues; CALLADO, Carlos Velázquez; RODRÍGUEZ, Luis Santos. Atividades e jogos cooperativos. Tradução de Guilherme Summa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

GALHARDI, Elizabeth; CARLETTI, Chrystian; SOUZA, Raphael Argento de; ALVES, Gustavo Henrique Varela Saturnino; PEREIRA, Grazielle Rodrigues. Memórias e experiências de crianças em atividades de divulgação científica itinerante por meio da lembrança estimulada. ACTIO, Curitiba, v. 6, n. 2, 2021, p. 1-24.

HALLINEN, Judith. STEM | Description, Development, & Facts. Encyclopedia Britannica, 2020. https://www.britannica.com/topic/STEM-education. Acesso em: 19 dez. 2020.

HAVICE, William. The power and promise of a STEM education: Thriving in a complex technological world. In: ITEEA (Ed.). The Overlooked STEM Imperatives: Technology and Engineering. Reston, VA: ITEEA. 2009, p.10-17.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2019.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a educação infantil. Ed. Rev. São Paulo, SP. Cengage Learning, 2018.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida; PINAZZA, Mônica Appezzato; MORGADO, Rosana de Fátima Cardoso; TOYOFUKI, Kamila Rumi. Jogo e letramento: crianças de 6 anos no ensino fundamental. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 191-210, abr. 2011.

MINAYO, Maria Cecília Souza. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa, São Paulo, v. 5, n. 7, 2017, p. 1-12.

MINAYO, Maria Cecília Souza. Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 21. Edição. Petrópolis, RJ. Vozes, 2002.

MOURA, Adriana Ferro; LIMA, Maria Glória. A Reinvenção da Roda: Roda de Conversa, um instrumento metodológico possível. Revista Temas em Educação, João Pessoa, v. 23, n. 1, 2014.

PUGLIESE, Gustavo Oliveira. STEM Education – um panorama e sua relação com a educação brasileira. Currículo sem Fronteiras, Porto Alegre, vol. 20, n. 1, mar. 2020.

SOUSA, David; Pilecki, Thomas. From STEM to STEAM: Brain-Compatible Strategies and Lessons That Integrate the Arts. 2nd ed. Thousand Oaks, CA, 2018.

VASCONCELLOS-SILVA, Paulo; ARAUJO-JORGE, Tania. Análise de conteúdo por meio de nuvem de palavras de postagens em comunidades virtuais: novas perspectivas e resultados preliminares. In: Congresso Ibero-Americano Em Investigação Qualitativa, 8, 2019, Lisboa, 2019, v. 2, p. 41-48.

VYGOTSKY, Lev Semionovitch. A formação social da mente: O desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Downloads

Publicado

29.06.2022

Como Citar

RESENDE, Arthur Fernandes de Lima Costa; PEREIRA, Grazielle Rodrigues. Uma proposta STEAM para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental por meio do jogo. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 1–25, 2022. DOI: 10.26843/rencima.v13n2a19. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/rencima/article/view/3698. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos