Active methodologies in Science Teaching: analysis of knowledge production in scientific articles between 2010 and 2019

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v13n5a11

Palavras-chave:

Active Learning, Science Teaching, Active Methodologies

Resumo

Active methodologies emerged with the aim of bringing students to the center of the teaching and learning process, placing them in the condition of subjects of the educational process and having the teacher as a mediator. This article aimed to make a panorama the academic production scientific articles on active methodologies in Science Teaching published between 2010 and 2019. The research revealed that all the authors of the articles were linked to Brazilian educational institutions, and that the majority worked in the North region. Two active methodologies stood out: problem solving and hybrid teaching. In carrying out their research, the authors used various means to propose activities anchored in active methodologies, with emphasis on the use of Digital Technologies of Information and Communication. Diverse contents of Science were worked, with a prevalence for issues involving environmental problems and themes related to the health area.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMANTES, A.; OLIVEIRA, E. A. Construção e o uso de sistemas de categorias para avaliar o entendimento dos estudantes. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 61-79, mai./ago. 2012.

BACICH, L.; MORAN, J. M. Aprender e ensinar com foco na educação híbrida. Revista Pátio, Porto Alegre, n. 25, p. 45-47, 2015.

BARBOSA, E. F.; MOURA, D. G. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 39, n. 2, p. 38-47, 2013.

BEHAR, P. A. Competências em educação à distância. Porto Alegre: Penso, 2013.

BEHRENS, M. A. Projetos de aprendizagem colaborativa num paradigma emergente. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M.; BEHRENS, M. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000. p. 67-132.

BERBEL, N. A. N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface, Botucatu, v. 2, n. 2, p. 139-154, 1998.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Tradução: Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: LTC, 2018.

BIGGS, J. What the student does: teaching for enhanced learning. Higher Education Research & Development, v. 18, n. 1, p. 57-75, 1999.

BORGES, J. O. A.; SANTOS, E. T. G. Disciplina Eletiva e Aprendizagem Significativa: Um relato de experiência na Escola Plena de Confresa – MT. Revista Prática Docente (RPD), Confresa, v. 4, n. 2, p. 713-727, jul./dez. 2019.

BOULTER, C. J.; GILBERT, J. K. Argument and science education. In: COSTELLO, P. J. M.; MITCHELL, S. (Ed). Competing and consensual voices: the teory and practice of argumentation. Clevedon, UK: Multilingual Matters, 1995. p. 84-98.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

COSTA, A. B.; ZOLTOWSKI, A. P. C. Como escrever um artigo de revisão sistemática. In: KOLLER, S. H.; COUTO, M. C. P. P.; HOHENDORFF, J. V. (Org.). Manual de produção científica. Porto Alegre: Penso, 2014. p. 55-70.

DELIZOICOV, D.; ANGOTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2009.

DIESEL, A.; BALDEZ, A. L. S.; MARTINS, S. N. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista THEMA, Pelotas, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017.

EL CHAER, G. Aprendizagem Baseada em Problemas. In: CECY, C.; OLIVEIRA, G. A.; COSTA, E. M. M. B. (Org.). Metodologias ativas: aplicações e vivências em educação farmacêutica. Brasília: Abenfarbio, 2013. p.66-82.

FRANTZ, D. S. F. S.; NUNES, J. F.; MARQUES, I. L.; MARQUES, N. L. R. Ensino híbrido com a utilização da plataforma Moodle. Revista THEMA, Pelotas, v. 15, n. 3, p. 1175-1186, 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 51. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

FREITAS, C. M.; AMORIM, A. E. Vigilância ambiental em saúde de acidentes químicos ampliados no transporte rodoviário de cargas perigosas. Informe Epidemiológico do SUS, Brasília, v. 10, n. 1, p. 31-42, mar. 2001.

GALIAZZI, M. C. Educar pela pesquisa: espaço de transformação e avanço na formação do professor de Ciências. 2000. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

GIL, A. C. Como elaborar projeto de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIROTTO-JÚNIOR, G.; PAULA, M. A.; MATAZO, D. R. C. Análise do conhecimento sobre estratégias de ensino de futuros professores de Química: vivência como aluno e reflexão como professor. Revista Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, Bogotá, v. 14, n. 1, p. 35-50, jan./jun. 2019.

GOMES, T. G. Uma proposta de Júri Simulado como Estratégia Lúdica para o Ensino de História da Química no Ensino Médio: A teoria do Flogístico. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Química) — Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Uberaba.

IBGE — INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

MARÍN, Y. A. O. O Ensino da Biodiversidade: Tendências e desafios nas experiências pedagógicas. Revista Góndola, Enseñanza y aprendizaje de las ciencias, Bogotá, v. 12, n. 2, p. 173-185, 2017.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação. Orientações Curriculares: Diversidades Educacionais. Cuiabá/MT: Defanti, 2010.

MAURI, T. O que faz com que o aluno e a aluna aprendam os conteúdos escolares? In: COLL, C.; MARTÍN, E.; MAURI, T.; MIRAS, M.; ONRUBIA, J.; SOLÉ, I.; ZABALA, A. O construtivismo na sala de aula. 6. ed. São Paulo/SP: Ática, 2009. p. 79-122.

MELO, M.; PARAGUAÇU, F. Uma revisão de literatura sobre o uso das analogias no ensino de Ciência e Matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 1-19, 2021.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. Unijuí: Ijuí, 2007.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.

MOTA, A. R.; ROSA, C. T. W. Ensaio sobre metodologias ativas: reflexões e propostas. Revista Espaço Pedagógico, Passo Fundo, v. 25, n. 2, p. 261-276, mai. 2018.

OLIVEIRA, G. Estudo de Casos. In: CECY, C.; OLIVEIRA, G. A.; COSTA, E. M. M. B. (Org.). Metodologias ativas: aplicações e vivências em educação farmacêutica. Brasília: Abenfarbio, 2013. p. 104-121.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.

POZO, J; CRESPO, M. A aprendizagem e o ensino de Ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Porto Alegre: Artmed, 2009.

PRESSMAN, R. S.; MAXIM, B. R. Engenharia de Software: uma abordagem profissional. 8. ed. Porto Alegre: AMGH, 2016.

ROCHA, H. M.; LEMOS, W. M. Metodologias ativas: Do que estamos falando? Base conceitual e relato de pesquisa em andamento. In: SIMPÓSIO PEDAGÓGICO E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO, 9. 2014, Resende. Anais [...]. Resende: AEDB, 2014.

ROCHA, C. J. T.; MALHEIRO, J. M. S. Interações dialógicas na experimentação investigativa em um Clube de Ciências: proposição de instrumento de análise metacognitivo. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, Belém, v. 14, n. 29, p. 193-207, jan./jun. 2018.

SANMARTI, N. Didáctica de las ciencias em la educación secundaria obligatoria. Madrid: Sintesis, 2002.

SASSERON, L. H. Interações discursivas e investigação em sala de aula: o papel do professor. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013. p. 41-62.

SEGURA, E.; KALHIL, J. B. A metodologia ativa como proposta para o ensino de Ciências. Revista da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 3, n. 1, p. 87-98, 2015.

SHULMAN, L. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, Cambridge, v. 57, n. 1, p. 1-23, 1987.

SILVA, E. M. O. Como aprende o nativo digital: reflexões sob a luz do conectivismo. Revista Intersaberes, v. 9, n. 17, p. 68-80, jun. 2014.

SILVA, C. S. S.; SOUZA, D. S. O enfoque CTSA e o uso de metodologias ativas no Ensino Superior: uma análise baseada na discussão de notícias sobre acidentes ambientais envolvendo produtos químicos. Ensino em Revista, Uberlândia, v. 26, n. 3, p. 919-941, set./dez. 2019.

SILVA, C. S. S.; BACKES, N. F.; SOUSA, D. S.; PROCHNOW, T. R. Estratégia Didática para Abordagem do tema Sustentabilidade a partir da Análise da Pegada Ecológica. Revista de Ensino de Biologia, n. 9, p. 7324-7331, 2016.

SILVA, D. O.; MOURÃO, M. F.; SALES, G. L.; SILVA, B. D. Metodologias ativas de aprendizagem: relato de experiência em uma oficina de formação continuada de professores de Ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 10, n. 5, p. 206-223, 2019.

SITKO, C. M.; POZZO, B. R. D; LOBO, C. C. Jornada a Marte: Adaptação do RPG para o Ensino de Física/Astronomia. Revista Educação à Distância e Práticas Educativas Comunicacionais e Interculturais, São Cristóvão, v. 19, n. 2, p. 134-149, mai./ago. 2019.

SOUZA, C. S.; IGLESIAS, A. G.; PAZÍN-FILHO, A. Estratégias inovadoras para métodos de ensino tradicionais - aspectos gerais. Medicina, Ribeirão Preto, v. 47, n. 3, p. 284-292, 2014.

STEINERT, M. E. P.; HARDOIM, E. L. Leigos ou excluídos? A criação de um aplicativo educacional e seu uso via ensino híbrido em uma escola pública. Revista SUSTINERE, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 90-113, 2017.

STEINERT, M. E. P.; HARDOIM, E. L.; PINTO. O, M. P. P. C. De mãos limpas com as tecnologias digitais. Revista SUSTINERE, Rio de Janeiro, v.4, n. 2, p. 233-252, 2016.

VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, n. 4, p. 79-97, 2014.

VALENTE, J. A.; ALMEIDA, M. E. B.; GERALDINI, A. F. S. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 17, n. 52, p. 455-478, abr./jun. 2017.

ZIMMERMAN, J. (Org.). Escola da Escolha: cadernos de formação. 2. ed. Ensino Médio. Recife/PE: Instituto de Corresponsabilidade pela Educação, 2016.

Publicado

2022-10-01

Como Citar

SOUSA JÚNIOR, D. A. de; SILVA, A. L. dos S.; LOPES, S. G. Active methodologies in Science Teaching: analysis of knowledge production in scientific articles between 2010 and 2019. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 13, n. 5, p. 1–21, 2022. DOI: 10.26843/rencima.v13n5a11. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/3409. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos