Licenciatura em Matemática em instituições públicas do Piauí: fronteiras e relações de poder

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v14n1a11

Palavras-chave:

Licenciatura em Matemática, Projetos Pedagógicos, Relações de Poder

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo analisar as relações de poder que se estabelecem nos Projetos Pedagógicos dos Cursos (PPC) de Licenciatura em Matemática de instituições públicas do Piauí, com foco nas disciplinas. Utiliza-se a abordagem qualitativa, operacionalizada por meio da análise documental. Os dados foram organizados e analisados à luz do que propõe Basil Bernstein, considerando as disciplinas de conhecimentos específicos, Educação Matemática e Educação. A análise dos dados permitiu considerar que o currículo dos cursos de Licenciatura em Matemática presenciais do estado do Piauí é constituído por um conjunto de conhecimentos organizado em conteúdos isolados e carga horária delimitada. As disciplinas, em geral, não se comunicam, o que leva a um isolamento e fortalecimento das fronteiras das categorias discursivas do currículo. Nesse arranjo curricular, há uma tendência à hierarquização do conhecimento; assim, as relações de poder tendem a se fortalecer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADLER, Patrícia. A.; ADLER, P. Observational techniques. In: Denzin, N.; Lincoln, Y. S. (Ed.). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage, 1994. p. 285-300.

ALMEIDA, A. L. Um estudo interpretativo de teses e dissertações sobre disciplinas de conteúdo matemático: articulações com o campo da formação de professores de Matemática. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

A RESOLUÇÃO CNE/CP 02/2019 e a formação inicial de professores que ensinam matemática. GT 7 Formação de professores que ensinam matemática - Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM). 2020. 1 vídeo (1h42m40s). Publicado pelo canal GT07-SBEM. Disponível em: https://youtu.be/W6EBx3oj05Q. Acesso em: 24 maio 2021.

BERNSTEIN, B. Class, codes and control: the structuring of pedagogic discourse. London: Routledge: Taylor & Francis Group, 2003.

BERNSTEIN, B. Pedagogía, control simbólico e identidad: teoría, investigación y crítica. Madrid: Morata, 1996.

BERNSTEIN, B. Pedagogy, symbolic control and identity: theory research critique. London: Taylor and Francis, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Parecer CNE/CES 1.302/2001, de 06 de novembro de 2001. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado e Licenciatura. Brasília: MEC/CNE, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3/2003, de 18 de fevereiro de 2003. Estabelece as Diretrizes Curriculares para os cursos de Matemática. Brasília: Diário Oficial da União, 25 fev. 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 1, 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: MEC/CNE, 2002a.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 02, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília: MEC/ CNE, 2002b.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 02, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília: MEC/ CNE, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 02/2019, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília: MEC/ CNE, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2018.

CECHINEL, A. et al. Estudo/Análise Documental: uma revisão teórica e metodológica. Criar Educação, Criciúma, v. 5, n. 1, p. 1-7, jan./jun. 2016.

CYRINO, M. C. C. T.; GRANDO, R. C. G. (Des)construção curricular necessária: resistir, (re)existir, possibilidades insubordinadas criativamente. Revista de Educação Matemática, São Paulo, v. 19, p. 1-25, 8 mar. 2022.

EVANGELISTA, O. Apontamentos para o trabalho com documentos de política educacional. In: ARAÚJO, R. M. de L.; RODRIGUES, D. S. (Org.). A pesquisa em trabalho, educação e políticas educacionais. Campinas: Alínea, 2012. p. 51-71.

FARIA, R. A. S. O currículo escolar na formação continuada de professores dos anos iniciais de escolarização: que currículo e que abordagens? 2019. Dissertação (Mestrado em Arte e Educação). Universidade Estadual Paulista. São Paulo.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, 2006.

FIORENTINI, D.; OLIVEIRA, A. T. C. C. O lugar das matemáticas na Licenciatura em Matemática: que matemáticas e que práticas formativas? Bolema, Rio Claro, v. 47, n. 27, p. 917-938, 2013.

FORMAÇÃO inicial de professores que ensinam matemática: entre reformas e contrarreformas. Conferência de Abertura do Fórum de Formação de Professores que ensinam matemática do estado do Rio de Janeiro. 2021. 1 vídeo (1h40m25s). Publicado pelo canal SBEM Rio de Janeiro. Disponível em https://m.facebook.com/sbemriodejaneiro/videos/1635228493500645. Acesso em: 14 maio 2021.

GATTI, B. A. et al. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: Unesco, 2011.

GRILO, J. S. P.; BARBOSA, J. C.; LUNA, A. V. A. Repercussões de disciplinas específicas na ação do professor de matemática da educação básica: uma revisão sistemática. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 1, n. 17, p. 4-24, 2015.

HONORATO, H. A.; FIORENTINI, D. Aprendizagem docente em experiências de ensino com Modelagem Matemática. REnCiMa, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 1-25, mar. 2021.

INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto pedagógico do curso de licenciatura em matemática. Angical: IFPI, 2016a.

INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto pedagógico do curso de licenciatura em matemática. Campo Maior: IFPI, 2018.

INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto pedagógico do curso de licenciatura em matemática. Cocal: IFPI, 2016b.

INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto pedagógico do curso de licenciatura em matemática. Corrente: IFPI, 2015.

INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto pedagógico do curso de licenciatura em matemática. Floriano: IFPI, 2016c.

INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto pedagógico do curso de licenciatura em matemática. Piripiri: IFPI, 2016d.

INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto pedagógico do curso de licenciatura em matemática. São Raimundo Nonato: IFPI, 2016e.

INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto pedagógico do curso de licenciatura em matemática. Teresina: IFPI, 2016f.

INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto pedagógico do curso de licenciatura em matemática. Uruçuí: IFPI, 2019.

JUNQUEIRA, S. M. S.; MANRIQUE, A. L. Reformas curriculares em cursos de licenciatura de Matemática: intenções necessárias e insuficientes. Ciência & Educação, Bauru, n. 21, v. 3, p. 623-635, 2015.

LACERDA, C. C. Currículo integrado e formação continuada de professores: a abordagem CTS como articuladora do processo. 2018. Tese (Doutorado em Educação em Ciências) — Centro de Ciências Naturais e Exatas. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria.

LIBÂNEO, J. C. Formação de Professores e Didática para Desenvolvimento Humano. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 40, p. 629-650, 2015.

LIMA; J. O. G.; LEITE, L. R. Historicidade dos cursos de licenciatura no Brasil e sua repercussão na formação do professor de química. REnCiMa, São Paulo, v. 3, n. 9, p. 143-162, 2018.

LOPES, A. R. C. Políticas de integração curricular. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008.

LOPES, A. R. C.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LOPES, D. O. Licenciatura em Letras Línguas adicionais Inglês e Espanhol: recontextualização das políticas curriculares de formação de professores. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Pelotas. Pelotas.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2005.

LUNA, A. V. A.; SANTANA, F. C. M.; BORTOLOTI, R. D. M. A linguagem de descrição: uma possibilidade de fazer pesquisas no campo da educação matemática. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 1, n. 20, p. 199-223, 2018.

MANRIQUE, A. L. Licenciatura em Matemática: formação para a docência x formação específica. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 3, n. 11, p. 515-534, 2009.

MARCHAN, G. S. Discursos presentes nas políticas curriculares e no processo de formação docente: a configuração do perfil pedagógico. 2017. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas.

MOREIRA, P. C.; FERREIRA, A. C. O lugar da matemática na licenciatura em matemática. Bolema, Rio Claro, v. 47, n. 27, p. 981-1005, 2013.

PORTO, R. C. C.; LIMA, T. S. O legado de Paulo Freire para a formação permanente: uma leitura crítica sobre as dissertações e teses sobre formação de professores. e-Curriculum, São Paulo, v. 1, n. 14, p. 186-210, 2016.

SACRISTÁN, J. G. (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

SANTANA, F. C. M.; DE PAULA, E. F.; PEREIRA, P. S. Potencialidades da Resolução CNE/CP Nº 02/2015 diante das (des)construções curriculares para a formação de professores(as) de matemática: insubordinações para (re)existir. Revista de Educação Matemática, São Paulo, v. 19, p. 1-25, 8 mar. 2022.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. Subsídios para a discussão de propostas para os cursos de Licenciatura em Matemática: uma contribuição da Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Brasília: SBEM, 2003.

SOUSA, C. A. Circulação e apropriação de ideias em educação matemática – aproximações. 2016. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo. São Paulo.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura Plena em Matemática. Oeiras: UESPI, 2016a.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática. Teresina: UESPI, 2016b.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto pedagógico do curso licenciatura em matemática. Teresina: UFPI, 2006.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto político-pedagógico do curso de graduação, licenciatura em matemática. Parnaíba: UFPI, 2010.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ. Projeto político-pedagógico do curso de graduação, licenciatura em matemática. Teresina: UFPI, 2011.

VARELA, B. L. O Currículo e o Desenvolvimento Curricular: concepções, práxis e tendências. Praia: Uni-CV, 2013.

ZAIDAN, S. et al. A Licenciatura em Matemática no Brasil em 2019: análises dos projetos dos cursos que se adequaram à Resolução CNE/CP 02/2015. GT07- Formação de Professores que ensinam Matemática. Brasília: SBEM, 2021.

Downloads

Publicado

2023-01-01

Como Citar

SANTOS, M. de M.; SANTANA, F. C. de M.; AMORIM, M. Élid. Licenciatura em Matemática em instituições públicas do Piauí: fronteiras e relações de poder. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 1–22, 2023. DOI: 10.26843/rencima.v14n1a11. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/3912. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos