Integração e diversidade: articulações entre a Etnomatemática e as questões étnico-raciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v14n2a12

Palavras-chave:

Etnomatemática, Educação Quilombola, Saberes e Fazeres Afro-Brasileiros

Resumo

Objetivamos, aqui, analisar o que dizem as teorias acerca da Etnomatemática, suas práticas, bem como a legislação brasileira sobre as questões étnico-raciais e a Educação Quilombola. A construção do nosso aporte teórico foi subsidiada por autores que discutem a Educação Matemática, como D’Ambrosio (2009, 2019); as questões das relações raciais, como Gomes (1997, 2005) e Munanga (2001); além da legislação brasileira (1988, 1996, 1999, 2003, 2004, 2007, 2012, 2015, 2018). Os resultados apontaram que é complexo abordar as relações étnico-raciais e as diferentes maneiras de construir conhecimento, pois, mesmo em instituições de ensino situadas em Comunidades Quilombolas e havendo determinações legais que as amparem, as temáticas relacionadas aos saberes e fazeres matemáticos afro-brasileiros ainda são pouco tratadas. Nesse sentido, buscamos ressaltar como o Programa Etnomatemática pode favorecer tal discussão, a partir do lugar que reserva aos saberes e fazeres matemáticos das populações tradicionais dessas instituições educacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARROS, Zelinda dos Santos; BARRETO, Paula Cristina da Silva; SANTOS, Marta Alencar dos; OLIVEIRA, Maiara Alves. Educação e relações étnico-raciais: módulo 4. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais, 2011.

BORBA, Francisco da Silva (Org.). Dicionário UNESP do português contemporâneo. 2005.

BRASIL. Congresso Nacional. Decreto 485 de 7 de dezembro de 2006. Brasília: Diário Oficial da União, 7 dez. 2006.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 3/2004. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: Diário Oficial da União, 19 maio 2004a.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB nº 8, de 20 de novembro de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Brasília: Diário Oficial da União, 21 nov. 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Diário Oficial da União.

BRASIL. Decreto 4.887 de 20 de novembro de 2003b. Brasília: Diário Oficial da União, 20 dez. 2003b.

BRASIL. Decreto 6.040 de 7 de fevereiro de 2007. Brasília: Diário Oficial da União, 7 fev. 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Artigo 80. O Poder Público incentivará o desenvolvimento e a veiculação de programas de ensino a distância, em todos os níveis e modalidades de ensino, e de educação continuada. Brasília: Diário Oficial da União, 20 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 1999.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 10.639 de 9 de janeiro de 2003: “História e Cultura Afro-Brasileira”. Brasília: Diário Oficial da União, 9 jan. 2003a.

BRASIL. Resolução nº. 1 de 17 de junho de 2004a. Institui Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: Diário Oficial da União, 19 maio 2004b.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Sociedade, cotidiano escolar e cultura(s): uma aproximação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 125-161, 2002.

CÂNDIDO, Rita de Kássia; GENTILINI, João Augusto. Base Curricular Nacional: reflexões sobre autonomia escolar e o Projeto Político-Pedagógico. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Goiânia, v. 33, n. 2, p. 323–336, 2017.

CEDEFES — Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva. Afro-Brasileiros. Disponível em: http://www.cedefes.org.br/new/index.php. Acesso em: 10 abr. 2022.

CENTRO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO DE HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA DO BRASIL (CPDOC). Lei De Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN). In: Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: CPDOC, 2010.

CIRO, Amanda Cristina Santiago Silva. Memória, identidade e cidadania: entre reflexões e diálogos com a comunidade remanescente de quilombo Buieié. 2019. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Cultural, Paisagens e Cidadania) — Universidade Federal de Viçosa. Viçosa.

COLL, Liana. Professor Ubiratan D’Ambrosio uniu matemática, educação e busca por justiça social. Unicamp, 13 maio 2021. Atualidades.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

D’AMBROSIO, Ubiratan. O Programa Etnomatemática e a crise da civilização. Hipátia, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 16-25, 2019.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: história, tendências e dilemas contemporâneos. Dimensões, Vitória, v. 21, p. 101-124, 2008.

GOMES, Joaquim Benedito Barbosa; SILVA, Fernanda Duarte Lopes Lucas da. As ações afirmativas e os processos de promoção da igualdade efetiva. Revista Direito Federal, Brasília, n. 24, p. 86-153, 2001.

GOMES, Nilma Lino. A Contribuição dos Negros para o Pensamento Educacional Brasileiro. In: SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves; BARBOSA, Lúcia Maria de Assunção (orgs.). O pensamento negro em educação no Brasil: expressões do movimento negro. São Carlos: Ed. da UFSCar, 1997.

GOMES, Nilma Lino. Educação e relações raciais: refletindo sobre algumas estratégias de atuação. In: Superando o racismo na escola. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetizada e Diversidade. Brasília: MEC/SECADI, 2005.

GONSALVES, Elisa. Pereira. Iniciação à pesquisa científica. Campinas: Alínea, 2001.

KNIJNIK, Geisa. Exclusão e Resistência, Educação Matemática e Legitimidade Cultural. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

MARQUESE, Rafael de Bivar. A Dinâmica da escravidão no Brasil: resistência, tráfico, negreiro e alforrias, séculos XVII a XIX. Novos Estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 74, p. 107-123, mar. 2006.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Educação. Currículo Referência de Minas Gerais. Belo Horizonte: SEE, 2018.

MORAIS, Danilo de Souza; OLIVEIRA, Ernandes Rocha de; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. As Leis 10.399/03 e 11.465/08 se fazem necessárias? Presente! Revista de Educação, Salvador, v 16, n. 16, p. 32-33, dez. 2008.

MUNANGA, Kabengele. Superando o racismo na escola. 3. ed. Brasília: MEC/SEF, 2001.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948. Disponível em: https://www.unicef.org. Acesso em: 8 ago. 2022.

RODRIGUES, Tatiane Consentino. Movimento negro no cenário brasileiro: embates e contribuições à política educacional nas décadas de 1980-1990. São Carlos: UFSCar, 2005.

SANTOS, Renato Emerson dos. O ensino de Geografia do Brasil e as relações raciais: reflexões a partir da Lei 10.639. In: SANTOS, Renato E. dos. (Org). Diversidade, espaço e relações étnico-raciais: o negro na Geografia do Brasil. 2. ed. Belo Horizonte: Gutenberg, 2009, p. 21-40.

SILVA, C. Processo de Implementação da Lei 10.639/03 na Rede Municipal de Ensino do Recife. In. AGUIAR, M. A. Educação e Diversidade: estudos e Pesquisa. Recife: Vasconcelos, 2009, p. 19-39.

SILVA, Enid Rocha Andrade. A Constituição Cidadã e a Institucionalização dos Espaços de Participação Social: Avanços e Desafios. In: ANFIP. (Org.). 20 anos da Constituição Cidadã: Avaliação e Desafios da Seguridade Social. Brasília: ANFIP, 2008, p. 131-148.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

UNESCO. Declaração Universal sobre Diversidade Cultural. 2001. Disponível em: http://bit.ly/3AkeyCt. Acesso em: 8 ago. 2022.

VIEGAS, Nazaré do Socorro Bitencourt. Olhares sobre a Escola Quilombola Professor Bento Lima de Oliveira, no município de Moju, de 2007 a 2017. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Pará. Belém.

Downloads

Publicado

11.05.2023

Como Citar

DIOGENES, Adriana Lúcia Brandão; ALMEIDA, Shirley Patrícia Nogueira de Castro e. Integração e diversidade: articulações entre a Etnomatemática e as questões étnico-raciais. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 1–23, 2023. DOI: 10.26843/rencima.v14n2a12. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/rencima/article/view/4485. Acesso em: 22 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos