Oficinas de criatividade: o desafio de inovar no ensino-aprendizagem da Matemática

Palavras-chave: Inovação, Oficinas de Criatividade em Matemática, Resolução de Problemas, Aprendizagem Matemática

Resumo

Este estudo objetiva identificar o processo de inovação educacional vinculado à melhoria do quadro do processo de ensino-aprendizagem em matemática de estudantes dos anos iniciais. Para tal, apresentamos as “Oficinas de Criatividade em Matemática”, um projeto idealizado e promovido pelo Grupo PI – Pesquisas e Investigações em Educação Matemática, do Departamento de Matemática da Universidade de Brasília. As oficinas foram realizadas em duas turmas de 4º ano do Ensino Fundamental em uma escola pública em Brasília, consistindo em uma intervenção em criatividade no campo da matemática, nas quais os estudantes foram estimulados a solucionar problemas matemáticos. Dentre estas, analisamos a Oficina do Consumo Saudável e Consciente, à luz do componente de inovação presente na atividade, na qual os estudantes deveriam elaborar e solucionar problemas contextualizados, voltados para a dinâmica do consumo, permitindo a discussão sobre sustentabilidade, consumo ético, consciente, responsável e saudável. Nesta pesquisa participante, de caráter exploratório e observacional, verificamos que as turmas utilizaram o pensamento crítico e criativo para solucionar problemas matemáticos no decorrer das atividades relacionadas à oficina. Isso possibilitou estimular e manter o interesse dos estudantes pela área do conhecimento em questão, percebendo-se na centralidade das discussões e identificando valores não apenas individuais, a partir de propostas matemáticas significativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCAR, E. M. L. S. de.; FLEITH, D. S. Criatividade: múltiplas perspectivas. 3 ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2003, 2009 (reimpressão).

ARAÚJO, U.F.; CAVALCANTI, C.C.; GARBIN, M.C.; LOYOLA, Waldomiro. A formação de professores para inovar a educação brasileira. In: CAMPOS, F.R. e BLIKSTEIN, P. (Orgs.). Inovações Radicais na Educação brasileira. Porto Alegre: Ed. Penso Ltda, 2019, p. 1-11 (Série Tecnologia e Inovação na Educação Brasileira).

BAILIN, S. Critical and Creative Thinking. Informal Logic. Vol. IX. 1, 1987.

BAILIN, S. Epilogue: Problems in Conceptualizing Good Thinking. In: American Behavioral Scientist - Volume 37, N. 1, 1993.

CARBONELL, J. A aventura de inovar: a mudança na escola. Tradução Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.

CARVALHO, A. T. Relações entre criatividade, desempenho escolar e clima para criatividade nas aulas de matemática de estudantes do 5º ano do ensino fundamental. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília.

CARVALHO, A. T. Criatividade compartilhada em matemática: do ato isolado ao ato solidário. 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Creativity: Flow and the psychology of discovery and invention. New York: Harper/Collins, 1996 (p. 107-126 plus notes).

FARIAS, I.M.S. Inovação, mudança e cultura docente. Brasília: Liber Livro, 2006.

GARCIA, W.E. Inovação Educacional no Brasil: problemas e perspectivas. São Paulo: Cortez / Autores Associados, 1989.

GÓMEZ CHACÓN, I. M. Matemática emocional: os afetos na aprendizagem matemática. Porto Alegre: Artmed, 2003.

GONTIJO, C. H. Relações entre Criatividade, Criatividade em Matemática e Motivação em Matemática de Alunos do Ensino Médio. 2007. 194f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília/DF, 2007.

GONTIJO, C. H. Criatividade(s) em Matemática: Bases teóricas e aplicações pedagógicas. Canal do Grupo PI Brasília. YouTube. Brasília/DF, 2020.

IMBERNÓN, F. Formação Docente e Profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular. Brasília – DF, 2018.

NOGARO, A.; BATTESTIN, C. Sentidos e contornos da inovação na educação. Holos, vol. 2, ano 32, p. 357–372, 2016.

OCDE. How teachers and schools innovate: new measures in TALIS 2018. Teaching in Focus. 2019, n. 26.

PITANGA, A. Desenvolvimento de um projeto temático na perspectiva da Pedagogia 4Cs: conhecimento científico, criticidade, criatividade e colaboração. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 422-441, jan. 2020.

SAVIANI, D. A filosofia da educação e o problema da inovação em educação. In: GARCIA, Walter E. (Org.). Inovação Educacional no Brasil: problemas e perspectivas. São Paulo: Cortez / Autores Associados, 1989.

SENRA, C. P.; BRAGA, M. Inovação disruptiva: um olhar sobre os ambientes educativos inovadores. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 4, p. 101-115, jul. 2019.

SHEFFIELD, L. J. Using creativity techniques to add depth and complexity to the Mathematics Curricula. In: National Association for Gifted Children Annual Conference. 2005, Louisville, KY. Proceedings [...]. Louisville, KY, 10 a 12 de novembro de 2005.

SILVA, C. Inovação Curricular, Formação de Professores e Melhoria da Escola: o referencial do Projeto Procur. Santo Tirso / Portugal: Editora de Facto, 2016.

STERNBERG, R. J. Psicologia Cognitiva. 4. ed. - Porto Alegre: Artmed, 2008.

UNESCO. Educação para a cidadania global: preparando alunos para os desafios do século XXI. Brasília: Unesco, 2015.

WEF - The World Economic Forum. Annual Meeting of the Global Future Councils. Dubai, Emirados Árabes Unidos: 2019.

ZABALZA, A.M.; CARDEIRIÑA, A.Z. Innovación y cambio en las instituciones educativas. Rosário / Argentina: Homo Sapiens Ediciones. 2014.

Publicado
2021-12-29
Como Citar
COSTA, I.; GONTIJO, C. Oficinas de criatividade: o desafio de inovar no ensino-aprendizagem da Matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 6, p. 1-21, 29 dez. 2021.
Seção
Artigos Gerais