Jogos pedagógicos & oficinas: uma parceria nas aulas de Matemática

Autores

  • Lia Corrêa da Costa Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Elisabete Guerato Universidade Anhanguera

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v3i3.395

Palavras-chave:

Jogos pedagógicos, Oficinas, Ensino de Matemática

Resumo

Esta pesquisa surgiu da necessidade de contribuir com o ensino/aprendizagem perante as dificuldades relacionadas à aprendizagem da Matemática. A intenção foi buscar formas de tornar as aulas agradáveis e participativas, possibilitando a construção de hipóteses e a compreensão de alguns conceitos matemáticos. O Jogo Pedagógico foi utilizado como recurso, alguns existentes no mercado e outros construídos durante a pesquisa, pensando em facilitar a compreensão de alguns conteúdos nas aulas de reforço de Matemática. Atualmente, ministrando aulas no ensino superior, em eventos, oficinas ou no decorrer das aulas, procuramos compartilhar dessa experiência com alunos da Licenciatura Matemática mostrando que Jogos Pedagógicos e Oficinas podem ser utilizados como possibilidades na aquisição, produção e contribuição de conhecimentos. Recorremos à pesquisa-ação-intervenção, uma metodologia de pesquisa qualitativa que possibilita a intervenção do professor na sala de aula, atuando como pesquisador. A proposta pedagógica foi embasada em Kamii, Freinet, Kishimoto, Grando, Brougère e outros que desenvolvem atividades através desse recurso e discutem sua importância no contexto social, afetivo, cognitivo e moral como suporte no contexto pedagógico escolar. O jogo, pela sua ludicidade e definido intencionalmente, pode promover conhecimento; a intervenção pedagógica evidenciou sua contribuição como estratégia e recurso didático, facilitando a compreensão dos conteúdos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDALOUSSI, K. E. Pesquisas-ações: ciências, desenvolvimento, democracia. Trad. THIOLLENT. M. São Carlos: UFSCar, 2004.

ANTUNES, C. Jogos para a estimulação das múltiplas inteligências. Petrópolis, RJ:Vozes, 1998.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Plano, 2001 (Série Pesquisa em Educação, nº 3).

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Matemática / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

GRANDO, R. C. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, 2000.

GRANDO, R. C. O jogo e a matemática no contexto da sala de aula. São Paulo; Paulus, 2004.

HUIZINGA, J. Homo ludens: O jogo como elemento de cultura. São Paulo; Perspectiva, 2005.

KAMII C.; DEVRIES, R. A criança e o número: Implicações Educacionais da Teoria de Piaget para a atuação junto a Escolares de 4 a 6 anos. Tradução de Regina A de Assis. Campinas: Papirus, 1984.

KAMII C.; JOSEPH, L. L. Aritmética: novas perspectivas. Implicações da Teoria de Piaget. 4. ed. Campinas: Papirus, 1995a.

KAMII C.; LIVINGSTON, S. J. Desvendando a aritmética. Implicações da Teoria de Piaget. Campinas: Papirus, 1995b.

KISHIMOTO, T. M. Escolarização e brincadeira na educação infantil. IN KISHIMOTO, Tizuko Morchida (org.). O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira, 2002.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

LORENZINE, M. L. Brincando a brincadeira com a criança deficiente: novos rumos terapêuticos. 1. ed. Monole, 2002.

LOPES, M. da G. Jogos na educação: criar, fazer, jogar. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

Downloads

Publicado

2012-10-01

Como Citar

COSTA, L. C. da; GUERATO, E. Jogos pedagógicos & oficinas: uma parceria nas aulas de Matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 3, n. 3, p. 304–313, 2012. DOI: 10.26843/rencima.v3i3.395. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/395. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos