Science Teaching in the Base Nacional Comum Curricular and in the Currículo Referência de Minas Gerais: analysis from the perceptions of in-service and pre-service teachers

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v13n6a28

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular, Science Teaching, Currículo Referência de Minas Gerais, Public Policy

Resumo

This work aims to understand how the implementation process of the Base Nacional Comum Curricular (BNCC) and the Currículo Referência de Minas Gerais (CRMG) of Natural Sciences (NC) of Elementary School II (ES II) occurred in the schools of the Regional Education Superintendence (RES) of Diamantina (MG) RES/Diamantina. Science teachers from ES and students of the Degree in Biological Sciences at the Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) participated in the research. Discursive Textual Analysis was the methodology used to analyze four pre-established categories: 1) Scope of the curriculum; 2) Implementation of BNCC and CRMG; 3) Influence of BNCC and CRMG on Science Teaching, and 4) Characterization of the curriculum by the science teachers’ teaching practice courses. The results indicate that the guidelines established by the BNCC and CRMG for the NC of ES II are a traditional curriculum and distant from an educational project aiming at a critical and emancipatory scientific education.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, P. T. de A.; DA SILVA, S. A. National Common Curricular Base - BNCC: state of the art of research produced in graduate programs in Brazil in the years 2018 and 2019 disclosed in the Digital Library of Theses and Dissertations. Research, Society and Development, Vargem Grande Paulista, v. 9, n. 4, p. 01-13, 2020.

BASÍLIO, A. L. A sociedade perde ao não discutir gênero na escola. Carta Capital. 2017. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/educacao/sociedade-perde-ao-nao-discutir-genero-na-escola. Acesso em: 14 maio 2021.

BRASIL. Lei nº. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Diário Oficial da União, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEB, 2018.

CARREIRA, D. Gênero na BNCC: dos ataques fundamentalistas à resistência política. In: CASSIO, F.; CATELLI JR., R. (Org.) Educação é a base? 23 educadores discutem a BNCC. São Paulo: Ação Educativa, 2019, p. 33-47.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. P.; PERNAMBUCO, M. M. C. A. Ensino de Ciências: Fundamentos e Métodos. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

EYNG, A. M. Currículo e avaliação: duas faces da mesma moeda na garantia do direito à educação de qualidade social. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 15, n. 44, p. 133-155, 2015.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LOPES, A. C. Por um currículo sem fundamentos. Linhas Críticas. Brasília, v. 21, n. 45, p. 445-466, 2015.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez Editora, 2011.

MACEDO, E. “A Base é a Base”. E o Currículo o que é? In: AGUIAR, M. A. S.; DOURADO, L. F. (Org.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018, p. 28-33.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais. Currículo Referência de Minas Gerais. Belo Horizonte: SEE/MG, 2018.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-210, 2003.

MORAES, R.; GALLIAZI, M. C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, Bauru, v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006.

RANULFO, A. A.; FERNANDES, G. W. R.; ALLAIN, L. R. As percepções de um professor e alunos sobre o Ensino e as Questões de Ciências do Pisa de 2015. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 19, p. 299-328, 2019.

SACRISTÁN, J. G.; GÓMÉZ, P. A. I. Compreender e transformar o ensino. 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. de. Construindo argumentação na sala de aula: a presença do ciclo argumentativo, os indicadores de alfabetização científica e o padrão de Toulmin. Ciência & Educação, Bauru, v. 17, p. 97-114, 2011.

SAUJAT, F. O trabalho do professor nas pesquisas em educação: um panorama. In: MACHADO, A. R. (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: EdUEL, 2004, p. 3-34.

SILVA, O. J. da. Orientações para uma leitura conservadora da BNCC. 2018. Disponível em: https://deolhonolivrodidatico.blogspot.com/2018/01/guia-para-leitura-da-bncc-com-uma.html. Acesso em: 23 nov. 2021.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SILVA, T. T. Teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

VIECHENESKI, J. P.; CARLETTO, M. Por que e para quê ensinar Ciências para crianças. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Curitiba, v. 6, n. 2, p. 213-227, 30 ago. 2013.

YOUNG, M. Para que servem as escolas? In: PEREIRA, M. Z. da C.; CARVALHO, M. E. P. de; PORTO, R. de C. C. (Org.). Globalização, interculturalidade e currículo na cena escolar. Campinas: Atlas, 2014, p. 81-130.

Publicado

05.12.2022

Como Citar

SOUZA, Patrícia de; FERNANDES, Geraldo Wellington Rocha. Science Teaching in the Base Nacional Comum Curricular and in the Currículo Referência de Minas Gerais: analysis from the perceptions of in-service and pre-service teachers. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 13, n. 6, p. 1–23, 2022. DOI: 10.26843/rencima.v13n6a28. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/rencima/article/view/4391. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos