Objeto real versus ideal: consequências na constituição de sistemas semióticos para a aprendizagem intelectual

  • Roberta Nara Sodré de Souza Colégio de Aplicação
  • Méricles Thadeu Moretti Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Objetos Ideais e Reais, Semiosfera, Aprendizagem Matemática, Registros de Representação Semiótica

Resumo

Neste ensaio desenvolvemos uma análise da diferenciação dos objetos real e ideal e a consequência disso na constituição dos sistemas semióticos para a aprendizagem intelectual. Em particular, a matemática trata desses últimos, objetos que não podemos ter acesso a eles nem com a ajuda de instrumentos como ocorre, por exemplo, na biologia com o microscópio. Para compreender as diferenças de aprendizagem nas mais diversas disciplinas é preciso ter em mente a natureza dos objetos que cada uma trata. A matemática, por tratar de objetos ideais, tem extrema necessidade de construir representações para poder trabalhar com eles. A semiose é condição necessária à aprendizagem em matemática; não basta tratar com a representação, é necessário não confundi-la com o objeto. Para a aprendizagem da matemática precisamos conectar os sistemas semióticos e, para isso, levaremos em conta principalmente: a teoria dos registros de representação semiótica desenvolvida por Duval e a ideia de semiosfera de Lotman que amplia as semioses para o aspecto cultural. No ensino da matemática evidencia-se contribuições na prática pedagógica, consideramos que as inter-relações entre os sistemas semióticos, potencializam a formação das noções em nossas mentes mostrando essencial essa consciência do docente na elaboração de atividades que contemplam determinado(s) objeto(s).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMÉRICO, E. V. Iúri Lotman: entre biografia e obra. Disponível em: . Acesso em: 25/07/2014.

ASTOLFI, J.P. A didática das ciências / Jean-Pierre Astolfi, Michel Develay: Trad. Magda S. S. Fonseca. 4.ed. Campinas, Sp: Papirus,1995.

BARICCATTI, K. H.; VERTUAN, R. E. Os diferentes sentidos das representações dos objetos matemáticos e as atividades de tratamento e conversão entre registros. Revemat. Florianópolis, v. 07, n. 1, p.32-47, 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5007/1981- 1322.2012v7n1p32. Acesso em: 01/09/2014.

BOYER, C. História Da Matemática. Trad. Elza F. Gomide. São Paulo: Edgard Blücher, 1974.

CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2003.

DANYLUK, O. Alfabetização matemática: as primeiras manifestações da escrita infantil. Porto Alegre: Sulina, 1998.

DUVAL, R. Registres de représentation sémiotique et fonctionnement cognitif de la pensée. Annales de Didactique et de Sciences cognitives, IREM de Starsbourg, n. 5, p. 37-65,1993.

DUVAL, R. Sémiosis et pensée humaine. Berne: Peter Lang,1995.

DUVAL, R..Quel cognitif retenir en didactique des mathématiques? RDM, v.16,n.3,1996.

DUVAL, R. Registros de representações semióticas e funcionamento cognitivo da compreensão em Matemática. In MACHADO, S. D. A. (Org) Aprendizagem em Matemática. Campinas: Papirus, 2003.

DUVAL, R. Los Problemas Fundamentales en el Aprendizaje de las Matemáticas y las Formas Superiores del Desarollo Cognitivo. Santiago de Calli, Colombia, 2004.

DUVAL, R. Quais teorias e métodos para a pesquisa sobre o ensino da matemática?". Revista Práxis Educativa: Ponta Grossa, v. 7, n. 2, p. 305-330, jul./dez. 2012.

FERRARA, L. D., et al. Em torno da poética da pesquisa: semiosfera como epistemologia. Semiótica e transdisciplinaridade. Semeiosis. São Paulo, n.10, 2010. Disponível em: <http://www.semeiosis.com.br/poetica-da-pesquisa/>. Acesso em: 05/08/2014.

FLECK, L. Gênese e Desenvolvimento de um Fato Científico. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

HESSEN, J. Teoria do conhecimento. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

KUHN, T. A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva, 1988.

LOTMAN, Y. M. Universe os the Mind. I, B. TAURIS & CO. LTD. London. New York, 1990.

LOTMAN, Y. M. La semiosfera I. Trad. Desidério Navarro. Madrid: Ediciones Cátedra, 1996.

LOTMAN, Y. M. On the semiosphere. Trad. Wilma Clark. Tartu: Sign Systems Studies, 2005.

MACHADO, I. Escola de semiótica: a experîencia deTártu-Moscou para o estudo da cultura. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

MACHADO, N. J. Matemática e Realidade. São Paulo: Cortez, 1989.

MARCONDES, D. Textos básicos de Linguagem: de Platão à Focault. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

MORETTI, M. T. Semiosfera do olhar: um espaço possível para a aprendizagem da geometria. Acta Scientiae, v.15, n.2, p.289-303, mai./ago., 2013.

NUNES, T. Developing chindren’s minds through literacy and numeracy. Institute of Education University of London, 1998.

PEARS, D. As ideias de Wittgentein. São Paulo: Cultrix, 1988.

PEIRCE, C. S. Semiótica. Trad. J. T. Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 2000. SANTAELLA, L. O que é a semiótica. 1.ed. 1983.São Paulo: Brasiliense, 2004.

SANTAELLA, L. Matrizes da Linguagem e pensamento: sonoro visual verbal: 3.ed. São Paulo: Iluminuras: FAPESP, 2005.

SILVA, J. J. Filosofias da Matemática. São Paulo: UNESP, 2007.

SOUZA, R. N. S. A construção da noção de função linear: transitando em diferentes registros de representação semióticos. Itajaí, 2003. Dissertação de Mestrado, Universidade do Vale do Itajaí.

TEIXEIRA, C. N. J. Debates SEMIÓTICA, informação e comunicação. São Paulo: Perspectiva. 5 ed. 2001.

VERGNAUD, G. El niño, las matemáticas y la realidad: problemas de la enseñanza de las matemáticas e la escuela primaria. México: Trilhas, 2000.

Publicado
2015-01-01
Como Citar
DE SOUZA, R.; MORETTI, M. Objeto real versus ideal: consequências na constituição de sistemas semióticos para a aprendizagem intelectual. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 6, n. 2, p. 70-85, 1 jan. 2015.
Seção
Artigos Gerais