Um olhar em rede para as produções em resolução de problemas nos ENEMs (1987 – 2016)

Palavras-chave: Resolução de Problemas, ENEMs, Redes Sociais, História da Educação Matemática

Resumo

No presente trabalho, a partir dos anais dos Encontros Nacionais de Educação Matemática (ENEMs), de 1987 a 2016, realizamos um mapeamento e apresentamos características principais (autores, grupos de pesquisa e relações entre eles, etc) das produções sobre Resolução de Problemas como uma tendência de pesquisa e ensino no cenário nacional. Adotamos a História da Educação Matemática como referencial teórico-metodológico, segundo perspectivas de pesquisadores do campo da História e da História da Educação. Considerando as vertentes, sobre, para e através/via, com foco nesse último viés, a partir das comunicações e minicursos, foi utilizada a metodologia de análise de redes sociais com o intuito de delinear a elaboração de redes para os principais autores, instituições de pesquisas e grupos. Destacamos um expressivo número de produções vinculadas à região Sudeste (45%), centralidade da professora Lourdes de la Rosa Onuchic como pesquisadora através da rede de relações de seu grupo de pesquisa e na rede de instituições, na qual a Unesp mantém ligações com várias outras instituições de ensino, assumindo uma posição central.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BLOCH, M. Apologia da História ou O ofício de Historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

BÖCK, B. S. A tecnologia na abordagem CTS: uma análise comparativa em dois periódicos internacionais de estudos de C&T e brasileiros na área de ensino. 2018. Tese de doutorado. Ensino. Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca – CEFET/RJ, Rio de Janeiro.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CAMPOS, T. M. M. C. História da SBEM. In: VIII ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2004, Recife-PE. Anais [...]. Recife, 2004.

CHRISPINO, A. et. al. A área CTS no Brasil vista como rede social: onde aprendemos? Ciência & Educação, v. 19, p. 455-479, 2013.

DANTE, L. R. Formulação e Resolução de Problemas de matemática: teoria e prática. Ed. Ática, São Paulo, 2010.

EASLEY, D; KLEINBERG, J. Networks, Crowds, and Markets: Reasoning about a Highly Connected World. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

FIORENTINI, D. Rumos da Pesquisa Brasileira em Educação Matemática: o caso da produção científica em cursos de pós-graduação. 1994. Tese de Doutorado. Educação. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) – Faculdade de Educação.

GARNICA, A. V. M. (2013). Sobre historiografia: fragmentos para compor um discurso. REMATEC – Revista de Matemática, Ensino e Cultura. Natal, n.12, p.51-65, jan.-jun., ano 8, 2013.

GÓMEZ-GRANELL, C. A aquisição da linguagem: símbolo e significado. In: TEBEROSKY, A.; TOLCHINSKI, L. (Orgs.). Além da alfabetização: a aprendizagem fonológica, ortográfica, textual e matemática. Trad. Stela Oliveira. São Paulo: Ática. p. 257-282, 1997.

LEAL JUNIOR, L. C.. Tessitura sobre discursos acerca de Resolução de Problemas e seus pressupostos filosóficos em Educação Matemática: Cosi è, se vi pare. 2018. 353 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro.

LUCHESE, T. A. Modos de fazer história da educação: pensando a operação historiográfica em temas regionais. História da Educação. Porto Alegre. v. 18, n.43, p. 145-161. maio/ago., 2014.

MELO, T. B. CTS na Ibero-américa e ensino CTS no Brasil: convergências e divergências numa análise da produção científica. 2017. Tese de doutorado. Ensino. Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca – CEFET/RJ, Rio de Janeiro.

MIGUEL, A. et al. A educação matemática: breve histórico, ações implementadas e questões sobre sua disciplinarização. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 27, p. 70-93, set./out./nov./dez, 2004.

MUNIZ, N. C. Relatos de memórias: a trajetória de 25 anos da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (1988-2013). São Paulo: Editora Livraria da Física, 2013.

ONUCHIC, L. R. A resolução de problemas na educação matemática: onde estamos? E para onde iremos? Espaço Pedagógico, v. 20, n.1, Passo Fundo, p. 88-104, jan/jun, 2013.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. S. G. Pesquisa em Resolução de Problemas: caminhos, avanços e novas perspectivas. BOLEMA – Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, v.25, n.41, p. 71-98, dez. 2011.

POLYA, G. O ensino por meio de problemas. Revista do professor de Matemática, São Paulo, n.7. p. 11-16, Sociedade Brasileira de Matemática. 2º sem. 1985.

SCHWARCZ, L. M. Por uma historiografia da reflexão. In: BLOCH, M. Apologia da História ou O ofício de Historiador. Rio de Janeiro: Zahar, p.7-12, 2002.

SILVA, M. A. F. B.; MELO, T. B.; BOCK, B. S.; CHRISPINO, A. A Contribuição da Construção Social da Tecnologia para a Abordagem CTS: Desafios a partir dos resultados Piearcts. Interacções, 34, p. 201-221, 2015.

SOUTO, R. M. A. Mário Tourasse Teixeira: o homem, o educador, o matemático. 2006. 151f., Tese de doutorado. Educação Matemática. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Rio Claro.

VALE, I.; PIMENTEL, T.; BARBOSA, A. Ensinar matemática com resolução de problemas. Quadrante – Revista de investigação em Educação Matemática, Lisboa/Portugal, v. XXIV, n.2, p. 40-60, 2015.

VALENTE, W. R. Oito temas sobre História da educação matemática. REMATEC. Revista de Matemática, Ensino e Cultura (UFRN), v. 8, p. 22-50, 2013.

Publicado
2021-08-25
Como Citar
FREITAS, T.; ANDRADE, S.; CARDOSO, T. M. Um olhar em rede para as produções em resolução de problemas nos ENEMs (1987 – 2016). Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 5, p. 1-18, 25 ago. 2021.