A constituição de um novo saber na Educação Matemática: as narrativas como um modo de ruptura teórica e metodológica na formação e pesquisa

Palavras-chave: História da Educação Matemática, Formação de Professores, Grupos de Pesquisa, História Oral, Genealogia

Resumo

Este texto é fruto de uma pesquisa de doutorado (SILVA, 2020) que teve como principal objetivo problematizar os diferentes discursos e modos de operar com as narrativas na Educação Matemática. Tais problematizações partiram de oito narrativas de pesquisadores, líderes de grupos de pesquisa no Brasil, que utilizam o termo “narrativas” em suas perspectivas de estudo e pesquisas na Educação Matemática. A História Oral foi arquitetada durante os movimentos da investigação como metodologia de pesquisa qualitativa potente para abarcar e problematizar os processos de subjetivação de cada colaborador e como cada um atribui significados às suas práticas e visões de mundo. De um modo geral, os resultados da tese acenam para uma multiplicidade de modos de operar as narrativas e, em particular neste texto, as narrativas são problematizadas como um modo de ruptura teórica e metodológica na formação e pesquisa. Neste artigo, apresentamos e discutimos como esse saber das narrativas passou a ser objeto de estudo na Educação Matemática, a partir das vivências de alguns educadores matemáticos que tematizam esse saber na área. A tessitura de discussões está apoiada em aspectos dos métodos arqueológico e genealógico de Michel Foucault.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERTAUX, Daniel. Narrativas de vida: a pesquisa e seus métodos. Natal, UFRN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

CONNELLY, F. M.; CLANDININ, D. J. (2000). Narrative Inquiry: Experience and Story in Qualitative Research. San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

FIORENTINI, D.; ESPINOSA A. J.; MELO, G. F. A; PINTO, R. A. História de aulas de Matemática: trocando, escrevendo, praticando, contando. 1. ed. Campinas: Gráfica FE / CEMPEM, 2001. v. 1. 51p.

FIORENTINI, D.; MIORIM, M. A. (Org.). Por trás da porta, que matemática acontece? 1ed.Campinas: Gráfica da FE/Unicamp - CEMPEM, 2001, v. 1, p. 17-44.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. 8ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2019.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 42ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder, RJ-RJ, Graal, 24 ª ed., 2007.

GARNICA, A. V. M. Cartografias Contemporâneas: Mapear a Formação de Professores de Matemática. In GARNICA, A. V. M. (org.). Cartografias Contemporâneas: Mapeando a Formação de Professores de Matemática no Brasil. P. 39-66. Curitiba-PR: Appris, 2014.

GARNICA, A. V. M. Estacas em Paisagens Móveis: um ensaio a partir da narrativa de três professores de Matemática. In: TEIXEIRA, I. A. de C. et al. (Org.). Viver e Contar: experiências e práticas de professores de Matemática. 1. ed. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2012, p. 329-345. (Coleção Contextos da Ciência).

GERALDI, C. M. G.; FIORENTINI, D.; PEREIRA, E. M. A. (orgs). Cartografias do Trabalho Docente: professor(a)-pesquisador(a). Campinas, SP: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil – ALB, 1998. (Coleção Leituras no Brasil).

GOMES, M. L. M. Quatro visões iluministas sobre a educação matemática: Diderot, d’Alembert, Condillac e Condorcet. 2003. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas. 2003.

GOMES, M. L. M. História da Educação Matemática, Formação de Professores a Distância e Narrativas Autobiográficas: dos sofrimentos e prazeres da tabuada. Bolema, Rio Claro, impresso, v. 28, p. 820-840, 2014.

GOMES, M. L. M. Narrativas Autobiográficas e Pesquisa em História da Educação Matemática: notas metodológicas. Perspectivas da Educação Matemática, v. 8, p. 587-606, 2015.

LABOV, W. The transformation of experience in narrative sintax. In: LABOV, W. (Ed.). Language in the Inner City. Philadelphia: University of Pennsylvania, 1972. p. 352-96.

LARROSA, J. Notas sobre narrativa e identidad (a modo de presentación). In: ABRAHÃO, M. H. M. B. (Org.) A aventura (auto)biográfica: teoria e empiria. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

LEJEUNE, P. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Organização de Jovita Maria Gerheim Noronha. Tradução de Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014. 459 p. (Coleção Humanitas).

LYOTARD, J. F. O pós-moderno. 2ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.

MIGUEL, A. et al. A educação matemática: breve histórico, ações implementadas e questões sobre sua disciplinarização. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 27, p. 70- 93, set./out./nov./dez. 2004.

NIETZSCHE, F. W. Sobre verdade e mentira. Tradução de Fernando de Moraes Barros. São Paulo: Editora Hedra. 2007.

NÓVOA, A. Os professores e as Histórias da sua vida. In: NÓVOA, A. (Org.) Vidas de professores. 2. ed. Porto Editora, 1995. p. 11-30 (Colecção Ciências da Educação).

PASSEGGI, M. C. SOUZA, E. C. O Movimento (Auto)Biográfico no Brasil: Esboço de suas Configurações no Campo Educacional. Investigación Cualitativa, 2(1) pp. 6-26, 2016.

PASSEGGI, M. C.; SOUZA, E. C. VICENTINI, P. P. Entre a vida e a formação: pesquisa (auto)biográfica, docência e profissionalização. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 27, n. 01, p. 369-386, abr. 2011.

PASSOS, E., BARROS, R. Por uma política da narratividade. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCOSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina; 2014, p. 150-171.

PESAVENTO, S. J. História & História Cultural. Editora Autêntica. 3ª edição. 2012.

PONTE, J. P.; OLIVEIRA, H.; CUNHA, M. H. & SEGURADO, M. L. Histórias de investigações matemáticas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional. 1998.

RICOEUR, P. O tempo e a narrativa. V.1. A intriga e a narrativa histórica. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 7ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SCHIFTER, D. What’s happening in Math Class? Envisioning new practices through teacher narratives. v. 1 Teachers College, Columbia University, New York and London 1996a.

SCHIFTER, D. What’s happening in Math Class? Reconstructing Professional identities. v. 2: Teachers College, Columbia University, New York and London. 1996b.

SILVA, M. S. O que podem as narrativas na Educação Matemática brasileira. 2020. 403 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2020.

VEIGA-NETO, A. Foucault & a Educação. Coleção Pensadores & Educação. 3ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

VEIGA-NETO, A. Teoria e Método em Michel Foucault (im)possibilidades. Cadernos de Educação | FaE/PPGE/UFPel | Pelotas [34]: 83 - 94, setembro/dezembro 2009.

VIANNA, C. R. Vidas e Circunstâncias na Educação Matemática. 2000. 572f. Tese (Doutor em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2000.

ZAQUEU, A. C. M. Narrativas na Formação de Professores: possibilidades junto ao Pibid da UFSCar. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro. 2019.

Publicado
2021-08-24
Como Citar
SILVA, M.; SILVA, H. A constituição de um novo saber na Educação Matemática: as narrativas como um modo de ruptura teórica e metodológica na formação e pesquisa. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 5, p. 1-24, 24 ago. 2021.