O currículo do Estado de São Paulo: o que pensam os professores

  • Solange de Fátima Dias Universidade Cruzeiro do Sul
  • Carmem Lúcia Costa Amaral Universidade Cruzeiro do Sul
Palavras-chave: Currículo de São Paulo, Química

Resumo

Este trabalho tem como objetivo investigar o que os professores de Química que atuam no Ensino Médio pensam a respeito do Currículo do Estado de São Paulo, o qual vem sendo utilizado desde o ano de 2009. Para isso indagamos a esses professores “O que você acha do Currículo de Química proposto pela Secretaria Estadual de Educação?” A análise das respostas a essa indagação nos levou a interpretar as concepções dos professores dentro de três categorias abertas: o currículo escolar, currículo e conteúdo, resistência a proposta curricular. A partir dessas categorias pudemos concluir que para esses professores, o Currículo é uma sequencia de conteúdos e que o Currículo de Química proposto pela Secretaria de Educação não segue a sequência de conteúdos que ele está acostumado a utilizar, levando-o a rejeição e resistência a esse Currículo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COLELLO, S. Para onde vai a formação do professor? In International Studies on Law and Education 1. São Paulo, Harvard Law School Association/ EDF / Mandruvá, 1999. Disponível em: http://www.hotoppos.com. Acesso: 02/2012

COSTA, C. O Currículo numa Comunidade de Prática. Revista de Ciências da Educação. n.3, p.87-99, 2007.

DOMINGUES, J.J.; TOSCHI, N.S.; OLIVEIRA, J.F. A reforma do Ensino Médio: A nova formulação curricular e a realidade da escola pública. Educação & Sociedade, ano XXI, nº 70, p. 63 -79, 2000.

FERNANDES, S.F. A Implementação Da Proposta Pedagógica No Estado De São Paulo: Entre o Compromisso Individual e a Responsabilidade Institucional. Disponível em:: http://www.anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/PDFs/trabalhosCompletos/comunicaco esRelatos/0483.pdf. Acesso: 02/2012.

HERNÁNDEZ, F. et all. Aprendendo com as inovações nas escolas. Tradução de Ernani Rosa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

KELLY, A.V. O Currículo: teoria e prática. Tradução de MARTINS, Jamir; revisão técnica de PARRA, Nélio. São Paulo: Harper & Row do Brasil, 1981.

MIZUKAMI, M.G. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo, EPU, 1986.

MOREIRA, A. F. B. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura / [Antônio Flávio Barbosa Moreira, Vera Maria Candau]; organização do documento Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

PAULO, R.M.; AMARAL, C.L.C., SANTIAGO, R.A., A Pesquisa na Perspectiva Fenomenológica: explicitando uma Possibilidade de Compreensão do Ser-Professor de Matemática. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 10, n.3, 71- 85, 2010.

SACRISTIÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

SANTOS, F.M.T.; GRECA, I.M.. Promovendo aprendizagem de conceitos e de representações pictóricas em Química com uma ferramenta de simulação computacional . Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. v. 4, n.1, p.1-25, 2005.

SANTOS, W.; SCHNETZLER, R.P. O que significa ensino de Química para formar o cidadão? Química Nova na Escola, n. 4, p. 28-34, 1996.

SÃO PAULO – Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. Currículo do Estado de São Paulo- Ciências da Natureza e suas Tecnologias – Ensino Fundamental –Ciclo II e Ensino Médio- SEE, 2008.

TAVARES, L.H.W. Analisando a autonomia do professor na nova Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o Ensino de Química. Revista Ciência em Tela, v.2, n.1, p.1- 10, 2009.

Publicado
2012-10-01
Como Citar
DIAS, S.; AMARAL, C. O currículo do Estado de São Paulo: o que pensam os professores. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 3, n. 3, p. 627-634, 1 out. 2012.
Seção
Artigos Gerais