A Iniciação Científica no Brasil e sua propagação no Ensino Médio

  • Washington Luiz da Costa Universidade Norte do Paraná
  • Andreia de Freitas Zompero Universidade Norte do Paraná
Palavras-chave: Iniciação Científica, Ensino Médio, Documentos de ensino, CNPq

Resumo

As instituições escolares são locais privilegiados para que o ensino e a aprendizagem aconteçam. O Ensino Médio, etapa final da Educação Básica, representa o período ideal para a produção científica se solidificar. O presente artigo tem como objetivo apresentar e discutir a literatura relativa à estruturação da Iniciação Científica no ambiente escolar. Para isso, avançamos no universo da Iniciação Científica abordando o seu início de maneira institucionalizada no Brasil por meio da criação do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) na década de 1950, quando se deu o início ao incentivo financeiro para a pesquisa científica no nosso país, até a escola atualmente. Percorremos também os Documentos Oficiais de Ensino do Brasil que sugerem e citam em seus escritos a propagação da pesquisa e da Iniciação Científica nas escolas. Para finalizar, elencamos alguns programas governamentais que estimulam o trabalho científico na escola, oferecendo bolsas financeiras ofertadas aos alunos do Ensino Médio inseridos em programas de pesquisa.  As discussões aqui apresentadas poderão promover a compreensão da comunidade acadêmica em relação ao fomento da Iniciação Científica no Ensino Médio nas escolas do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAZIN, M. J. O que é a iniciação científica. Revista de Ensino de Física, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 81-88, jun. 1983.

BIANCHETTI, L. et al. A iniciação à pesquisa no Brasil: políticas de formação de jovens pesquisadores. Educação, Santa Maria, v. 37, n. 3, p. 569-584, set./dez. 2012.

BONELLI, M. G. Os desafios que a juventude e o gênero colocam para as profissões e o conhecimento científico. In: FERREIRA, Cristina (Org.). Juventude e iniciação científica: políticas públicas para o ensino médio. Rio de Janeiro: EPSJV, UFRJ, 2010. p. 107-120.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB Nº 7/2010. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Disponível em: <http://www.nepiec.com.br/lesgislacao/pceb007_10.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2017.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 15 mar. 2017.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960- 1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 15 mar. 2017.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752- publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 15 mar. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 15 mar. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais gerais da educação básica. Brasília: MEC, 2013. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013- pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file>. Acesso em: 15 mar. 2017.

CORTI, A. P. O. Que ensino médio queremos? Uma experiência de diálogo com escolas públicas. In: FERREIRA, Cristina Araripe (Org.). Juventude e iniciação científica: políticas públicas para o ensino médio. Rio de Janeiro: EPSJV, UFRJ, 2010. p. 53-80.

CONCEIÇÃO, A. J. Contribuições do Programa de Iniciação Científica Júnior na Universidade Estadual de Londrina (UEL): a formação de um habitus adequado ao campo científico. Dissertação (Mestrado Profissional em Políticas Públicas) – Universidade Estadual de Maringá, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, 2012.

CONRADO, D. M.; EL-HANI, C. N. Formação de cidadãos na perspectiva CTS: reflexões para o ensino de ciências. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, 2., 2010, Ponta Grossa. Anais... Ponta Grossa: UTFPR, 2010.

COSTA, W. L. A CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade) na compreensão dos alunos que participam da iniciação científica no Instituto Federal do Paraná. 2015. 114 f. Dissertação (Mestrado em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias) – Centro de Pesquisa em Educação e Tecnologia, Universidade Norte do Paraná, Londrina, 2015.

CUNHA, A. M. Ciência, tecnologia, e sociedade na óptica docente: construção e validação de uma escala de atitudes. 2008. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

FERREIRA, C. A. et al. (Org.). Juventude e iniciação científica: políticas públicas para o ensino médio. Rio de Janeiro: EPSJV; UFRJ, 2010. Disponível em: <http://newpsi.bvs- psi.org.br/eventos/Juventude-IniciacaoCientifica.pdf>. Acesso em: 18 mar. 2017.

FOUREZ, G. Scientific and technological literacy as a social studies of science. Social Studies of Science, Canada, v. 27, n. 6, p. 903-936, 1997. Disponível em: http://sss.sagepub.com/content/27/6/903.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HOUAISS, A. Dicionário eletrônico da língua portuguesa. 2007. Disponível em: <http://houaiss.uol.com.br/busca.jhtm>. Acesso em: 19 mar. 2017.

KERBAUY, T. M.; ANDRADE, T. H. N.; HAYASHI, C. R. M. (Org.). Ciência, tecnologia e sociedade no Brasil. Campinas: Alínea, 2012.

LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, adeus professora?: novas exigências educacionais e profissão docente. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

MALDONADO, L. A. Iniciação científica na graduação em nutrição: autonomia do pensar e do fazer na visão dos pesquisadores/orientadores. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 1998.

MARTINS, R. C. R.; MARTINS, C. B. Programas de melhoria e inovação no ensino de graduação. Estudos e Debates: Uma Política de Ensino Superior, Brasília, v. 20, p. 189- 221, mar. 1999.

MASSI, L.; QUEIROZ, S. L. Estudos sobre iniciação científica no Brasil: uma revisão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 139, p. 173-197, 2010.

OLIVEIRA, A.; BIANCHETTI, L. CNPq: política de fomento à pesquisa nos governos Fernando Henrique Cardoso (FHC). Perspectiva, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 161-182, jan./jun. 2006.

SANTOS, W. L. P.; SCHNETZLER, R. P. Educação em química: compromisso com a cidadania. Ijuí: UNIJUÍ, 1997.

SIMÃO, L. M. et al. O papel da iniciação científica para a formação em pesquisa na pós graduação. In: SIMPÓSIO DE PESQUISA E INTERCÂMBIO CIENTÍFICO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA, 6., 1996. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Anppep, 1996. p. 111-113.

SIQUEIRA, R. N. Métodos de ensino adequados para o ensino da geração Z, uma visão dos discentes. In: ENANGRAD, 23., 2012, Bento Gonçalves. Anais… Bento Gonçalves, RS, 2012.

SORPRESO, T. P. Organização de episódios de ensino sobre a "questão nuclear" para o ensino médio: foco no imaginário de licenciados. 2008. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

VIEIRA, K. R. C. F.; BAZZO, W. A. Discussões acerca do aquecimento global: uma proposta CTS para abordar esse tema controverso em sala de aula. Ciência & Ensino, Campinas, v. 1, n. esp. 2007.

Publicado
2017-04-07
Como Citar
DA COSTA, W. L.; ZOMPERO, A. DE F. A Iniciação Científica no Brasil e sua propagação no Ensino Médio. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 8, n. 1, p. 14-25, 7 abr. 2017.
Seção
Artigos Gerais