Scientific Initiation as a strategy for the development of Scientific Literacy in basic education students: reflections from the Cientista Aprendiz

Resumo

Scientific initiation has benefits for scientific education, but few studies focus on schools. Thus, we investigated a Program of Scientific Initiation offered by a private school in São Paulo. We aimed to identify: i) a number of students that were participated in this program (2006 to 2019); ii) the areas and themes that were researched by the participants; iii) possible gender differences. We analyzed some documents, did some statistical tests, and did an Open Data Categorization. We identified the growth of student enrollments, indicating an enlargement of their interest in scientific topics. We also identified a greater number of researches in Biological Sciences, but gender differences were not identified, just an asymmetry in the areas of interest of students. More spaces for the development of the Nature of Science in schools are necessary, as well as the constant dialogue about the insertion of women in scientific careers.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, J. M.; PESSOA, W. R.; SGROTT, A.; SANTOS, J. K. R.; SANTOS, P. F.; CONCEIÇÃO, L. C. S. Sentidos subjetivos relacionados com a motivação dos estudantes do Clube de Ciências da Ilha de Cotijuba. Ensaio, Belo Horizonte, v.14, n. 3, p. 97-110, 2012.

ASSUNÇÃO, T. V. DE; NASCIMENTO, R. R. DO. Alfabetização científica e a academia: um olhar sobre o ensino de Física Moderna e Contemporânea na Educação Básica. REnCiMa, São Paulo, v. 10, n. 3, p. 1-17, 21 jun. 2019.

ARANTES, S. L. F.; PERES, S. O. Programas de iniciação científica para o ensino médio no Brasil: educação científica e inclusão social. Pesquisas e Práticas Psicossociais, São João del-Rei, v.10, n.1, p. 37-54, janeiro/junho 2015.

BELL, J. Projeto de pesquisa: guia para pesquisadores iniciantes em educação, saúde e ciências sociais. 4.ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular. Secretaria da Educação Básica. Brasília-DF; MEC; CONSED; UNDIM, 2018a.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Percepção pública da C&T no Brasil – 2019. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resolução CNE/CEB nº 2 de 30 de janeiro. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resolução CNE/CEB nº 3 de 8 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, 2018b.

CABERLON, V. I. Pesquisa e graduação na FURG: em busca de compreensões sob distintos horizontes. 2003. 244f. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

CALAZANS, J. Articulação teoria/prática: uma ação formadora. In: CALAZANS, J. (Org.). Iniciação científica: construindo o pensamento crítico. São Paulo: Cortez, 1999. p.57-78.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social, Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 22, p.89-100, 2003.

DA COSTA, W. L.; ZOMPERO, A. DE F. A Iniciação Científica no Brasil e sua propagação no Ensino Médio. REnCiMa, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 14-25, 7 abr. 2017.

CUNHA, M. B; PERES, O.M; GIORDAN, M; BERTOLDO, R.R; MARQUES, G.Q; DUNCKE, A. C. As mulheres na ciência: o interesse das estudantes brasileiras pela carreira científica. Educação Química, Coyoacán, v. 25, n.4, p. 1-11. 407–417, 2014.

FIOR, C. A. Contribuições das atividades não obrigatórias na formação universitária. 2003. 123f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

GOULART, N.; GOIS J. Clube de Ciências: Mulheres que fazem Ciências - análise de percepções e reconhecimento do universo científico. In: X ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS – X ENPEC, 2015, Águas de Lindóia. Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X Enpec, Águas de Lindóia, 2015, p.1-8.

HARRES, J. B.S. Natureza da Ciência e implicações para a Educação Científica. In: MORAES, R.; ROSITO, B. A.; HARRES, J. B.S.; GALIAZZI, M. C.; RAMOS, M. G.; COSTA, R. C. C.; BORGES, R. M. R (Org.). Construtivismo e o ensino de Ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. 3ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008, p.37-68.

HOUAISS, A. Dicionário eletrônico da língua portuguesa. Disponível em: http://houaiss.uol.com.br/busca.jhtm. 2007.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. Pesquisa Pedagógica: do projeto à implementação. Tradução Magda França Lopes. Porto Alegre: Artmed, 2008.

LAUGKSCH, R.C. Scientific literacy: A conceptual overview. Science Education, Londres, v. 84, n. 1, p. 71-94, 2000.

LETA, J. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 271-184, 2003.

LIMA, V. M. R. Clubes de Ciências: contribuições à formação do educando. Porto Alegre: PUCRS, 1998. 206f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1998.

LONGHI; A.; SCHROEDER, E. Clubes de ciências: o que pensam os professores coordenadores sobre ciência, natureza da ciência e iniciação científica numa rede municipal de ensino. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, Vigo, v. 11, n. 3, p. 547-564, 2012.

MANCUSO, R.; LIMA, V. M. R.; BANDEIRA, V. Clubes de Ciências: criação, funcionamento, dinamização. Porto Alegre: SE/CECIRS, 1996.

MASSI, L.; QUEIROZ, S. L. Estudos sobre Iniciação Científica no Brasil: uma revisão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 139, p.173-197, 2010.

MIRAS, M. Um ponto de partida para a aprendizagem de novos conteúdos: os conhecimentos prévios. In: COLL, C.; MARTÍN, E.; MAURI, T.; MIRAS, M.; ONRUBIA, J.; SOLÉ, I.; ZABALA, A. O construtivismo na sala de aula: novas perspectivas para a ação pedagógica (tradução do espanhol). Porto: Edições Asa, 2001, p. 59-70.

NATIONAL SCIENCE FOUNDATION (NSF). Women, minorities, and persons with disabilities in Science and Engineering. Arlington: NSF, 1996.

OLIVEIRA, A.; BIANCHETTI, L. Iniciação Científica Júnior: desafios à materialização de um círculo virtuoso. Ensaio: avaliações e políticas públicas em Educação, Rio de Janeiro, v.26, n. 98, p. 133-162, jan./mar. 2018.

PIRES, M. G. S.; DALARIVA, K. C.; FERNANDES, C.; FRAGA, C. S.; SALDANHA, T.; SOUZA, M. C.; FAILACE, D. M., ROSITO, B. A. Motivações e expectativas de alunos/as do Ensino Fundamental na participação de um Clube De Ciências. In.: VI ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 2007, Florianópolis. Anais do Vi Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, 2007.

PRAIA, J.; GIL-PÉREZ, D. E A. VILCHES O Papel da Natureza da Ciência na Educação para a Cidadania. Ciência & Educação, Bauru, v.13, n. 2, p. 141-156, 2007.

REIS, N.; MOREIRA, L.; SILVA, E. Teatro, experimentação e divulgação científica na Educação Básica: uma tríade possível para a alfabetização científica. REnCiMa, v. 10, n. 1, p. 209-227, 2019.

SANTOS, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 36, 2007.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Alfabetização Científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 16, n.1, p. 59-77, 2011.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Almejando a Alfabetização Científica no Ensino Fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v.13, n.3, p.333-352, 2008.

SCHMITZ, V., TOMIO, D. O Clube De Ciências como prática educativa na escola: uma revisão sistemática acerca de sua identidade educadora. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 24, n.3, p. 305-324, 2019.

TEIXEIRA, R. R. P.; COSTA, P. Z. Impressões de estudantes universitários sobre a presença das mulheres na Ciência. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v.10, n.02, p.217-234, jul-dez 2008.

STRAUSS, A. CORBIN, J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento da teoria fundamentada. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

TABAK, F. Políticas públicas no combate a estereótipos. In: FERREIRA, C. A.; PERES, S. O.; BRAGA, C. N.; CARDOSO, M. L. M. (Org.). Juventude e iniciação científica: políticas públicas para o Ensino Médio. Rio de Janeiro: EPSJV, UFRJ, 2010, p. 81-89.

TEIXEIRA, R. R. P.; COSTA, P. Z. Impressões de estudantes universitários sobre a presença das mulheres na Ciência. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v.10, n.02, p.217-234, 2008.

TOMIO, D.; HERMANN, A. P. Mapeamento dos Clubes De Ciências da América Latina e construção do site da Rede Internacional De Clubes De Ciências. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v.21, e.10483, p. 1-23, 2019.

UNESCO. Science for the twenty first century. Paris, 2000.

VELHO, L e LEÓN, E. A construção social da produção científica por mulheres. Cadernos Pagu, Campinas, 10, p. 309-344, 1998.

Publicado
2022-07-01
Como Citar
BARBOSA, P.; SANTOS, D.; TONIDANDEL, S. Scientific Initiation as a strategy for the development of Scientific Literacy in basic education students: reflections from the Cientista Aprendiz. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 13, n. 4, p. 1-23, 1 jul. 2022.
Seção
Artigos Gerais