As faces e o lugar do vilão cientista em olhares sobre o ensino de Ciências

Palavras-chave: Vilania, Ficção Científica, Filmes no Ensino, Década de 2010

Resumo

A evolução das plataformas tecnológicas de ensino, e sua constante utilização pela escola e academia exigem um novo olhar sobre as mídias de entretenimento. Heróis e anti-heróis são (re)produzidos em multimídias do audiovisual. O presente artigo apresenta questões de ensino de ciências relacionadas a filmes que a tematizam, entendendo que este novo olhar para o potencial midiático no ensino pode se valer de imagens, ações, diálogos e marcas do vilão e da vilania que ele pratica. Assim, os objetos de estudo são o vilão e a vilã cientista, no desenvolvimento de uma breve reflexão das suas nuances históricas, partindo para a discussão de traços da vilania que ensejam faces de um personagem que tem a ciência como aliada. O objetivo do estudo é ampliar a via de ultrapassagem do modelo de uso de filmes em processos de ensino e aprendizagem que privilegia o herói protagonista e invisibiliza a ciência contida no vilão

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRÃO, B. S. História da mitologia grega. São Paulo: Hunter Books, 2016.

ALCÂNTARA, A.; LIMA, G. Categorias para o uso educativo de filmes com elementos científicos e tecnológicos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 85-104, 2019.

ASIMOV, I. No mundo da ficção científica. Tradução de Thomaz Newlands Neto. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1984.

BACON, F. New Atlantis. In: BACON, F; WICKERS, B. Major Works. EUA-New York: Oxford University Press, 2002.

BERK, A.; ROCHA, M. Filmes Utilizados no Ensino de Ciências e as Possibilidades de Discussões sobre a Ciência. Acta Scientiae, Canoas, v. 20, n. 4, p. 520-535, 2018.

BLAGROVE, et al. Negative Triangles: Simple Geometric Shapes Convey Emotional Valence. Emotion, v. 12, n. 1, p. 18-22, 2012.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, n. 22, p. 89-100, 2003.

CHASSOT, A. A Ciência como instrumento de leitura para explicar as transformações da natureza. [Entrevista concedida a IHU on line] IHU on line - Revista do Instituto Humnitas Unisinos, São Leopoldo, n. 206, nov. 2006.

DUBY, G. As três ordens - ou o imaginário do feudalismo. Lisboa: Estampa, 1994.

ECA-USP (Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo). Livro ilustrado de ciências: usando o universo dos super-heróis da DC Comics e da Marvel para ensinar ciências. In: Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, v.3; 2015, São Paulo. Anais Eletrônicos das Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos. São Paulo, Universidade de São Paulo, 2015.

EVANS, S. Ambivalent Modernity: Scientists in Film and the Public Eye. EUA-Michigan: Proquest, Umi Dissertation Publishing, 2011.

FERREIRA, K. A. A.; OLIVEIRA, L. M. A física e os super-heróis: uma combinação poderosa. Revista de Extensão da UNIVASF, v. 6, n. 1, p. 5-9, 2018.

FLICK, E. Between brains and breasts - women scientists in fiction film: on the marginalization and sexualization of scientific competence. Public Understand Sci, n. 12, p. 307-318, 2003.

GAIMAN. N. Mitologia nórdica. Edmundo Barreiros (trad.) Rio de Janeiro: Intrínseca, 2018.

GEORGE, S. Science fiction film: nineteenth and twentieth centuries. In: REID, R. A. Women in science fiction and fantasy. EUA-Westport: Greenwood, 2008.

GINWAY, M. E. Brazilian Science Fiction: Cultural Myths and Nationhood in the Land of the Future Lewisburg. EUA-Pensilvânia: Bucknell UP, 2004.

GRAVES, R. The greek myths. Londres: Penguin, 1960.

GRUNZKE, A.L. Is There a Doctor in the House? The Evolution of Van Helsing and Frankenstein as Intellectual Archetypes, 1931-1975. In: Educational Institutions in Horror Film. EUA-New York: Palgrave Macmillan, 2015.

HABERMAS, J. Teoria do agir comunicativo - sobre a crítica da razão funcionalista. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

HAYNES, R. From Faust to Strangelove: representations of the scientist in western literature. EUA-Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1994.

JOURDAN, C. A. Morrer e viver em um mar de "monstros: o imaginário helênico sobre a morte no mar (séculos VIII-IV a.C.). 2019. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense. Niterói

KEPLER, J. Somnium, Seu Opus Posthumum de Astronomia Lunari. Sagani Silesorium, n.1, 1634, p. 1-28.

LA ROCQUE, L.; TEIXEIRA, L. A. Frankenstein, de Mary Shelley, e Drácula, de Bram Stoker: gênero e ciência na literatura. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 8, n. 1, p. 11-34, 2001.

LÉVY, P. Cibercultura. Carlos Irineu da Costa (trad.). São Paulo: Editora 34, 2009.

LODI-RIBEIRO, G. Representações da ciência em narrativas de ficção científica. In: II Encontro de Ficção Científica e Ensino de Ciências, Rio de Janeiro, 2020. Plataforma Youtube (2h14min). Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=xA3h44PFDBM, Acesso em 07Jan.2021.

MONTGOMERY, K. Margaret Cavendish’s The Blazing World (1666), Early Modern Feminism, and Female Friendships. EUA-Ohio: Ohio State University, 2016.

MORAES, H. Conversão pela ciência: a questão religiosa na Nova Atlântida, de Francis Bacon. Revista Expedições, v. 7, n.1, p. 39-57, 2016.

RIBEIRO, J. L. P. O Sonho de Johannes Kepler: uma tradução do primeiro texto de hard sci-f. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 40, n. 1, 2018.

SAER, J. J. O conceito de ficção. FronteiraZ, n. 8, p. 1-6, 2012.

SANTOS, B. N.; SAWADA, A. Contextos históricos e sociopolíticos dos Mangás e Animês e sua potencialidade no ensino. In: BUENO, A.; CREMA, E.; MARIA NETO, J. (org.). Ensino de história e diálogos Transversais. Rio de Janeiro: Sobre Ontens/UERJ, 2020, p. 39-47.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento, 2010.

SHELLEY, M. Franckestein. EUA-San Francisco: Blurb, 2019.

SILVA, L. R. S.; PAULA, G. A. A Ciência dos Super-Heróis: Análise da implementação de estudo interdisciplinar com histórias em quadrinhos em séries do Ensino Médio. In: 63ª Reunião Anual da SBPC; 2011, Goiânia. Anais/Resumos da 63ª Reunião Anual da SBPC - ISSN 2176-1221. Goiânia, Sociedade Brasileira de Pesquisa Científica, 2011.

SILVA, A.C. Eletromagnetismo e o anti-herói magneto: uma possível abordagem no Ensino Médio. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 125-135, 2012.

TAKATA, R. Ficção científica ajuda ensino de ciência, desde que haja tempo adequado, infraestrutura e articulação curricular. ComCiência, n. 190, 2017.

TERZIAN, S.; GRUNZKE, A.L. Scrambled eggheads: Ambivalent representations of scientists in six Hollywood film comedies from 1961 to 1965. Public Understanding of Science, v. 16, n. 4, p. 407-419, 2007.

VERNE, J. Viagem ao centro da Terra. Cláudio Fragata (Trad.). São Paulo: FTD, 2013.

VERNE, J. Vinte mil léguas submarinas. Jandira-SP: Principis. 2019.

Publicado
2021-09-30
Como Citar
BRONZATO, K.; MEIRELLES, R. M. S. DE. As faces e o lugar do vilão cientista em olhares sobre o ensino de Ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 4, p. 1-19, 30 set. 2021.
Seção
Artigos Gerais