A Prática como componente curricular em cursos de Licenciatura em Química: revisão das teses e dissertações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v13n5a09

Palavras-chave:

Formação de Professores, Currículo, Prática como Componente Curricular, Ensino de Química, Ensino de Ciências

Resumo

Este trabalho tem por objetivo compreender os enfoques de investigações que abordam a Prática como Componente Curricular (PCC) em cursos de Licenciatura em Química. Para tanto, realizou-se o mapeamento de teses e dissertações, evidenciando-se: 1) atividades para o seu desenvolvimento; 2) sentidos atribuídos; e 3) organização e sentidos. A pesquisa pautou-se na abordagem qualitativa, e a sua organização ocorreu conforme passos descritos pela análise de conteúdo. Os enfoques encontrados permitiram a inferência de que a PCC possui inúmeras configurações e sentidos, variando conforme a interpretação da Legislação, e apresenta flexibilidade para sua inserção. Por último, não há atividades delimitadas para o desenvolvimento da PCC, cabendo aos professores responsáveis o comprometimento de realizar a articulação teórico-prática. Defende-se a sua inserção em componentes que trabalham a interface Química e Educação, entretanto o embate existente nos departamentos dos cursos se constitui como um entrave para o seu desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, S. A Prática como Componente Curricular nos Cursos de Formação de Professores de Química no Estado de Goiás. 2016. 134f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática e Ciências) – Universidade Federal de Goiás. Goiânia.

BALDAQUIM, M. J. Reflexões sobre a prática como componente curricular: um olhar para os projetos pedagógicos de cursos de licenciatura em química das instituições federais de ensino superior do Paraná. 2019. 116f. Dissertação (Mestrado em Educação para Ciência e a Matemática) – Universidade Estadual de Maringá. Maringá.

BARBOSA, E. P. Leituras sobre processo de implantação de uma licenciatura em ciências naturais e matemática por área do conhecimento. 2012. 312f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994.

BORINI, R. B. M. C. A Prática como Componente Curricular em um Curso de Licenciatura em Matemática da UTFPR: uma análise na perspectiva da Teoria da Atividade. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal do Paraná. Curitiba.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 9/2001, de 08 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, Curso de Licenciatura, de graduação plena. Brasília: Diário Oficial da União, 2001a.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 21/2001, de 06 de agosto de 2001. Duração e carga horária dos Cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, Curso de Licenciatura, de graduação plena. Brasília: Diário Oficial da União, 2001b.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional De Educação. Parecer CNE/CP 28/2001, de 02 de outubro de 2001. Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos Cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, Curso de Licenciatura, de graduação plena. Brasília: Diário Oficial da União, 2001c.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 1/2002, de 18 de fevereiro de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, Curso de Licenciatura, de graduação plena. Brasília: Diário Oficial da União, 2002a.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 2/2002, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos Cursos de Licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília: Diário Oficial da União, 2002b.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES 15/2005, de 02 de fevereiro de 2005. Solicitação de esclarecimento sobre as Resoluções CNE/CP nºs 1/2002, e 2/2002. Brasília: Diário Oficial da União, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 2/2015, de 01 de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (Cursos de Licenciatura, Cursos de formação pedagógica para graduados e Cursos de segunda Licenciatura) e para a formação continuada. Brasília: Diário Oficial da União, 2015.

CALIXTO, V. S. Horizontes compreensivos da constituição do ser professor de química no espaço da prática como componente curricular. 2019. 275f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Universidade Estadual de Maringá. Maringá.

COSTA, F. T. Políticas curriculares para formação de professores de Química: a Prática como Componente Curricular em questão. 2013. 154f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá.

DINIZ-PEREIRA, J. E. As Licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação e Sociedade, v. 20, n. 68, p. 109-125, 1999.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A prática como componente curricular na formação de professores. Educação, v. 36, n. 2, p. 203-218, 2011.

DUTRA, E. F. Possibilidades para a articulação entre teoria e prática em cursos de licenciatura. 2010. 354f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria.

FARIAS, S. A. Formação inicial de professores de química na região norte: análise das diferentes concepções das IES públicas e de professores e estudantes do ensino médio. 2011. 219f. Tese (Doutorado em Ciências Exatas e da Terra) – Universidade Federal de São Carlos. São Carlos.

GASPARIN, J. L. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2002.

GAUTHIER, C. et al. Por uma teoria da Pedagogia. Ijuí: Unijuí, 1998.

KASSEBOEHMER, A. C. Formação inicial de professores: uma análise dos cursos de licenciatura em química das universidades públicas do estado de São Paulo. 2006. 174f. Dissertação (Mestrado em Química) – Universidade Federal de São Carlos. São Carlos.

MARQUES, C. V. V. C. O. Perfil dos cursos de formação de professores dos programas de licenciatura em química das instituições públicas de ensino superior da região nordeste do país. 2010. 291f. Tese (Doutorado em Química) – Universidade Federal de São Carlos. São Carlos.

MINAYO, C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade, 28. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

MOHR, A.; WIELEWICKI, H. G. Prática como componente curricular: que novidade é essa 15 anos depois? Florianópolis: NUP/CED/UFSC, 2017.

PÉREZ-GOMES, A. I. Qualidade do ensino e desenvolvimento profissional do docente como intelectual reflexivo. Motriz, v. 3, n. 1, p. 29- 43,1997.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo “Estado da Arte”. Diálogos Educacionais, v. 6, n. 6, p. 37-50, 2006.

SANCHEZ, J. R. A atividade orientadora de ensino como alternativa metodológica para a abordagem de metais pesados na disciplina de Química Analítica Qualitativa. 2014. 104f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto.

SANTOS, A. J. S. A prática como componente curricular e o estágio supervisionado na concepção dos licenciandos: entre o texto e o contexto. 2017. 105f. Dissertação (Mestrado em Química) – Universidade Federal de Goiás. Goiânia.

SANTOS, S. A. Conhecimento pedagógico do conteúdo na formação e exercício do professor de química no município de Itacoatiara-AM, 2017. 110f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Federal do Amazonas. Manaus.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Traduzido por Roberto Castaldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SHULMAN, L. S. Those who understand: the knowledge growths in teaching. Educational Resercher, v. 15, n. 2, p. 4-14, 1986.

SOARES, M. B; MACIEL, F. Alfabetização. Brasília: MEC/Inep/ Comped, 2000.

SOUZA, A. C. N. de. A identidade profissional docente do egresso do curso de Licenciatura Dupla em Ciências: Biologia e Química/ISB/UFAM Coari-AM. 2016. 138f. Dissertação (Mestrado em Química) – Universidade Federal do Amazonas. Manaus.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

VASQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

Downloads

Publicado

2022-10-01

Como Citar

BALDAQUIM, M. J.; LORENCINI JÚNIOR, Álvaro. A Prática como componente curricular em cursos de Licenciatura em Química: revisão das teses e dissertações. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 13, n. 5, p. 1–23, 2022. DOI: 10.26843/rencima.v13n5a09. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/3783. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos