Curriculum as a space of opportunities: adaptations and understanding of Mathematics teachers about inclusive education

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v14n1a21

Palavras-chave:

Resume, Inclusive Education, Mathematics Teachers

Resumo

This article presents a bibliographical research, of a qualitative nature, which aimed to: a) identify the main curricular adaptations in the teaching of Mathematics to serve students from the perspective of inclusive education; b) analyze how teachers recognize themselves in the curriculum production process, respecting the specificities of students. Data collection was carried out by reading selected works that address the theme of inclusive mathematics teaching. Regarding the examination of the data, we opted for Content Analysis. As a result, we can point out that flexibility in the curriculum is fundamental within the process of school inclusion, and in the teaching of mathematics, adaptations in games, problem solving, as well as contextualization and socialization are indicators that collaborate in the learning process of students, with or without disabilities.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, M. J. F.; CAMARGO, J. A. TDAH e Matemática: Implicações na Prática Escolar. In: XII Encontro Nacional de Educação Matemática, 2016, São Paulo. Anais eletrônicos do XII ENEM: Educação Matemática na Contemporaneidade: desafios e possibilidades. São Paulo: UNICSUL, 2016, p. 1-12.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BERTOLDE, F. Z.; LARCHERT, J. M. Pensando as adaptações curriculares na perspectiva da educação especial. In: CASTRO, P. A. de. (Org.). Educação como (re)Existência: mudanças, conscientização e conhecimentos. Campina Grande: Realize, 2021, p. 1312-1329.

BRASIL. Decreto nº 1.428, de 12 de setembro de 1854. Cria Instituto denominado Imperial Instituto dos meninos cegos. Rio de Janeiro: Diário Oficial da União, 12 dez.1854.

BRASIL. Lei nº 3.198 de 06 de julho de 1957. Denomina Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES) o atual instituto nacional de surdos-mudos. Instituto de surdos mudos criado pela lei imperial 939. Rio de Janeiro: Diário Oficial da União, 6 de jul. 1957.

BRASIL. Lei nº 5.692, DE 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus. Brasília: Diário Oficial da União, 20 ago. 1971.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Estabelece a Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Diário Oficial da União, 5 de out. 1988.

BRASIL. Lei nº 8.069, DE 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Diário Oficial da União, 13 jul. 1990.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP, 1994.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Diário Oficial da União, 20 de dez. 1996.

BRASIL. Decreto Nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 21 de dez. 1999.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 2 de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: Diário Oficial da União, 14 set. 2001.

BRASIL. Lei nº 10.172 de 9 de janeiro de 2001. Estabelece o Plano Nacional de Educação. Brasília: Diário Oficial da União, 9 de jan. 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Programa Educação Inclusiva: Direito à Diversidade. Brasília: MEC/SES, 2006.

BRASIL. Decreto nº 6.094/07, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União Federal, em regime de colaboração com Municípios, Distrito Federal e Estados, e a participação das famílias e da comunidade, mediante programas e ações de assistência técnica e financeira, visando a mobilização social pela melhoria da qualidade da educação básica. Brasília: Diário Oficial da União, 25 de abr. 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano de Desenvolvimento da Educação: Plano de Desenvolvimento da Educação razões, princípios e programas. Brasília: MEC, 2007.

BRASIL. Decreto nº 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o parágrafo único do art. 60 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e acrescenta dispositivo ao Decreto nº 6.253, de 13 de novembro de 2007. Brasília: Diário Oficial da União, 17 de set. 2008.

BRASIL. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: MEC, 2009.

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011.Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado. Brasília: Diário Oficial da União, 18 de nov. 2011.

BRASIL. Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Brasília: Diário Oficial da União, 27 de dez. 2012.

BRASIL. Lei n. 12.976, de 4 de abril de 2013. Altera a lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Brasília, 2013.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília: Diário Oficial da União, 6 de jul. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Decreto nº 9.465, de 2 de janeiro de 2019. Aprova a estrutura regimental e quadro demonstrativo dos cargos em comissão e das funções de confiança do ministério da educação e transforma cargos em comissão do grupo direção e assessoramento superiores. Brasília: Diário Oficial da União, 02 de jan. 2019.

BRASIL. Decreto nº 10.502, de 30 de setembro de 2020. Política Nacional de Educação Especial, institui a chamada a Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida. Brasília: Diário Oficial da União, 30 de set. 2020.

CANASSA, V.; BORGES, F. Concepções do Transtorno do Espectro Autista - TEA: uma análise de trabalhos acadêmicos na perspectiva do ensino e da aprendizagem de Matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 6, p. 1-21, 29 dez. 2021.

COSTA, P. K. A.; SILVA, S. C. R.; NORONHA, A. M. Formação Inicial de Professores de Matemática na Perspectiva da Educação Inclusiva. REMATEC, v. 16, n. 38, p. 1-18, 2021.

KREUZ, K. K.; LEITE, F. de A. Compreensões de Professores de Ciências acerca de Currículo Escolar: uma Revisão Bibliográfica. Revista Prática Docente, v. 5, n. 2, p. 1211-1233, 2020.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo, SP: Atlas 2003.

MENEZES, A. L. dos S.; BARTELMEBS, R. C.; RAMOS, MAURIVAN G.; LAHM, R. A. Percepções de professores da educação básica acerca do conceito de inclusão. Vidya, Santa Maria, v. 36, n. 1, p. 1-13, jan./jun. 2016.

MOZZATO, A. R.; GRZYBOVSKI, D. Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios. RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, p. 731-747, jul./ago. 2011.

NOGUEIRA, C. M. I.; BORGES, F. A. Uma análise das aulas de matemática para alunos surdos inclusos em uma turma do 9º ano do Ensino Fundamental. Revista Educação e Linguagens, Campo Mourão, v. 1, n. 1, p. 99-118, ago./dez. 2012.

OLIVEIRA, A. P. de. Adaptação curricular para autistas no ensino fundamental I: um enfoque na legislação educacional. 2016. 29 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Psicopedagogia) — Centro de Educação da Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 2017.

ROLIM, C. L. A.; LIMA, S. M. A.; LAGARES, R. Atividade docente em contexto inclusivo: um olhar sobre o ensino de matemática. Holos, v. 2, p. 229-238, ago. 2017.

ROSA, F. M. C.; BARALDI, I. M. O uso de narrativas (auto)biográficas como uma possibilidade de pesquisa da prática de professores acerca da Educação (Matemática) Inclusiva. Bolema, v. 29, n. 53, 2015.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos e plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, Tailândia: UNESCO, 1990.

UNESCO. Declaração de Salamanca e Linha de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasília: Corde, 1994.

VIGINHESKI, L. V. M.; FRASSON, A. C; SILVA, S. C. R.; SHIMAZAKI, E. M; O sistema Braille e o ensino da Matemática para pessoas cegas. Ciência & Educação, Bauru, v. 20, n. 4, p. 903-916, 2014.

VYGOTSKY, L. S. Fundamentos de defectologia. Obras escogidas: Vol. 5. Madrid: Visor, 1997.

XAVIER, G. C. O currículo e a educação inclusiva: a prática curricular e suas implicações na inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais especiais. 2008. 197f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Faculdade de Educação. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte.

Publicado

2023-01-22

Como Citar

SILVA, L. T. S.; CHARLOT, V. A. C. S. .; ATTIE, J. P. Curriculum as a space of opportunities: adaptations and understanding of Mathematics teachers about inclusive education. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 1–19, 2023. DOI: 10.26843/rencima.v14n1a21. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/4414. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos