A percepção da Ciência dos professores da Educação Básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v3i3.358

Palavras-chave:

Educação, Percepção da Ciência, Educação a Distância

Resumo

Para a educação de qualquer pessoa no mundo contemporâneo, é fundamental a noção sobre o que acontece em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I), isto é, seus principais resultados, seus métodos, usos, riscos e limitações, bem como, os interesses e determinações que governam seus processos e aplicações. O professor é um formador de opinião de grande influência na construção do imaginário de seus alunos, principalmente das crianças, e possui um papel relevante na formação de cidadãos críticos e na promoção da tomada de decisão para assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação. O presente estudo tem como objetivo identificar e analisar a cultura científica de professores da Educação Básica, à luz dos modelos de pesquisa em Percepção Pública da Ciência. No primeiro momento, desenvolvemos a pesquisa por meio de um questionário com perguntas fechadas e abertas aplicadas em professores da Educação Básica. No presente momento, entrevistas semi estruturadas em profundidade estão sendo realizadas com uma amostragem de 10% dos professores, para coletar dados em maior profundidade sobre a sua formação, a recepção e participação dos assuntos atuais da área científica e sua relação com a sociedade, as atitudes e valorização da ciência, as práticas pedagógicas e alguns aspectos da recepção de seus alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, T. W. A indústria cultural. In Cohn, Gabriel (org.). Comunicação e Indústria Cultural. São Paulo: Cia Ed. Nacional e Edusp, 1972.

ALLUM, N.; BAUER, M.W.; MILLER, S. What can we learn from 25-years of PUS research? Liberating and widening the agenda. Public Understanding of Science, special issue, 2006.

ANDI; FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA- FUNDEP; FUNDAÇÃO DE AMPARO A PESQUISA DO ESTADO DE MINAS GERAIS –

FAPEMIG. Ciência, tecnologia e inovação na mídia brasileira: conhecimento gera desenvolvimento. Brasília: ANDI, 2009.

BABBIE, E. Métodos de pesquisa de survey. Trad. de Guilherme Cezarino. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia – MCT. Brasília, DF: Disponível em

<http://www.mct.gov.br >. Acesso em 20 de fevereiro de 2011.

BRASIL. Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação. Anais. Brasília, DF: CNPq/MCT, 2001.

BRASIL. Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação. Anais. Brasília, DF: CNPq/MCT, 2005.

BRASIL. Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação. Anais. Brasília, DF: CNPq/MCT, 2010.

BRASIL. Livro Branco da Ciência, Tecnologia e Inovação, Brasília, DF: CNPq/MCT, 2002.

BRASIL. Livro Verde da Ciência, Tecnologia e Inovação, Brasília, DF: CNPq/MCT, 2001b.

CALDAS, G. Mídia, Educação Científica e Cidadania: a experiência das revistas Eureca e ABC das Águas. In AMORIM, PINTO, GISNALDO (Orgs). Divulgação Científica e Práticas Educativas (149-165). Curitiba, Ed. CRV, 2010.

CATANI, A.M.; OLIVEIRA, J.F; DOURADO, L.F. Mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação no Brasil. XXIII Reunião Anual da ANPED, Caxambu, MG, 2000.

DURANT, J. Participatory technology assessment and the democratic model of the public understanding of science. Science and Public Policy, v.26, n.5, p. 313- 319,1999.

FREITAS, H.C.L de. A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação & Sociedade, v. 28, n.100 – Especial, p.1203-1230, .2007. Disponível em <http://www.cedes.unicamp.br>.

GREGORY, J.; MILLER, S. Science in public: communication, culture and credibility. New York: Plenum Press, 1998.

HAMLETT, P.W. Technology theory and deliberative democracy.

Science,Technology & Human Values, n. 28, 2002.

INEP. Resultados preliminares do PISA 2009. Disponível em http://www.inep.gov.br/>. Acessado em: 20 de fevereiro de 2011.

LAZARSFELD, P.F. Remarks on administrative and critical communication research, Studies in Philosophy and Social Science, 1941.

LEWENSTEIN, B.V.; BROSSARD, D. Assessing Models of Public Understanding in ELSI Outreach Materials U.S. Department of Energy Grant DE-FG02- 01ER63173: Final Report. Cornell: Cornell University. 2006.

MASSARANI, L. (Org.). O pequeno cientista amador: a divulgação científica e o público infantil. Rio de Janeiro: Viera & Lent: UFRJ, Casa da Ciência: Fiocruz, 2005.

MILLER, S. Public understanding of science at the crossroads. Public Understanding of Science, n.10, 2001.

MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Pesquisa de Percepção Pública da Ciência, 2010. Disponível em http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/328259.html/>. Acessado em: 20 de fevereiro de 2011.

MOREIRA, I. C. de. A Popularização da ciência e tecnologia no Brasil. In: NODO SUR DE LA RED POP. Ciencia, Tecnología y Vida Cotidiana: Reflexiones y Propuestas Del Nodo Sur de la Red Pop. Uruguay,. p. 67-74, 2008.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL (Estados Unidos). National Science Education Standards: an overview. Washington, D.C.: National Academic Press, 1996. 273p. Disponível em: <http://www.nap.edu/openbook.php?record_id=4962&page=1>. Acessado em: 20 de fevereiro de 2011.

OECD. Program for International Student Assessment (PISA). (2000, 2003, 2006, 2009) Disponível em: < http://www. oecd.org/pages/0,3417,en_32252351_32235731_1_1_1_1_1,00.html>. Acessado em: 20 de fevereiro de 2011.

ORLANDI, E.P. Divulgação Científica e efeitos leitor: uma política social urbana. In: GUIMARÃES, E. (Org.) Produção e circulação do conhecimento: estado, mídia, sociedade. v1. Campinas: Pontes Editores, p. 21-30, 2001.

SILVA, H. C. A noção de textualização para pensar os textos e as práticas de leituras de Ciência na escola (25-42). In AMORIM, PINTO, GISNALDO (Orgs.). Divulgação Científica e Práticas Educativas (149-165). Curitiba, Ed. CRV, 2010.

TRENCH, B. Towards an Analytical Framework of Science Communication Models. In: Cheng, D.; Claessens, M.; Metcalfe, J.; Schiele, B. & Shi, S. (Eds.) Communicating Science in Social Contexts: New models, new practices. Springer Science, 2008.

VOGT, C.; POLINO, C. (Orgs.) Percepção Pública da Ciência: Resultados da Pesquisa na Argentina, Brasil, Espanha e Uruguai. Campinas. Ed. da Unicamp; São Paulo: Fapesp, 2003. 187p.

VOGT, C. (Org.). Cultura científica: desafios. São Paulo: Edusp, 2006.

VOGT, C. et al. Percepção pública da ciência e tecnologia: uma abordagem metodológica para São Paulo. In: Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, 60, 2008, Campinas, Universidade Estadual de Campinas, 2008.

VOGT, C. et al. Percepção pública da ciência: uma revisão metodológica e resultados para São Paulo. In: LANDI, Francisco Romeu. Indicadores de ciência, tecnologia e inovação em São Paulo. São Paulo: Fapesp, 2004. p11-2/11-28.

WENGER, E. Knowledge management is a donut: shaping your knowledge strategy with communities of practice. In: Ivey Business Journal, 2004.

ZIMAN, J. Not Knowing, Needing to Know, and Wanting to Know. In: LEWENSTEIN,

B. (Ed.). When Science Meets the Public. Washington: AAAS, 1992.

Downloads

Como Citar

ROCHA, J. N.; COSTA, T. M. L.; ALMEIDA, R. A. F. A percepção da Ciência dos professores da Educação Básica. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 3, n. 3, p. 139-151, 2012. DOI: 10.26843/rencima.v3i3.358. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/358. Acesso em: 3 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos