Uma oficina temática para o ensino de Química sobre drogas por meio da problematização

Palavras-chave: Drogas, Oficina Temática, CTS

Resumo

O trabalho descrito neste artigo investigou como a aprendizagem de Química Orgânica pode ser problematizada a partir de um tema sociocientífico controverso: as drogas. Usando uma abordagem Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS), a estratégia de ensino escolhida foi uma oficina temática realizada com 28 estudantes do 3º ano do Ensino Médio de um colégio universitário. Essa oficina teve como referencial D. Delizoicov em seus Três Momentos Pedagógicos (3 MPs). O 1[1]º momento pedagógico teve como objetivo levantar as concepções prévias dos alunos sobre o tema, por meio de uma discussão e de um questionário. No 2º momento pedagógico, organizou-se o conhecimento a partir de uma aula dialogada que abrangeu o contexto histórico das drogas, seus efeitos químicos, bioquímicos e sua influência no corpo humano. No 3º momento pedagógico, a partir da integração de aprendizagens, foi realizada uma oficina de cartazes, visando à aplicação do conhecimento numa perspectiva crítico-reflexiva. Com base numa avaliação qualitativa e continuada, foi observado que o tema abordado e a estratégia de ensino favoreceram o desenvolvimento da criticidade frente às questões abordadas, aproximaram aspectos conceituais, sociais e tecnológicos da Ciência ao cotidiano dos estudantes e mostraram-se ótimas opções para contribuir para a formação de cidadãos conscientes e responsáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAMOVAY, M.; CASTRO, M. G. Drogas nas Escolas: versão resumida. Brasília: UNESCO, 2005.

ARROYO, M. G.; Políticas educacionais e desigualdades: a procura de novos significados. Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 68, out./dez, 2010.

BRASIL. Constituição Federal de 1988, artigo 205, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2018.

CAMPOS, F. C. A.; SANTORO, F. M.; BORGES, M. R. S.; SANTOS, N. Cooperação e aprendizagem on-line. Rio de Janeiro. 2003.

CAMPOS, N. DE. Políticas sobre a vida e a reivindicação pelo uso medicinal da maconha. Vivência: Revista de Antropologia, v. 1, n. 54, 157-172, 2019.

COELHO, F. J. F.; BARROS, M. D. M. DE; ASSIS, T. DE. Proposta pedagógica para utilização do filme Bicho de Sete Cabeças na perspectiva da saúde mental e redução de danos do uso abusivo de drogas. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 5, p. 301-317, 7 out. 2019.

CUNHA, M. B. DA. Movimento ciência/tecnologia/sociedade (CTS) e o ensino de ciências: condicionantes estruturais. Revista Varia Scientia, São Paulo, v. 6, n. 12, 121-134, 2006.

DELIZOICOV, D. Concepção problematizadora do ensino de ciências na educação formal. 1982. 227f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Física. Universidade Federal de São Paulo. São Paulo.

DELIZOICOV, D. Problemas e Problematizações. In: PIETROCOLA, M. (org) Ensino de Física: Conteúdo, metodologia e epistemologia numa concepção integradora. Florianópolis: UFSC, p 125-150, 2001.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 3ª edição. São Paulo: Cortez, 2002.

FIGUEIREDO, M. C.; KOVALSKI, M. L.; OBARA, A. T.; RODRIGUES, M. A. A temática “Drogas” no ensino de química. In: XV ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA. Brasília: Universidade de Brasília, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 11a ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

GENOVESE, C. L. C. R; GENOVESE L. G. R.; CARVALHO, W. L. P. Questões sociocientíficas: origem, características, perspectivas e possibilidades de implementação no ensino de ciências a partir dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Revista de Educação em Ciências e Matemática, Amazônia, v. 15, n. 34, p. 08-17, jul./dez. 2019.

HUNSCHE, S. Professor fazedor de currículos: desafios do estágio curricular supervisionado em Ensino de Física. 2010. 144f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Educação. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria.

JUNGERMAN, F. S.; LARANJEIRA, R.; BRESSAN, R. A. Maconha: qual a amplitude de seus prejuízos? Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 5-6. Mar. 2005.

MARCONDES, M. E. R. Proposições metodológicas para o ensino de Química: oficinas temáticas para a aprendizagem da ciência e o desenvolvimento da cidadania. Revista Em Extensão, v. 7, n. 1, 5 nov. 2008.

MOREIRA, F. G.; SILVEIRA, D. X.; ANDREOLI, S. B. Redução de danos do uso indevido de drogas no contexto da escola promotora de saúde. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.11, n. 3, p. 807-816, set. 2006.

MIRAS, N. O. Ponto de partida para a aprendizagem de novos conteúdos: os conhecimentos prévios. In: COLL, C. O construtivismo em sala de aula. São Paulo: Editora Ática, 2006.

OLIVEIRA, J. R. O Ensino de Ciências e a Ética nas Escolas: interfaces possíveis. Química Nova na Escola, São Paulo, v.32, n.4, p. 227-232, nov. 2010.

OMS. Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10. Porto Alegre: Artes Médicas Sul. 1993.

MUNDIM, J. V.; SANTOS, W. L.P. Ensino de ciências no ensino fundamental por meio de temas sociocientíficos: análise de uma prática pedagógica com vista à superação do ensino disciplinar. Ciência & Educação, Brasília, v. 18, n. 4, p. 787-802, 2012.

MUENCHEN, C. A disseminação dos Três Momentos Pedagógicos: um estudo sobre práticas docentes na região de Santa Maria/RS. 2010. 273f. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) - Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

PAZINATO, M. S.; BRAIBANTE, M. E. F. Oficina temática Composição Química dos Alimentos: Uma possibilidade para o Ensino de Química. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 36, n. 4, p. 289-296, nov. 2014.

PENHA, E. M.; DAMASCENO, D.; CARDOSO, S.; COELHO, L. P.; BUENO, A. M. A. Regulamentação de medicamentos derivados da Cannabis sativa no Brasil. Brazilian Journal of Forensic Sciences, Medical Law and Bioethics, São Paulo, v.9, n.1, p. 125-145, ago. 2019.

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F. Uma Análise de Pressupostos Teóricos da Abordagem CTS (Ciência - Tecnologia - Sociedade) no Contexto da Educação Brasileira. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v.2, n.2, p. 110-132, jul-dez. 2002.

SANTOS, W. L. P. Contextualização no Ensino de Ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Ciência & Ensino, São Paulo, v. 1, número especial, p 1-12, nov, 2007.

TARDIF, M. Os professores face ao saber: esboço de uma problemática do saber docente. In: TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez-Autores associados, 1986.

UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIMES (UNODC). World Drug Report 2021. United Nations publication. Viena: UNODC, 2021

VANUCHI, V. C. F.; WELTER, L. E.; STEFANELLO, L. B.; BRAIBANTE, M. E. F. Oficina temática “Tintas Indígenas”: ensino de Ciências por meio da temática “indígena”. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 5, p. 253-270, 7 out. 2019.

VIEIRA, E.; VOLQUIND, L. Oficinas de ensino: O quê? Por quê? Como? 4. ed. Porto Alegre: Edipucrs, 2002.

Publicado
2022-07-31
Como Citar
BORGES, M.; LODI, T.; RIBEIRO, C. Uma oficina temática para o ensino de Química sobre drogas por meio da problematização. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 13, n. 4, p. 1-25, 31 jul. 2022.
Seção
Artigos Gerais