O jogo de papéis como recurso lúdico colaborativo à interpretação e solução de problemas matemáticos

Palavras-chave: Educação Matemática, Solução de Problemas, Jogos de Papéis

Resumo

O presente artigo é fruto de uma pesquisa de mestrado que investigou de que maneira o uso de cinco “jogos de papéis”, com alunos do 5º ano do Ensino Fundamental, contribuiu para que esses alunos interpretassem e resolvessem problemas envolvendo as quatro operações matemáticas. O “jogo de papéis” corresponde a uma brincadeira em que a criança assume uma determinada função social (médico, professor, vendedor, entre outros), representando suas ações e comportamentos. Nessa pesquisa, foram aplicadas as brincadeiras “feira”, “banco”, “papelaria”, “lanchonete” e “mercado”. Neste artigo, em particular, os instrumentos de análise foram constituídos: pela transcrição de momentos de intervenção da professora na forma de diálogo com os alunos; pelas transcrições das videogravações das aulas em que essas brincadeiras foram aplicadas e pelas respostas dos alunos à Atividade Diagnóstica Final. Os dados foram analisados qualitativamente mediante Análise de Conteúdo. As seguintes categorias de análise foram estabelecidas a priori: Tradução/Interpretação do problema; Planejamento de estratégias para solução; Execução; e Avaliação. Essas categorias foram definidas a partir dos referenciais teóricos que nortearam esta pesquisa. Os resultados mostraram que a utilização desses “jogos de papéis” contribuiu para a interpretação e a solução de problemas envolvendo as quatro operações matemáticas, por parte dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASBAHR, F.S.F. Idade escolar e atividade de estudo: educação, ensino e apropriação dos sistemas conceituais”. In.: MARTINS, L.M.; ABRANTES, A.A.; FACCI, M.G.D. (orgs). Periodização Histórico Cultural do Desenvolvimento: do nascimento à velhice. São Paulo: Editora Autores Associados, 2016, p. 171-192.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1977.

BAUMGARTEL, P.; POSSAMAI, J. Jogo didático e o desenvolvimento do cálculo mental. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 11, n. 3, p. 465-485, abril/jun.2020.

BAURU. SME. Currículo Comum do Ensino Fundamental, 2016.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto Editora. 1982.

BOMTEMPO, E. A brincadeira de faz de conta: lugar do simbolismo, da representação, do imaginário. In: KISHIMOTO, T. M. (Org.) Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 2011, p. 63-79.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, SEB, 2018.

BRITO, M. R. F. Psicologia da Educação Matemática. Florianópolis: Insular, 2001.

CHI, M. T. H; GLASER, R. A capacidade para a solução de problemas. In: STERNBERG, R. As capacidades intelectuais humanas: uma abordagem em processamento de informações. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992, p. 249-275.

ELKONIN, D. Sobre el problema de la periodización del desarollo psíquico em la infância. In: Davidov, V, & SHUARE, M. (Org). La psicologia evolutiva e pedagogia em la URSS: antologia. Moscú, Editorial Progreso, 1987. p 104-124.

GOBBO, G. R. R; MILLER, S. A imaginação infantil: Relações entre gêneros discursivos, desenhos e brincadeira de papéis sociais. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019.

LOPES, C. A. da S.; RODRIGUES, K. C.; RODRIGUES, S. R. de C. R. Jogos cooperativos e argumentação: potencialidades para a promoção do pensamento crítico e reflexivo no ensino de matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 11, n. 3, p. 244-263, abr/jun.2020.

MAYER, R. F. A. A capacidade para a matemática. In: STERNBERG, R. As capacidades intelectuais humanas: uma abordagem em processamento de informações. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992, p. 144-168.

MOURA, M. O. A séria busca no jogo: do lúdico na Matemática. In: Kishimoto, T. M. (Org). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 2011, p.81-97.

PASQUALINI, J. C. Periodização do desenvolvimento psíquico à luz da escola de Vigotski: A teoria Histórico-Cultural do desenvolvimento infantil e suas implicações pedagógicas. In: MARSIGLIA, A.C.G. (Org). Infância e pedagógica histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2013, p. 51-97.

SANTOS, E. C. Dimensão lúdica e arquitetura: o exemplo de uma escola de educação infantil na cidade de Uberlândia. 2011. 363 f. Tese (Doutorado em Ciências da Informação) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SANTOS, S. M. P. dos. Sentidos e significados do conceito de divisão provenientes de Atividade Orientadora de Ensino. 2016. 132f. Dissertação (Mestrado em Docência para Educação Básica) – UNESP, Faculdade de Ciências, Bauru, 2016.

SILVA, T. C; AMARAL, C. L. C. Jogos e avaliação no processo ensino-aprendizagem: uma relação possível. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 1-8, jan/jun.2011.

STERNBERG, R. J. As capacidades intelectuais humanas: uma abordagem em processamento de informações. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

STERNBERG, R. J. Psicologia Cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

VIGOTSKY. L. S. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Tradução de Maria da Penha Villalobos. 2. ed. São Paulo: Ícone, 2012.

VIGOTSKY. L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes,1995.

Publicado
2021-12-29
Como Citar
SANTOS DIAS, A.; ASSIS, A. O jogo de papéis como recurso lúdico colaborativo à interpretação e solução de problemas matemáticos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 6, p. 1-20, 29 dez. 2021.
Seção
Artigos Gerais