School mathematics and teaching authorship in Brazilian curriculum production (1929-2019)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v13n6a29

Palavras-chave:

Mathematics Curriculum, Curriculum, Mathematics Education, History of Curriculum Production

Resumo

The purpose of this text is to present an institutional research and discuss the partial results of its development. The proposal is situated in the context of the “Mathematics in the curriculum of Basic Education, its epistemologies and policies”, which aims to map and analyze the curricular proposals and/or the prescribed curriculum in Brazil, from 1929 to 2019, so that it is possible to understand how the epistemology of mathematics supported each movement, as well as its implications for the teaching of the discipline in each historical period. Furthermore, it seeks to understand and discuss the production/formulation contexts of each curricular proposal in terms of showing whether there was teacher participation/authorship in its elaboration. The preliminary results achieved by the investigation are part of the search to subsidize a critical look at the field of curriculum in its interface with Mathematics Education.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Nilda; MACEDO, Elizabeth; MANHÃES, Luiz Carlos; OLIVEIRA, Inês Barbosa. Criar currículo no cotidiano. São Paulo: Cortez, 2002.

BALL, Stephen. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Revista Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, 2001, p. 99-116.

BALL, Stephen.; MAGUIRE, Meg; BRAUN, Annette. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016.

BARRETO, Elba Sá. (coord.). As propostas curriculares oficiais. Análise das propostas curriculares dos estados e de alguns municípios das capitais para o ensino fundamental. Coleção Textos FCC, n. 10. Fundação Carlos Chagas: São Paulo, 1995.

BERTONI, Neuza; VALENTE, Wagner Rodrigues. (Org.). Saberes matemáticos em circulação no Brasil: dos documentos oficiais às revistas pedagógicas, 1890-1970. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2016.

BORBA, Marcelo de Carvalho.; ARAÚJO, Jussara Loiola. Construindo pesquisas coletivamente em Educação Matemática. IN: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (orgs.). Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para as Relações Étnico-raciais. Brasília: Ministério da Educação, 2004.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais. Brasília: Ministério da Educação, 2013.

BRASIL. Lei Federal 9.394 de 1996 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: Ministério da Educação, 1998.

CARVALHO, João Bosco Pitombeira. As idéias fundamentais da matemática moderna. Boletim GEPEM, v. 13, n. 23, p. 7-24, 1988.

DASSIE, Bruno. A Matemática do curso secundário na Reforma Gustavo Capanema. 2001. Dissertação (Mestrado em Matemática) — Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

DASSIE, Bruno.; ROCHA, João Lourenço. O ensino de matemática no Brasil nas primeiras décadas do século XX. Caderno Dá-Licença, v. 4, n. 5, p. 65-73, dez. 2003.

DOURADO, Luís Fernandes; AGUIAR, Márcia Ângela (Org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018.

FERREIRA, Taís. Problematizando uma Estratégia Multimetodológica de Pesquisa em Teatro e Educação. Olhar de Professor, v. 7, n. 1, 2009.

FIORENTINI, Dario. Alguns modos de ver e conceber o ensino da Matemática no Brasil. Zetetiké, v. 3, n. 1, p. 1-38, 1995.

LINS, Marcos Estellita; LOBO, Maria Stella de Castro; LOUBACK, Ana Natali Leal; SILVA, Vítor Israel de Oliveira. Multimetodologia para a simulação da Covid-19 no estado de São Paulo: subsídios para a gestão. Pesquisa Operacional para o Desenvolvimento, v. 13, p. 1–24, 2021.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986

MATTAR, Sumaya. Cartografia e autoria docente: a imaginação criadora nos processos de planejamento e de ensino. Relatório de produção acadêmica. USP.

OLIVEIRA, Inês Barbosa. Contribuições de Boaventura de Sousa Santos para a reflexão curricular: princípios emancipatórios e currículos pensadospraticados. Revista e-curriculum, v.8, n. 2, p. 1-22, 2012.

PALANCH, Wagner. Mapeamento de pesquisas sobre currículos de Matemática na Educação Básica brasileira (1987 a 2012). 2016. 283f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) — Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologias. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo.

PIRES, Célia Maria Carolino. Currículos de Matemática: da organização linear à idéia de rede. São Paulo: FTD, 2000.

PIRES, Célia Maria Carolino. Currículos de Matemática: para onde se orientam? Revista de Educação, Campinas, n. 18, p. 25-34, 2005.

PIRES, Célia Maria Carolino; SILVA, Márcio Antônio da. Desenvolvimento curricular em Matemática no Brasil: trajetórias e desafios. Quadrante, v. 20, n. 2, p. 57-81, 2011.

RICO, Luís. ¿Qué debe investigar sobre los currículos de matemáticas? In: FÓRUM NACIONAL SOBRE CURRÍCULOS DE MATEMÁTICA, 2, Anais do 2º FNCM. São Paulo: Zapt Editora, 2013, p. 9-19.

ROCHA, João Lourenço. A Matemática do Curso Secundário na Reforma Francisco Campos, 2001. Dissertação (Mestrado em Matemática) — Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

SOARES, Flávia Silva. Movimento da matemática moderna no Brasil: avanço ou retrocesso? 2001. Dissertação (Mestrado em Matemática) — Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

SOBRINHO, Ranulfo Paiva; ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Breve introdução a multimetodologia aplicada à governança e apoio à decisão em sistemas socioecológicos complexos. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 8, n. 3, p. 91-96, 2014.

TAVARES, Jane Cardote. A Congregação do Colégio Pedro II e os debates sobre o ensino de Matemática. 2002. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) — Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologias. Pontifícia Universidade católica de São Paulo. São Paulo.

VALENTE, Wagner Rodrigues. A produção curricular, a matemática do ensino e os experts. IN: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, V. Anais do V ENAPHEM, 2001.

VALENTE, Wagner Rodrigues. (Org.) Euclides Roxo e a modernização do ensino de matemática no Brasil. Brasília: Editora da UnB, 2004.

VALENTE, Wagner Rodrigues. Uma história da matemática escolar no Brasil, 1730-1930. 2. ed. São Paulo: Annablume, 2002.

VALLLE, Júlio César Augusto do. Apontamentos sobre as ausências da Base Nacional Comum Curricular de Matemática. Revemop, Ouro Preto, Brasil, v. 3, p. 1-26, 2021.

VALLLE, Júlio César Augusto do. Os currículos brasileiros e suas políticas sob as perspectivas socioculturais da Educação Matemática: das prescrições aos currículos pensadospraticados. Revista Internacional Educon, v. 1, n. 1, set./dez. 2020.

WERNECK, Arlete Petry Terra. Euclides Roxo e a Reforma Francisco Campos: a gênese do primeiro programa de ensino de matemática brasileiro. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). São Paulo: PUC-SP, 2003.

Publicado

11.12.2022

Como Citar

VALLE, Júlio César Augusto. School mathematics and teaching authorship in Brazilian curriculum production (1929-2019). Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 13, n. 6, p. 1–17, 2022. DOI: 10.26843/rencima.v13n6a29. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/rencima/article/view/4400. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos