Diversidade em pauta em uma intervenção didática na formação de professores de Ciências e Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v14n1a19

Palavras-chave:

Formação de Professores, Educação para a Diversidade, Cultura e Identidade, Direito à Igualdade

Resumo

O artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que teve por objetivo discutir questões que englobam a diversidade e a identidade de gênero, a raça e a orientação sexual na formação continuada de professores. O estudo contemplou intervenções didáticas no componente curricular de História e Filosofia da Ciência, no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Federal de Pelotas, com registros e análise de conteúdo das intervenções. Os resultados permitiram aos sujeitos participantes da pesquisa perceber que existe não só um problema quanto à falta dessas discussões em sua formação, na universidade e na escola, mas também observar que diferentes pessoas enfrentam distintas opressões e que estas limitações contribuem na falta de representatividade no meio acadêmico e na permanência do estereótipo de cientista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALCANTARA, Itamires Lima Santos; NASCIMENTO, Cláudio Orlando Costa do. Produção de conhecimento na universidade e trajetória acadêmica de estudantes negros(as). In: COPENE - Congresso Brasileiro de Pesquisadores Negros, 10, 2018, Uberlândia. Anais... Uberlândia: Copene, 2018. p. 1-16.

ALMEIDA, Dione Alves de; ALMEIDA, Shirley Patrícia Nogueira de Castro e; AMORIM, Mônica Maria Teixeira. As desigualdades de gênero na docência em Matemática no Ensino Superior: uma revisão de literatura a partir de estudos recentes no Brasil. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 3, p. 1-26, 30 mar. 2021.

ANFOPE — Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (ANFOPE). Posição da ANFOPE e FORUMDIR sobre a Nota Técnica de Esclarecimento sobre a Resolução CNE/CP Nº 2, de 20 de dezembro de 2019, publicada pelo CNE em 06 de julho de 2022. ANFOPE, 2022.

ARAUJO, Roberta Celli Moreira de. Microagressões e o Silenciamento na Academia. Entropia, v. 4, n. 07, p. 202/217, maio de 2020.

BENEVIDES, Bruna G.; NOGUEIRA, Sayonara Naider B. Dossiê Assassinatos e Violência Contra Travestis e Transexuais Brasileiras em 2020. São Paulo: Expressão Popular, 2021.

BENTO, Andressa Soares; SANGIOGO, Fábio André. Diferentes Culturas e Gênero na Ciência: discussões para a formação de professores. Revista Insignare Scientia, v. 5, n. 2, p. 75-91, 23 jun. 2022.

BENTO, Andressa Soares; SANGIOGO, Fábio André; SANTOS, Aline Joana Rolina Wohlmuth Alves dos. A Produção de um Vídeo sobre Mulheres na Ciência. In: Semana Integrada de Inovação, Ensino, Pesquisa e Extensão (SIIEPE) – Encontro de Pós Graduação (ENPÓS), XXIV, 2022, Pelotas. Anais... Pelotas: SIIEPE, 2022. p. 1-4.

BORRILLO, Daniel. A Homofobia. In: DINIZ, Débora (Org.). Homofobia & Educação: um desafio ao silêncio. Brasília: Unb, 2009. p. 15-46.

BRASIL, Comunicado Relativo à Resolução CNE/CP nº 2/2019, de 19 de setembro de 2022. Brasília: MEC/SEB, 2022b.

BRASIL, Nota de Esclarecimento sobre a Resolução CNE/CP Nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Brasília: MEC/SEB, 2022a.

BRASIL, Resolução CNE/CP Nº 2, de 20 de dezembro de 2019 - Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília: MEC/SEB, 2019.

BRASIL. Resolução CNE/CP Nº 1, de 30 de Maio de 2012 - Estabelece Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Brasília: MEC/SEB, 2012.

BRASIL. Resolução CNE/CP Nº 2, de 1º de julho de 2015 - Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília: MEC/SEB, 2015.

CHASSOT, Attico. A Ciência é Masculina?: é sim senhora! 7ª ed. São Leopoldo: Unisinos, 2003.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

FIGUEIREDO, Camilla; ARAÚJO, Mateus. Sem dados do Censo, população LGBTI+ do Brasil continuará desconhecida por mais 10 anos. Brasil de Fato: Pernambuco. p. 1-1. 24 fev. 2021.

FIGUEIREDO, Eurídice. Desfazendo o gênero: a teoria queer de Judith Butler. Revista Criação & Crítica, n. 20, p. 40-55, 2018.

FRANÇA, Ana Letícia de; SCHIMANSKI, Édina. Mulher, trabalho e família: Uma análise sobre a dupla jornada feminina e seus reflexos no âmbito familiar. Emancipação, v. 9, n. 1, p. 65-78, 2009.

FREIRE, Lucas; CARDINALI, Daniel. O ódio atrás das grades: da construção social da discriminação por orientação sexual à criminalização da homofobia. Sexualidad, Salud y Sociedad, n. 12, p. 37-63, dez. 2012.

GOMES DA SILVA, Guilherme Henrique; BELFORD POWELL, Arthur. Microagressões no ensino superior nas vias da Educação Matemática. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, v. 9, n. 3, p. 44-76, 2017.

HEERDT, Bettina; BATISTA, Irinéa de Lourdes. Unidade Didática na Formação Docente: natureza da ciência e a visibilidade de gênero na ciência. Experiências em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 39-60, ago. 2016.

IBGE — Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Características gerais dos domicílios e dos moradores 2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2019.

IBGE — Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

IBGE — Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde (PNE) 2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2022.

INEP — Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior 2019: notas estatísticas. 2019.

KERN, Francisco Arseli; SILVA, Andre Luiz da. A homossexualidade de frente para o espelho. Psico, Porto Alegre, v. 40, n. 4, p. 508-515, dez. 2009.

LIONÇO, Tatiana; DINIZ, Débora. Homofobia & Educação: um desafio ao silêncio. Brasília: Letras Livres, 2009.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis: Vozes, 2014.

MARQUES, Melanie Cavalcante; XAVIER, Kella Rivetria Lucena. A gênese do movimento feminista e sua trajetória no Brasil. In: VI seminário CETROS – Crise e mundo do trabalho no Brasil – Desafios para a classe trabalhadora, 2018.

MONTEIRO, Mariana Kubilius; ALTMANN, Helena. Homens na educação infantil: olhares de suspeita e tentativas de segregação. Cadernos de Pesquisa, v. 44, n. 153, p. 720-741, set. 2014.

MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

NAIDEK, Naiane et al. Mulheres cientistas na química brasileira. Química Nova, v. 43, n. 6, p. 823-836, 29 maio 2020.

PASSAMANI, Guilherme R. “Meninos não Choram” e a Experiência Transexual nas Fronteiras de Gênero, Sexualidade e Machismo. Revista Científica Gênero na Amazônia, n. 6, p. 213-230, 2022.

PEDRO, Joana Maria. Narrativas fundadoras do feminismo: poderes e conflitos (1970-1978). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 26, n. 52, p. 249-272, dez. 2006.

PEREZ, Olívia Cristina; RICOLDI, Arlene Martinez. A quarta onda feminista: interseccional, digital e coletiva. In: Congresso Latino-Americano de Ciência Política. 2019.

RAKOWSKI, Ítalo Kenne; OLIVEIRA, Wemerson Castro. Que corpo é esse: a temática sexualidade em uma produção animada. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 6, p. 1-25, 29 dez. 2021.

REINKE, Ana Rutz Devantier; SANGIOGO, Fabio André. A Situação de estudo “Água e o Estuário Laguna dos Patos” como proposta à iniciação à Ciência Química no Ensino Fundamental. In: RITTER, J.; MALDANER, O. A. (Org.). Situações de estudo em práticas pedagógicas diversificadas. Ijuí: Unijui, 2020, p. 207-226.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno Manual Antirracista. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SCHIEBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência. Bauru: Edusc, 2001.

SILVA, Márcia Alves da. A incorporação da temática de gênero e diversidade na academia: por uma ecologia de saberes na universidade. Educar em Revista, v. 34, n. 70, p. 293-307, ago. 2018.

SILVEIRA BIAZUS, Paula Hosana; BRANCHER, Vantoir Roberto. Docentes LGBT: O que tem evidenciado as pesquisas contemporâneas. Diversidade e Educação, v. 7, n. 1, p. 303–320, 2019.

SOUZA, Angela Maria F. L. Ensino de ciências: onde está o gênero? Faced, Salvador, v. 1, n. 13, p. 149-160, jun. 2008.

UFPel. Portal Institucional da UFPEL: Matriz Curricular do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática. UFPel: Universidade Federal de Pelotas, 2001.

WOLF, Naomi. O Mito da Beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Trad. de Waldéa Barcellos. 3ª ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

Downloads

Publicado

2023-01-21

Como Citar

BENTO, A. S.; SOARES, A. C.; PASTORIZA, B. dos S.; SANGIOGO, F. A. Diversidade em pauta em uma intervenção didática na formação de professores de Ciências e Matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 1–23, 2023. DOI: 10.26843/rencima.v14n1a19. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/3936. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos