Movimentos político-epistêmicos na produção de histórias da formação de professores de Matemática em Mato Grosso do Sul

Palavras-chave: Narrativas, História da Educação Matemática, Decolonialidade

Resumo

Este texto aborda resultados de diferentes pesquisas produzidas pelo Grupo História da Educação Matemática em Pesquisa (HEMEP) na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul nos últimos dez anos. Trata-se de um exercício de análise de movimentações deste grupo na compreensão da formação e da atuação de professores de Matemática no estado, assim como de questões que cercam o conceito de escola. Três movimentos são destacados a partir dos trabalhos desenvolvidos no grupo de forma a evidenciar como os esforços coletivos têm-se deslocado entre uma historiografia dos acontecimentos com a produção de narrativas por meio da oralidade, uma política de narratividade que se evidencia nos jogos de linguagem e a prática de uma postura decolonial. Objetivos, discussões metodológicas e estéticas de escritas de diferentes dissertações e teses afirmam uma permanente movimentação em torno de uma historiografia menos explicativa e, assim, com mais potência de corte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADICHIE, C. N. O perigo de uma história única. Tradução Julia Romeu. São Paulo: Companhia das letras. E-book Kindle, 2009.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D.M. História: a arte de inventar o passado – ensaios de teoria da história. 1. ed. Bauru: Edusc, 2007.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. Em Estado de Palavra: quando a história não consegue que se meta fora a literatura. In: FLORES, M. B. R.; PIAZZA, M. de F.F. (Org.). História e Arte: movimentos artísticos e correntes intelectuais. 1. ed. Campinas: Mercado das Letras, 2011, v. 1., p. 249-262.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D.M. O saber é feito para cortar: Michel Foucault e a historiografia. Live, 2020.

ALMEIDA, A. M. de. Inventar e se reinventar em meio a narrativas históricas: uma trajetória de pesquisa sobre o curso modular de matemática em Campo Grande-MS. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, 2017.

BARAD, K. What flashes up: Theological-Political-Scientific Fragments. In: KELLER, C.; RUBENSTEIN, M.-J. (orgs.). Entangled Worlds: Religion, Science and New Materialisms. New York: Fordham University, 2017.

BOLÍVAR, A.; DOMINGO, J.; FERNÁNDEZ, M. La investigación biográficonarrativa em educación. Madrid: La Muralla, 2001.

BRUNER, J. Fabricando histórias: direito, literatura, vida. Tradução: Fernando Cássio. São Paulo: Letra e Voz, 2014.

CARVALHO, M. Jogos de Linguagem na Geometria do Ensino Médio: entre livros, programas e reformas... uma terapia. Tese (Doutorado em andamento) - Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS.

DELEUZE, G. GUATTARI, F. Mil Platôs. Vol. 2. São Paulo: Ed. 34, 1995.

FAORO, T.C.T. A formação de professores de matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: um olhar sobre os anos iniciais da licenciatura em Dourados. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2014.

FERNANDES, F.; GARNICA, A. V. M. Metodologia de Pesquisa em Educação Matemática: éticas e políticas na inserção de novos sujeitos, cenários e conhecimentos. Perspectivas da Educação Matemática, v. 14, n.34, p. 1-16, 2021.

FRANCO, V. N. M. Entre infâncias, narrativas e delírios: fora da escola, fora da matemática, fora do risco… Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2019.

FRANCO, V. N. M., SOUZA, L. A. Entre linhas tortas ou uma formação pela pesquisa com crianças e seus aprendimentos. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, v. 11, n. 2, p. 173-192, 2021.

FRICKER, M. Epistemic injustice: Power and the ethics of knowing. Oxford University Press, 2007.

GARNICA, A. V. M. A experiência do labirinto: metodologia, história oral e Educação Matemática. São Paulo: Editora Unesp, 2008.

GARNICA, A. V. M. História Oral em Educação Matemática: um panorama sobre pressupostos e exercícios de pesquisa. História Oral, Rio de Janeiro, v. 18, p. 35-53, 2015.

GARNICA, A. V. M; FERNANDES, D. N; SILVA, H. da. Entre a amnésia e a vontade de nada esquecer: notas sobre regimes de historicidade e história oral. Bolema, Rio Claro (SP), p. 213-250, 2011.

GIRALDO, V. Alargando Sentidos: o que queremos dizer por decolonizar currículos em matemática? RIPEM, v.11, n.2, p.01-08, 2021a.

GIRALDO, V. Diálogos entre Raça, Gênero, Educação, Decolonialidade e Ciências Exatas. Live, 2021b.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MIGNOLO, W. Desafios Decoloniais hoje. Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçu/PR, v. 1, n.1, p. 12-32, 2017.

MORAIS, A. C. L. de. Licenciatura em Matemática da UFMS: movimentos precursores e implantação de um curso a distância. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) -. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, 2017.

MOREIRA, P. G. dos S. Jogos de linguagem e geometria euclidiana plana: um olhar terapêutico wittgensteiniano para dois manuais didáticos usados em cursos de licenciatura em matemática. 2018. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande (MS), 2018.

MURRIS, K.; REYNOLDS, R.; SILVA, H.; SOUZA, L. A. de. Untidying Child Development with a Picturebook: Disrupting colonizing binary logic in teacher education. In: YELLAND, N. J.; PETERS, L.; FAIRCHILD, N.; TESAR, M.;PÉREZ, M. (orgs.). The SAGE Handbook of Global Childhoods. Sage Reference, 2021. No prelo.

NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. Trad. Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

OLIVEIRA, A. B. de. Licenciaturas em Matemática como produção narrativa: aberturas para experiências. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2018.

PINTO, T. P. Projetos Minerva : caixa de jogos caleidoscópica, 2013. Universidade Estadual Paulista, [s. l.], 2013.

PINTO, T. P. É preciso descristalizar a Matemática. Perspectivas da Educação Matemática, v. 11, n. 26, p. 335 , 2018.

QUIJANO, A. Colonialidad y Modernidad-racionalidad. In: BONILO, H. (comp.). Los conquistados. Bogotá: Tercer Mundo Ediciones, FLACSO, p. 437-449, 1992.

REIS, A. C. de S. R. dos. A formação matemática de professores do Ensino Primário: um olhar sobre a Escola Normal Joaquim Murtinho. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2014.

REIS, A. C. de S. R. dos. Morte e vida severina: auto de natal em Educação Matemática. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2020.

SILVA, C. R. M. da. Uma, nove ou dez narrativas sobre as licenciaturas em Ciências e Matemática em Mato Grosso do Sul. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2015.

SILVA, N. C. da. Cenas sobre a formação e atuação de professores de matemática de Paranaíba/MS na segunda metade do século XX. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, 2016.

SILVA, R. C. da. Um olhar dispersivo e narrativo para a criação do Curso de Ciência da Computação da UFMS. 2020. [s. l.], 2020.

SOARES, E. L. Educação (,) matemática e outras banalidades fundamentais da vida: diálogos a partir dos analfabetismos nossos de cada dia. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2019.

SOARES, E. L., SOUZA, L. A. de. Analfabetismos, pesquisa e educação (matemática): uma escola que opera fora dos muros da escola. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, v. 11, n.2, p. 250-264, 2021.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Entrevista. SZTUTMAN, Renato (org.). Eduardo Viveiros de Castro - Encontros. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008.

VIVEIROS DE CASTRO, E. O Anti-Narciso: lugar e função da Antropologia no mundo contemporâneo. Revista Brasileira de Psicanálise, v.44, n.4, p.15-26, 2010.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Ubu, 2018. E-book Kindle.

Publicado
2021-08-24
Como Citar
PINTO, T.; SOUZA, L.; SILVA, C. R. Movimentos político-epistêmicos na produção de histórias da formação de professores de Matemática em Mato Grosso do Sul. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 5, p. 1-23, 24 ago. 2021.