Avaliação de softwares matemáticos quanto a sua funcionalidade e tipo de licença para uso em sala de aula

Autores

  • Rosana dos Santos Universidade Federal de Pelotas
  • Aline Brum Loreto Universidade Federal de Pelotas
  • Juliano Lucas Gonçalves Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v1i1.4

Palavras-chave:

Ensino de Matemática, Internet, Licença de Software, Software, Software Livre

Resumo

Devido à grande disponibilidade de softwares matemáticos na Internet, surgem alguns problemas como: identificar aqueles que possuem ou não custos para sua aquisição, verificar se um determinado software prove recursos a um determinado conteúdo de matemática e se este é indicado para ser utilizado em uma determinada série de ensino. Neste contexto, o presente artigo possui como objetivos: apresentar conceitos dos diferentes tipos de softwares e licenças – para que o profissional envolvido no processo educacional possua condições de diferenciar os tipos de softwares existentes na Internet, escolhendo aquele que não apresente custos e que ainda possua recursos para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem na área de matemática – realizar a identificação e classificação de softwares de matemática – destacando os que se enquadram nas categorias de código aberto, gratuitos ou livres – e indicar as séries de ensino e conteúdos de matemática de cada software classificado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASCENCIO, A. F. G., CAMPOS, E. A. V., Fundamentos da programação de computadores. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

BARAN, I., Kseg. Banco Internacional de Objetos Educacionais, Ministério da Educação. Disponível em: http://objetoseducacionais2.mec.gov.br/handle/mec/10488. Acesso em: 06 jan 2010.

BORTOLOSSI, H. B. Régua e Compasso, Software de Geometria Dinâmico e Gratuito. Disponível em: http://www.professores.uff.br/hjbortol/car/index.html. Acesso em: 24 nov. 2009

CALC 3D. Software Calc 3D. Disponível em: http://www.calc3d.com. Acesso em 24 jan. 2010.

CARVALHO, F. C. A., IVANOFF, G. B., Tecnologias que educam: ensinar e aprender com tecnologias de informação e comunicação. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

D’AMBRÓSIO, U. Educação Matemática: da teoria à pratica. Campinas: Papirus, 2003.

FERNANDES, C. A. F. Softwares educativos matemáticos como recurso didático nas aulas. Novembro/2006. Disponível em: http://www.pdf-search-engine.com/softwares- educativos-pdf-6.html. Acesso em: Jul. de 2009.

GEOGEBRA. Software Geogebra. Disponível em: http://www.geogebra.org. Acesso em: 21 nov. 2009.

GONÇALVES, I., Análise dos diferentes tipos de softwares usados na educação. 2003. Disponível em: http://geocities.ws/ivanete20032002/aval-softword_iva.html. Acesso em: 05 nov. 2009.

GNU. Free Software Foundation. Disponível em: http://www.gnu.org. Acesso em: 10 out. 2009.

GNU. Octave. Disponível em: http://www.gnu.org/software/octave/. Acesso em 04 jan. 2010.

KMPLOT. Software Kmplot. Disponível em: http://edu.kde.org/kmplot/. Acesso em: 24 jan. 2010.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, Orientações curriculares para o ensino médio: Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias, vol. 2, Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, p. 89, 2006.

MPL. Mozilla Public License. Disponível em: http://www.mozilla.org/MPL/MPL-1.1.html. Acesso em: 24 jan. 2010.

PIRES, P. S. M., Introdução ao Scilab Versão 3.0. Manual - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Engenharia de Computação e Automação, Natal, 2004. Disponível em: http://www.dca.ufrn.br/~pmotta/sciport-3.0.pdf.

PORTO, T. M. E., Redes em construção: meios de comunicação e práticas educativas. 1º ed., Araraquara: JM editora, p. 39, 2003.

PRESSMAN, R. S., Engenharia de software, 6ª. ed., São Paulo: MCGRAW-Hill, 2006.

PUGA, S., RISSETTI, G., Lógica de programação e estrutura de dados, com aplicações em Java, 2ª. ed., São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

RICHIT, A., TOMKELSKI, M. L., RICHIT, A., Software WinGeon e Geometria Espacial: explorando conceitos e propriedades, 2008. Disponível em: http://www.limc.ufrj.br/htem4/papers/26.pdf. Acesso em: 06 jan 2010.

ROCHA, S. S. D., Formação de professores para o uso das tecnologias livres: caminhos a se trilhar. Revista Espírito Livre. Ano I, n.3, v. 1, 2009. Disponível em: www.revista.espiritolivre.org. Acesso em: 15 nov. 2009.

ROMERO, C. S., Recursos Tecnológicos nas Instituições de Ensino: Planejar aulas de matemática utilizando softwares educacionais. Novembro/2006. Disponível em: http://www.inf.unioeste.br/~claudia/texto2.pdf. Acesso em: Jan. de 2009.

SANTOS, Rosana; LORETO, Aline Brum. Softwares livres de matemática: identificando e classificando para incentivar o seu uso. Em: XVIII Congresso de Iniciação Cientifica. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas (UFPel), 2009.

SILVEIRA, S. A., Software Livre e Inclusão Digital. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2003.

SOMMERVILLE, I., Engenharia de Software, 8ª. ed., São Paulo: Pearson Addison- Wesley, 2007.

SOUZA, S.A., Usando o Winplot. 2004. Disponível em: http://www.mat.ufpb.br/~sergio/winplot/winplot.html. Acesso em: 23 nov. 2009.

TORRES, C., et all., Utilização do software Maxima. Manual - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009. Disponível em: http://www.ime.unicamp.br/~marcio/ss2006/grupo10.pdf. Acesso em: 10 nov. 2009.

Downloads

Publicado

2010-01-01

Como Citar

SANTOS, R. dos; LORETO, A. B.; GONÇALVES, J. L. Avaliação de softwares matemáticos quanto a sua funcionalidade e tipo de licença para uso em sala de aula. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 47-65, 2010. DOI: 10.26843/rencima.v1i1.4. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/4. Acesso em: 5 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos