Que corpo é esse: a temática sexualidade em uma produção animada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v12n6a19

Palavras-chave:

Produções Midiáticas, Seriados, Educação Sexual, Análise Lexical

Resumo

A educação sexual é defendida como um tema a ser trabalhado nas escolas. Todavia, há muita resistência dos familiares, instituições de ensino e docentes em tratar o assunto e um dos motivos é a baixa disponibilidade de materiais com potencial para abordar o tema de forma lúdica. Assim, objetivou-se analisar o seriado animado “Que corpo é esse?” em relação a temática da sexualidade, apresentar considerações acerca da representação visual dos personagens e objetivos da criação da série, além de verificar as possibilidades de utilização da série no contexto do ensino. Metodologicamente, utilizou-se por referência o script da série, acrescido de detalhamentos obtidos com a transcrição dos 12 episódios e análise da série. Posteriormente, com o software IRAMUTEQ, analisou-se as relações de conexidade entre os textos, além de suas associações com as variáveis de idade do público alvo. Evidenciou-se a temática de sexualidade, incluindo aspectos sociais. Diferentemente de outras produções sobre o tema, os episódios apresentaram menos aspectos corporais e relacionados à saúde. Destaca-se a presença de linguagens e assuntos característicos de diferentes faixas etárias. De maneira conclusiva, a série tem potencial para ser utilizada didática e interdisciplinarmente com a orientação do docente permitindo que os discentes reflitam sobre aspectos científicos e sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGRA, S. E. Criação de universo para uma animação inclusiva ao público surdo: bíblia da série, script e timeline sheet. (Projeto de Conclusão de Curso). Centro de Comunicação e Expressão. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2017.

ARAÚJO, A. V. S. O papel dos pais na educação sexual de adolescentes: uma revisão integrativa. (Trabalho de Conclusão de Curso). Centro de Educação e Saúde, Universidade Federal de Campina Grande, Cuité, PB, 2015.

ARROIO, A.; GIORDAN, M. O vídeo educativo: aspectos da organização do ensino. Química nova na escola, p. 8-11, 2006.

BORGES, Z. N.; MEYER, D. E. Limites e possibilidades de uma ação educativa na redução da vulnerabilidade à violência e à homofobia. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, p. 59-76, 2008.

BRASIL. Ministério da educação. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Lei Maria da Penha: Lei nº 11.340. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para Mulher, 2006

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 de julho de 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, DF: MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Resolução n. 2/2019, de 20 de dezembro de 2019. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, seção 1, n. 28, p. 115-119, 10 de fev. de 2020.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em psicologia, p. 513-518, 2013.

COUTINHO, L. L. “É simplesmente diferente para meninas”: Amor e sexo em seriados de teen drama. Revista ECO-Pós, p. 352-371, 2017.

DAHER, J.; BANDEIRA, C. Base nacional aprovada, como fica a questão de gênero na escola. Site “De olho nos planos”. 2018.

NASCIMENTO, M. L.; FRANÇA, C de F. A retirada da orientação sexual do currículo escolar: regulações da vida. Education: Challenges of an Immanent Research, p. 101-116, 2017.

FERREIRA, B. L.; LUZ, N. S. Sexualidade e gênero na escola. In: Carvalho, M.G., Luz, N. S., Casagrande, L. S. (Org.). Construindo a igualdade na diversidade: gênero e sexualidade na escola, p. 33-46. Curitiba, PR: Editora UTFPR, 2009.

FERRÉS, J. Pedagogia dos meios audiovisuais e pedagogia com os meios audiovisuais. In. Sancho, J. M. (Org.). Para uma tecnologia educacional, p. 127-155. Porto Alegre, RS: ArtMed, 1998.

FURLAN, C. C.; MÜLLER, V. R. Gênero, sexualidade e docência:(re) pensando práticas. Revista Educação em Questão, 2013.

FUTURA. Que Corpo é Esse? estreia no Canal Futura, Site: “Futura”, 2018a

FUTURA. Que Corpo é Esse?, Site: “Futura”, 2018b.

GOMES, N. L. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural?. Revista brasileira de Educação, p. 40-51, 2002.

GONÇALVES, R. C.; FALEIRO, J. H.; MALAFAIA, G. Educação sexual no contexto familiar e escolar: impasses e desafios. Holos, 251-263, 2013.

KING, K. P. The motion picture in science education: “one hundred percent efficiency”. Journal of Science Education and Technology, 211-226, 1999.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em Revista, n. 46, p. 201-218, 2007.

MARINHO, M. B. Entre o funcional eo lúdico: a camisinha nas campanhas de prevenção da AIDS. Interface-comunicação, saúde, educação, 103-110, 2000.

MATOS, M. G. D. et al. Educação sexual em Portugal e em vários países da América Latina. Psicologia, saúde & doenças, p. 149-158, 2009.

MIRANDA, J. C.; GONZAGA, G. R.; PEREIRA, P. E. Abordagem do tema doenças sexualmente transmissíveis, no ensino fundamental regular, a partir de um jogo didático. Acta Biomedica Brasiliensia, p. 105-121, 2008.

MOURA, F. N. de S.; LEITE, R. C. M. O conservadorismo e a formação cidadã: a abordagem da Sexualidade no Ensino Fundamental diante do discurso em documentos oficiais. Educação, Ciência e Cultura, p. 61-77, 2019.

OLIVEIRA, F. A. et al. Atividades lúdicas desenvolvidas com adolescentes escolares sobre prevenção de infecções sexualmente transmissíveis. Revista Interdisciplinar, v. 10, n. 3, p. 53-63, 2017.

PERDOMO JUNIOR, J. D. A temática sexualidade como geradora de uma proposta interdisciplinar: contribuições para a formação de professores da rede pública. (Dissertação de mestrado) Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2015.

POWLIK, J.; FORTENBERRY, N. Putting Education in the Picture. Journal of STEM Education, 2005.

PRADO, M. A. M.; CORREA, S. Retratos transnacionais e nacionais das cruzadas antigênero. Revista psicologia política, São Paulo, v. 18, n. 43, p. 444-448, dez. 2018

REZENDE, L. A.; STRUCHINER, M. Uma Proposta Pedagógica para Produção e Utilização de Materiais Audiovisuais no Ensino de Ciências: análise de um vídeo sobre entomologia. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, p. 45-66, 2009.

REZENDE, B. Análise de personagem em série televisiva: o estudo em modern family. (Dissertação de mestrado) Curso de Comunicação e Jornalismo, Universidade de Coimbra, Coimbra, 2015.

RIBEIRO, P. R. C. Revisitando a história da educação sexual no Brasil. In: RIBEIRO, P. R. C (Org.). Corpos, gêneros e sexualidades: questões possíveis para o currículo escolar - Caderno Pedagógico Anos Iniciais. 2ed. Rio Grande: FURG, 2008, p. 11-16

RIO GRANDE DO SUL. Referencial Curricular Gaúcho: Ciências da Natureza, v. 1. Secretaria de Estado da Educação: Porto Alegre, 2018.

RODRIGUES, M. D. S. O lúdico como ferramenta para orientar a sexualidade na educação infantil. (Trabalho de conclusão de curso) Centro de educação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, 2013.

SANTOS, S.; FARIAS, B. Gênero, educação e artefatos tecnológicos: os diferentes meios para ensinar. In: CARVALHO, M.G.; LUZ, N. S.; CASAGRANDE, L. S. (Org.). Construindo a igualdade na diversidade: gênero e sexualidade na escola. p. 91-107. Curitiba, PR: Editora UTFPR, 2009.

SILVA, P. S.; ROSA, M. F. Utilização da ciência forense do seriado CSI no ensino de Química. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia. 2014.

SILVA, R. D. Desenhos animados: sexualidade e diversidade sexual em os simpsons. Cadernos da Pedagogia, 9(18), 2016.

SOBRAL, M. P. O; CARVALHO, M. E. P. Notas introdutórias sobre o lugar do gênero e da sexualidade na base nacional comum curricular. In: XXV Encontro de Pesquisa Educacional do Nordeste. 2020, Salvador. Anais do XXV EPEN. Salvador: ANPEd, 2020.

TEIXEIRA, C. A interdisciplinaridade no ensino da educação sexual nos anos finais do ensino fundamental. Ciência em tela, 2014.

TONATTO, S.; SAPIRO, C. M. Os novos parâmetros curriculares das escolas brasileiras e educação sexual: uma proposta de intervenção em ciências. Psicologia & Sociedade, 14(2), 163-175, 2002.

VITIELLO, N.; CONCEIÇÃO, I. S. Manifestações da sexualidade nas diferentes fases da vida. Revista Brasileira de Sexualidade Humana, 47-60, 1993.

VITIELLO, N. A educação sexual necessária. Revista brasileira de sexualidade humana, v. 6, n. 1, 1995.

ZERBINATI, J. P.; TOLEDO BRUNS, M. A. Sexualidade e educação: revisão sistemática da literatura científica nacional. Travessias, 76-92, 2017.

Downloads

Publicado

29.12.2021

Como Citar

RAKOWSKI, Ítalo Kenne; OLIVEIRA, Wemerson Castro. Que corpo é esse: a temática sexualidade em uma produção animada. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 12, n. 6, p. 1–25, 2021. DOI: 10.26843/rencima.v12n6a19. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/rencima/article/view/3128. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)