PIC/OBMEP: programa de ensino para estudantes com talento em Matemática

  • Ana Schirlo Secretaria de Educação do Estado do Paraná
  • Sani de Carvalho Rutz da Silva Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Palavras-chave: Ensino de Matemática, Programa de Iniciação Científica, Inclusão social

Resumo

A promoção da inclusão social é um dos principais temas de ação do governo brasileiro na atualidade. Nesse contexto, políticas educacionais têm criado projetos de inclusão e o Programa de Iniciação Científica (PIC) da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) é um deles. Diante do exposto, questionam-se quais contribuições, o PIC, proporciona para seus participantes. Procurando respostas para esse questionamento, no decorrer do PIC da OBMEP 2010, realizou-se um estudo de caso com os participantes do PIC do Pólo de Ponta Grossa/Paraná. Essa pesquisa visa elencar algumas contribuições que o PIC proporciona para a aprendizagem dos estudantes que participam desse programa. Cabe clarificar que os dados foram analisados dentro da abordagem qualitativa, desvelando que o PIC é um fator positivo para a aprendizagem desses estudantes, pois promove o aperfeiçoamento dos conhecimentos matemáticos dos participantes do Pólo de Ponta Grossa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCAR, E; FLEITH, D. S. Superdotados: determinantes, educação e ajustamento. São Paulo: EPU, 2001.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL/DPDCT. Direitos à Educação. Disponível em: http://www.mct.gov.br. Acesso em: 09 dez. 2012.

BRASIL/MEC. Olimpíada Brasileira de Matemática Das Escolas Públicas. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12287:olimpiada- brasileira-de-matematica-das-escolas-publicas-&catid=260:olimpiada-de- matematica&Itemid=577. Acesso em: 09 dez. 2012.

BRASIL/SECIS. Inclusão Social. Disponível em: http://www.mct.gov.br. Acesso em: 09 dez. 2012.

CARNEIRO, M. J. D.; SPIRA, M. Oficina de Dobraduras. Rio de Janeiro: OBMEP, 2009.

CARVALHO, P. C. P. C. Métodos de Contagem e Probabilidade. Rio de Janeiro: OBMEP, 2009.

DELORS, Jaques ET AL. Educação: um tesouro a descobrir. SP: Cortez, UNESCO, MEC, 1998.

FOMIN, D. Mathematical circles. Tradução SBM, 2010. HEFEZ, A. Indução Matemática. Rio de Janeiro: OBMEP, 2009.

HEFEZ, A. Iniciação à Aritmética. Rio de Janeiro: OBMEP, 2009.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2005.

MALAGUTTI, P. L. Atividades de Contagem a partir da Criptografia. Rio de Janeiro: OBMEP, 2009.

OBMEP/PIC. Disponível em: http:// www.obmep.org.br/pic.html. Acesso em: 09 dez. 2012.

OBMEP/PROVAS. Disponível em: http:// www.obmep.org.br/provas.html. Acesso em: 09 dez. 2012.

OBMEP/REGULAMENTO. 2012. Disponível em: http://www.obmep.org.br/regulamento.html. Acesso em: 09 dez. 2012.

POLATO. A. Sem medo de contas e equações. Revista Nova Escola, São Paulo, edição 209, Janeiro/Fevereiro, 2008. Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/matematica/pratica-pedagogica/medo-contas-equacoes- 429852.shtml. Acesso em: 05 dez. 2012.

TORRANCE, E. P. Torrance testes of creative thinking - Norms and Techicam Manual. Bensenville I L.: Scholastic Testing Service, 1974.

WAGNER, E. Teorema de Pitágoras e Áreas. Rio de Janeiro: OBMEP, 2009.

Publicado
2014-01-01
Como Citar
SCHIRLO, A.; SILVA, S. PIC/OBMEP: programa de ensino para estudantes com talento em Matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 5, n. 1, p. 49-62, 1 jan. 2014.
Seção
Artigos Gerais