Um estudo sobre a habilidade matemática na solução de problemas de Geometria

Autores

  • Viviane Rezi Dobarro Centro Universitário Padre Anchieta
  • Márcia Regina Ferreira de Brito Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v1i1.3

Palavras-chave:

Geometria, Educação Matemática, Habilidades Matemáticas

Resumo

Este estudo teve por objetivo contribuir para o desenvolvimento da compreensão sobre alguns componentes da habilidade matemática intrínsecos às atividades que envolviam conceitos geométricos, através da abordagem de solução de problemas, procurando investigar quais as relações existentes entre o nível de desenvolvimento do pensamento em geometria e a habilidade para conceitos espaciais. Para isso, foram sujeitos da pesquisa 201 alunos concluintes do ensino médio de duas escolas, uma pública e outra particular, submetidos a quatro instrumentos do tipo lápis e papel. Foi identificada uma relação linear moderada entre esses constructos, ou seja, alunos com maior nível de desenvolvimento do pensamento em geometria eram também mais habilidosos na solução de problemas que necessitassem de conceitos espaciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, J. R. Cognitive psychology and its implications. 4.ed. New York: W. H. Freeman and Company, 463p, 1995.

AUSUBEL, D. P., NOVAK, J. D. & HANESIAN, H. Psicologia educacional. Tradução Eva Nick. Rio de Janeiro: Ed. Interamericana, 1980

BRITO, M. R. F. Alguns Aspectos Teóricos e Conceituais da Solução de Problemas Matemáticos. In: Solução de Problemas e a Matemática Escolar, de Márcia Regina Ferreira de Brito (org.). Campinas, SP: Ed. Alínea, 2006.

BRITO, M. R. F., FINI, L. D. T., GARCIA, V. J. N. Um Estudo Exploratório sobre as Relações entre o Raciocínio Verbal e o Raciocínio Matemático. Proposições, Campinas, SP, v. 5, n.1, pp. 37-44, 1994.

BUSSAB, W. O., MORETIN, P. A. Estatística Básica. SP: Atual, 1987.

CARROLL, J. B. Studying individual differences in cognitive abilities: through and beyond factor analysis. In R. F. Dillon & R. R. Schmeck, Individual differences in cognition. New York: Academic Press, 1983.

ECHEVERRÍA, M. D. P. P. A solução de problemas em Matemática. In A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. Juan Ignacio Pozo. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ECHEVERRÍA, M. D. P. P., & POZO, J. I. Aprender a resolver problemas e resolver problemas para aprender. In A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. Juan Ignacio Pozo. Porto Alegre: Artmed, 1998.

GARDNER, H. A nova ciência da mente: uma história da revolução cognitiva. Tradução Claudia Malbergier Caon. São Paulo: USP, 1996.

GORGORIÓ, N. Exploring the funcionality of visual and non-visual strategies in solving rotation problems. Educational Studies in Mathematics. n. 35, 207-231, 1998.

HOFFER, A. Geometry is more than proof. Mathematics Teacher, USA. v. 71, n. 1, 11- 21, 1981.

KERLINGER, F. N. Metodologia em Ciências Sociais: um Tratamento Conceitual. São Paulo: EPU, 1980.

KÖHLER, W. Psicologia da Gestalt. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia, 1980.

KOSSLYN, S. M. A capacidade para trabalhar mentalmente com imagens. In Robert Sternberg, As capacidades intelectuais humanas: uma abordagem em processamento de informações. Tradução de Dayse Batista. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

KRUTETSKII, V. A. The psychology of mathematical abilities in schoolchildren, Chicago: Teh University of Chicago Press. Transleted from the Russian by Joan Teller, 1976.

LEAN, G. & CLEMENTS, M. A. Spatial ability, visual imagery, and mathematical performance. Educational Studies in Mathematics. v. 12, 267-299, 1981.

LUENGO, V. Some Didactical and Epistemological Considerations in the Design of Educational Software the Cabri-Euclide Example. International Journal of Computer for Mathematical Learning, v. 10, 1-29, 2005.

NASSER, L. A teoria de Van Hiele: pesquisa e aplicação. Rio de Janeiro: UFRJ. 16p, 1992.

NASSER, L. Geometria: Na Era da Imagem e do Movimento. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.

PRIMI, R. & ALMEIDA, L. S. BPR-5: Bateria de Provas de Raciocínio – manual técnico. Casa do Psicólogo, 2000.

RESNICK, L. B. & FORD, W. W. La enseñanza de las Matemáticas y sus fundamentos psicológicos. Barcelona: Paidós, 1990.

SÃO PAULO Proposta curricular para o ensino de Matemática: 20 grau. São Paulo: Secretaria Estadual de Educação/CENP, 393p, 1986.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: Matemática, Brasília: MEC, v. 3, 1997.

SHAW, J. M., THOMAS, C., HOFFMAN, A. & BULGREN, J. Using concept diagrams to promote understanding in geometry, Teaching Children Mathematics, v. 2, n. 3, 184- 189. Nov, 1995.

STERNBERG, R. As capacidades intelectuais humanas: uma abordagem em processamento de informações. Tradução de Dayse Batista. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

STERNBERG, R. Psicologia Cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000. TRIOLA, M. Introdução à Estatística. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

USISKIN, Z. Van Hiele levels and achievement in secondary school geometry. CDASSG Project. The University of Chicago (ERIC Document Reprodution Service No. ED 220 288), 1982.

VAN HIELE, P. M. Structure and insight: a theory of mathematics education. Orlando, USA: Academic Press, Inc. 246p., 1986.

VIANNA, O. A. O Componente Espacial da Habilidade Matemática de Alunos do Ensino Médio e as Relações com o Desempenho Escolar e as Atitudes em Relação à Matemática e à Geometria. Campinas, SP: Faculdade de Educação da UNICAMP. (Tese, Doutorado em Educação), 2005.

Downloads

Publicado

2010-01-01

Como Citar

DOBARRO, V. R.; BRITO, M. R. F. de. Um estudo sobre a habilidade matemática na solução de problemas de Geometria. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 34-46, 2010. DOI: 10.26843/rencima.v1i1.3. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/3. Acesso em: 5 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos