Filo Echinodermata: percepção e modelagem tridimensional com alunos de uma escola estadual em João Pessoa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v14n1a15

Palavras-chave:

Ensino-Aprendizagem, Lúdico, Equinodermos, Modelo Didático, Zoologia

Resumo

O ensino de zoologia costuma ser abordado de modo tradicional, que têm como avalição principalmente a memorização das características dos filos. Nesta abordagem não há a preocupação de uma formação multidimensional, na qual o aluno teria a construção de um pensamento crítico e desenvolveria competências e habilidades. O presente estudo teve como objetivo apresentar informações necessárias sobre o Filo Echinodermata, a partir do conhecimento prévio dos alunos, utilizando as atividades pedagógicas no ambiente formal de ensino como estratégia de reconhecimento, sensibilização e conservação desses organismos.  Foram utilizados como pressupostos teórico-metodológicos os fundamentos e abordagens da pesquisa qualitativa e quantitativa, utilizando um questionário estruturado para conhecer a percepção dos alunos. A partir de metodologias dinamizadas os alunos compreenderam a importância dos equinodermos para o homem e para o meio ambiente, além de conseguir diferenciá-los de outros animais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABÍLIO, F. J. P.; SATO, M. Educação Ambiental: do currículo da Educação Básica às vivências educativas no contexto do semiárido paraibano. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2012.

ARAÚJO-DE-ALMEIDA, E. (Org.) Ensino de zoologia: ensaios didáticos. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2007.

ARAÚJO, M. C. M. Gestão escolar. Curitiba: IESDE, 2009.

AZEVEDO, G. D.; BEZERRA, M. J. D. Avaliação da aprendizagem: uma estratégia inovadora na disciplina de Anatomia Humana. In: GOMES, M. C. S. (Org). Tecendo saberes e compartilhando experiências sobre avaliação. Natal: Editora UFRN, 2006, p. 1-11.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Portugal LDA, 2009.

BORGES, G. L. A. Formação de professores de biologia, material didático e conhecimento escolar. 2000. 436f. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação. Universidades Estadual de Campinas. Campinas.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Diário Oficial da União, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (5ª a 8ª séries). Brasília: MEC/SEF. 1998.

BRUSCA, R.C.; MOORE, W.; SHUSTER, S. M. Invertebrados. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018.

BUENO, A. J. A.; LEAL, B. E. S.; SAUER, E.; BERTONI, D. Atividades práticas/experimentais para o Ensino de Ciências além das barreiras do laboratório desenvolvidas na Formação inicial de professores. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 9, n. 4, p. 94-109, jul./set. 2018.

CASTRO, D. R. Estudo de Conceitos de Seres Vivos nas Séries Iniciais. 2010. 174f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) — Faculdade de Educação. Universidade Federal da Bahia. Salvador.

COELHO, J. C.; MARQUES, C. A. Contribuições freireanas para a contextualização no ensino de Química. Ensaio, Belo Horizonte, v. 9, n. 1, p. 1-17, jun. 2007.

DE FRUTOS, J. A.; MORENO, A.; SOTO, R.; CONTRERAS, R, M. Sendas ecológicas: un recurso didáctico para el conocimiento del entorno. Madrid: Editorial CCS, 1996.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. São Paulo: Artmed, 2009.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1971.

GIL, A.C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HADEL, V. F.; MONTEIRO, A. M. G.; DITADI, A. S. F.; THIAGO, C. G.; TOMMASI, L. R. Echinodermata. In: MIGOTTO, A. C.; THIAGO C. G. (Org.) Biodiversidade do Estado de São Paulo, Brasil: Síntese do Conhecimento ao Final do Século XX, 3: Invertebrados Marinhos. São Paulo: FAPESP, 1999, p. 260-271.

HENDLER, G.; MILLER, J. E.; PAWSON, D. L.; KIER, P. M. Sea Stars, Sea Urchins and allies: Echinoderms of Florida and the Caribbean. Washington: Smithsonian Institution Press, 1995.

HICKMAN, C. P.; ROBERTS, L. S.; LARSON, A. Princípios integrados de zoologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino de ciências. São Paulo em Perspectiva, São Paulo. v. 14, n. 1, p. 85-93, jan./mar. 2000.

LUNETTA, V. N. Atividades práticas no ensino da Ciência. Revista Portuguesa de Educação, v. 2, n. 1, p. 81-90, jan./mar. 1992.

MAGARÃO, J. F. L.; STRUCHINER, M.; GIANNELLA, T. Potencialidades pedagógicas dos audiovisuais para o ensino de ciências: uma análise dos recursos disponíveis no portal do professor. In: III ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO AMBIENTE, 3, 2012, Niterói. Anais do III ENECIÊNCIAS. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 2012, p. 1-12.

MARQUES, L. C. A metodologia do lúdico na prática docente para melhoria da aprendizagem na educação inclusiva. Revista Eixo, Brasília, v. 1, n. 2, p. 1-12, jul./dez. 2012.

MIZUKAMI, M. da G. N.; REALI, A. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EDUFScar, 2010.

MONTAGU, A. Tocar: o significado humano da pele. São Paulo: Summus, 1988.

MORAIS, M. B.; PAIVA, M. H. Ciências: ensinar e aprender. Belo Horizonte: Dimensão, 2009.

MOREIRA, M. A; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 1982.

OLIVEIRA, A. P. L. de; CORREIA, M. D. Aula de campo como mecanismo facilitador do ensino-aprendizagem sobre os ecossistemas recifais em Alagoas. Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Santa Catarina, v. 6, n. 2, p. 163-190, jan./maio. 2013.

OLIVEIRA, J.P.; MANSO, C. L. C. Inventário da coleção de equinodermos do LABIMAR, Campus Profº. Alberto Carvalho, Universidade Federal de Sergipe. Scientia Plena, Sergipe, v. 6, n. 12, p. 1-14, ago./dez. 2010.

PAWSON, D.L. Phylum Echinodermata. Zootaxa, Nova Zelândia, v. 1668, n. 1 p. 749-764, nov./dez. 2007.

PEREIRA, M. L. Sugestões Metodológicas para o ensino de Ciências Naturais. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2009.

PEREIRA, R. C.; SOARES-GOMES, A. Biologia Marinha. Rio de Janeiro: Interciência, 2002.

PONTES FILHO, M.; OLIVEIRA, J.P. Experiências obtidas a partir da utilização de um terrário de planárias durante monitoria de Zoologia. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 1-20, jul. 2021.

ROCHA, L. R. M.; MORETTI, A.R; COSTA, P.C.F. et al. Educação de surdos: relato de uma experiência inclusiva para o ensino de ciências e biologia. Revista Educação Especial, Rio de Janeiro, v. 28, n. 52, p. 377-392, maio/ago. 2015.

SANTOS, C. R.; FERREIRA, M. C. L. Avaliação Educacional: um olhar reflexivo sobre sua prática. São Paulo: Avercamp, 2005.

SANTOS, M. E., PRAIA, J. F. Percurso de mudança na Didática das Ciências: sua fundamentação epistemológica. In: Cachapuz, F. (Org.), Ensino das Ciências e Formação de Professores: Projeto MUTARE. Aveiro: Universidade de Aveiro, 1992, p. 7- 34.

SANTOS-FITA, D.; PIÑERA, E. J. N.; MÉNDEZ, R.M. Hacia un Etnoconservacionismo de la fauna silvestre. In: COSTA- NETO, E. M.; SANTOS-FITA, D.; CLAVIJO, M. V. (Org.) Manual de etnozoologia: Uma Guía Teórico-Práctica para Investigar la Interconexión del Ser Humano on los Animales. Espanha: Tundra Ediciones, 2010. p. 97-117.

SILVA, R. G. D. A importância da teoria sócio-interacionista na formação de professores do ensino médio. Psicologia em Estudo, Londrina, v. 5, n. 1, p. 139-143, mar. 2000.

SOLÉ, I; COLL, C. Os professores e a concepção construtivista. In: COLL, C., MARTÍN, E., MAURI. T., MIRAS, M., ONRUBIA, J., SOLÉ, I. e ZABALA, A. (Org.) O construtivismo em sala de aula. São Paulo: Editora Ática, 2006, p. 9-28.

SOLÍS-MARÍN, F. A., ARRIAGA-OCHOA, J. A., LAGUARDA-FIGUERAS, A., FRONTANA-URIBE, S. C.; DURÁN-GONZÁLEZ, A. Holoturoideos (Echinodermata: Holothuroidea) del Golfo de California. Comisión Nacional par el Conocimiento y Uso de la Biodiversidad e Instituto de Ciencias del Mar y Limnología. México: UNAM, 2009.

SOUZA, C. B. O mundo dos insetos: práticas educativas no contexto escolar como instrumento de sensibilização e mudança da percepção entomológica dos discentes. 2017. 80f. Monografia (Ciências Biológicas – Licenciatura) — Centro de Educação. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa.

SOUZA, D. C.; BARROS, M. D. M. Jogos interativos: Uma possibilidade no ensino de ciências para a educação de jovens e adultos. In: III ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO AMBIENTE, 3, 2012, Niterói, Anais do III ENECIÊNCIAS. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 2012. p. 1-16.

VIVEIRO, A. A.; DINIZ, R. E. S. Atividades de campo no ensino das ciências e na educação ambiental: refletindo sobre as potencialidades desta estratégia na prática escolar. Ciência em Tela, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 1-12, set./dez. 2009.

VIVIANI, D.; COSTA, A. Práticas de Ensino de Ciências Biológicas Indaial: UNIASSELVI, 2010.

WINSTON, M. R. Co-occurrence of morphologically similar species of stream fishes. The American Naturalist, Blacksburg, v. 145, n. 4, p. 527-545, jan./jun. 1995.

Downloads

Publicado

2023-01-01

Como Citar

STEVENSON, V.; PRATA, J.; CHRISTOFFERSEN, M. L. Filo Echinodermata: percepção e modelagem tridimensional com alunos de uma escola estadual em João Pessoa. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 1–25, 2023. DOI: 10.26843/rencima.v14n1a15. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/3410. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos