As estratégias didáticas com alunos autistas: as experiências de professores de Ciências e especialistas em educação especial

Palavras-chave: Autismo, Ensino de Ciências, Cadeia Alimentar, Estratégia Didática

Resumo

A inclusão escolar efetiva consiste em um grande desafio para os professores. Em se tratando de alunos com o Transtorno do Espectro Autista (TEA), os nuances das manifestações exigem ainda mais múltiplas competências do professor. Considerando tal problemática, este trabalho apresenta as estratégias didáticas que os professores de ciências utilizam com o conteúdo “Cadeia Alimentar” e as recomendações dos especialistas do atendimento educacional especializado, para um trabalho mais efetivo na disciplina de Ciências. O levantamento destas informações foi realizado de forma remota, com uso de um formulário eletrônico (google forms) enviado pelo aplicativo whatsapp. O estudo contou com a participação de 41 profissionais da educação básica do estado do Pará que relataram diversas experiências e orientações para o ensino de ciências com alunos autistas. A tarefa de ensinar alunos com TEA exige trabalho colaborativo, conhecimento, competência, habilidade por parte dos professores para conduzirem uma experiência de ensino mais efetiva. Portanto, conclui-se que a inserção de novas estratégias no ensino de ciências, com crianças que apresentam deficiência no ensino regular, é uma ação possível de ser concretizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

ARAÚJO, P.C.V.; LINHARES, T.C. A inclusão escolar: breve histórico e alguns apontamentos para a prática do professor. Revista Paidéia, v. 11, n. 17, p. 35-59, 2016.

BOGÉA, T.P.; ARAÚJO, A.; SILVA, A.A.S.; MELO, J.V.; ROCHA, R.F.T.; SANTOS, L.L.P. O jogo educativo “caça-piolhos”: Como prevenir a pediculose brincando. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 1, p. 189-201, 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988.

BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: COPDE. 1994.

BRASIL. Educação Inclusiva: atendimento educacional especializado para a deficiência mental. [3. Ed.] / Cristina Abranches Mota Batista, Maria Teresa Egler Mantoan – Brasília: MEC, SEESP, 2007.

BRASIL. Lei Federal n° 12.764. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. 2012.

BRASIL. Lei nº 13. 146. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência), Brasília, DF, 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Brasília: D.O.U., 96, 2016.

CAMPOS, V.; PICCINATO, R. Autismo: do diagnóstico ao tratamento; as melhores orientações sobre o universo autista. Bauru, SP: Alto Astral, 2019.

CARNEIRO, M. A. O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns: Possibilidades e limitações. Petrópolis: Vozes, 2013.

CARVALHO, R. E. Escola Inclusiva: a reorganização do trabalho pedagógico. Porto Alegre: Mediação, 2008.

CESAR, K.K.F.A.; OLIVEIRA, L.A. de; ARAÚJO, L.G.; SOARES, R.M.L.F; SOARES, C.R.G. Materiais didáticos para o ensino aprendizado de alunos com autismo do ensino fundamental em escola pública. Experiências em Ensino de Ciências, v. 15, n. 2, p. 597-604, 2020.

CONDERMAN, G.; BRESNAHAN, V.; PEDERSEN, T. Purposeful co-teaching: real cases and effectives strategies. California: Corwin Press: Thousand Oaks, 2009.

CUNHA, E. Autismo e Inclusão: Psicopedagogia e Práticas Educativas na escola e na família. Rio de Janeiro: Wak, 2014.

CUNHA, E. Autismo na escola: um jeito diferente de aprender, um jeito diferente de ensinar – ideias e práticas pedagógicas. 4 ed. Rio de Janeiro: Wak. Editora, 2017.

DEIMLING, N. N. M; MOSCARDINI, S, F. Inclusão escolar: política, marcos históricos, avanços e desafios. Revista on line de Política e Gestão Educacional, n. 12, p. 3-21, 2012.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP). Micro dados do Censo Escolar 2018. Brasília, DF: MEC/INEP.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP). Micro dados do Censo Escolar 2019. Brasília, DF: MEC/INEP.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos metodologia científica. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MALUF, A. C. M. Brincar: prazer e aprendizado. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

MANTOAN, M.T.E. A hora da virada. Inclusão: Revista da Educação Especial. Brasília, v. 1, n. 1, p. 24-28, 2005.

MANTOAN, M. T. Direito de Ser, sendo diferente, na escola. In: RODRIGUES, D (org). Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2018.

MANTOAN, M.T.E. Inclusão Escolar: o que é? Poe quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MANTOAN, M.T.E. Inclusão Escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Summuus, 2015.

MINETTO, M. F. O currículo na educação inclusiva: entendendo esse desafio. 2ª ed. Curitiba: IBPEX, 2008.

MOREIRA, M. A. Teorias de Aprendizagem. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária Ltda, 1999.

NUNES, C., MADUREIRA, I. Desenho Universal para a Aprendizagem: Construindo práticas pedagógicas inclusivas. Da Investigação às práticas, v. 5, n. 2, p. 126-143, 2015.

OLIVEIRA, A.M.de; STROHSCHOEN, A.A.G. A importância da ludicidade para inclusão do aluno com transtorno do espectro autista (TEA). Revista eletrônica Pesquiseduca, v. 11, n. 23, p. 127-139, 2019.

ORRÚ, S.E. Autismo, Linguagem e Educação: interação social no cotidiano escolar. Rio de janeiro: Wak Ed., 2009.

PRIETO, R. G. Atendimento escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação no Brasil. In: MANTOAN, M. T. E.; PRIETO, R. G. Inclusão escolar: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2006.

RODRIGUES, A.S.; CRUZ, L.H.C. Desafios da inclusão de alunos com transtorno do espectro autista (TEA) no ensino de Ciências e Biologia. Revista Eletrônica Pesquiseduca, v. 11, n. 25, p. 413-425, 2019.

SALDANHA, A. E. O jogo com crianças autistas. Lisboa: Coisa de Ler, 2014.

SILVA, M. A. A. DA; FERREIRA, L. G.; SILVA, J. G. DA. A ludicidade e/ou lúdico no ensino de Química: uma investigação nos trabalhos apresentados no Eneq. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 4, p. 39-57, 22 jul. 2020.

SILVA, M. R.; CAMARGO, E. P. O atendimento educacional especializado e o ensino de Física para alunos com deficiência visual: um olhar à luz das legislações brasileira e do estado de São Paulo. Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC. Águas de Lindóia, SP, 2015.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

WALTHER-THOMAS, C.; BRYANT, M.; LAND, S. Planning for effective co-teaching: The key to successful inclusion. Remedial and Special Education, v. 17, n. 4, p. 255-264, 1996.

Publicado
2021-09-30
Como Citar
GOMES, T. H.; SILVA DE OLIVEIRA, G. As estratégias didáticas com alunos autistas: as experiências de professores de Ciências e especialistas em educação especial. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 4, p. 1-18, 30 set. 2021.
Seção
Artigos Gerais