A experimentação investigativa na formação de professores a partir da prática como componente curricular

Palavras-chave: Prática de Ensino, Ensino por Investigação, Formação Docente

Resumo

A formação inicial de professores, no âmbito do ensino superior, tem sido muito debatida entre os pesquisadores e um dos aspectos que necessitava ser repensado era como romper com a dicotomia entre a área específica e a área pedagógica nas licenciaturas. Este trabalho visa averiguar, qualitativamente, a evolução da elaboração de planos de aulas voltados ao desenvolvimento de experimentos investigativos, produzidos por acadêmicos do curso de licenciatura em Ciências Biológicas, do Instituto Federal Farroupilha - Campus São Vicente do Sul (IFFar - SVS). Os mesmos construíram 3 planos de aulas, no decorrer da disciplina de Prática enquanto Componente Curricular V (PeCCV), a qual foi organizada a partir dos Três Momentos Pedagógicos (3MP). Os dados foram analisados a partir da Análise de Conteúdo de Bardin (2011). A partir desta análise, observamos a dificuldade dos licenciandos em ultrapassar as barreiras do ensino tradicional, pois ainda concebiam a necessidade de, primeiramente, explicar o conteúdo científico e, na sequência, realizar a parte experimental. Além disso, os acadêmicos apresentaram dificuldades para determinar o “problema” a ser investigado nos experimentos e permitir aos alunos fictícios um espaço para eles elaborarem hipóteses sobre a problemática, de modo que tivessem maior autonomia nas atividades propostas e o professor assumisse a figura de mediador no processo de ensino e aprendizagem de seus educandos. Por fim, constatamos a importância das PeCCs como um espaço de ensino e aprendizagem sobre a docência, onde os acadêmicos possam experienciar e refletir sobre sua prática, bem como sobre diferentes metodologias, estratégias, recursos e abordagens de ensino, como o Ensino por Investigação, explorando o que os constitui como professores

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO, L.; MARCELINO, V.; MACHADO, C. Sequências de ensino investigativas: um desafio na formação inicial de professores de Ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 11, n. 7, p. 360-378, 20 nov. 2020.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo. Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: MEC/SEB, 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Parecer CNE/CES 15, de 2 de fevereiro de 2005. Solicitação de esclarecimento sobre as Resoluções CNE/CP n. º 1/2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível Superior, curso de licenciatura, de graduação plena, e 2/2002, que institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior. Brasília: D.O.U., 2005.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: D.O.U, 2002a.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília: D.O.U., 2002b.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução Nº 13/2014. Define Diretrizes Institucionais Gerais e Diretrizes Curriculares Institucionais da Organização Didático-Pedagógica para os cursos Superiores de Graduação do Instituto Federal Farroupilha e dá outras providências. Instituto Federal Farroupilha - Reitoria. 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília: D.O.U., 2015b.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília: D.O.U, 2019.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP). Relatório Brasil no PISA 2018: versão preliminar. Brasília: D.O.U., 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Projeto Pedagógico do Curso (PPC) do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. Instituto Federal Farroupilha - Campus São Vicente do Sul. 2015.

CAMPOS, M. C. C.; NIGRO, R. G. Didática de ciências: o ensino-aprendizagem como investigação. São Paulo: FTD, 1999.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: CARVALHO, A.M.P. (Org.). Ensino de Ciências por investigação – Condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. Metodologia do ensino de ciências. São Paulo: Cortez, 1994.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. C. A. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

DINIZ-PEREIRA, J. E. As licenciaturas e as novas políticas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade, Campinas, v. 20, n. 68, p. 109 - 125, 1999.

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. RJ: Paz e Terra, 1981.

GONÇALVES, F. P.; BIAGINI, B.; GUAITA, R. I. As Atividades Experimentais na formação inicial de professores de química: permanências e transformações. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS - ENPEC, XI. 2017. Florianópolis. Anais.

KELLY, G. J.; CHEN, C. The sound of music: Constructing science as a sociocultural practice trough oral and written discourse. Journal of Research in Science Teaching, v. 36, n. 8, p. 883- 915, 1999.

MALHEIROS, B. T. Metodologia da Pesquisa em Educação. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

MELO, G. C.; DÁVILA, E. S.; AMESTOY, M. B. A prática enquanto componente curricular na formação de professores de biologia do Instituto Federal Farroupilha - campus São Vicente do Sul: reflexões e possibilidades. In: AMESTOY, M. B.; MACHADO, G. E.; NUÑEZ, M. B. Formação de professores: antigos e novos cenários. Maringá, Paraná: Uniedusul Editora. 2020.

ROSITO, B. A. O ensino de ciências e a experimentação. In: MORAES, Roque (org). Construtivismo e Ensino de Ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. 2.ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003. p. 195-208

SANTANA, R. S.; FRANZOLIN, F. O ensino de ciências por investigação e os desafios da implementação na práxis dos professores. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n.3, p. 218-237, 2018.

SANTOS, M. D.; FRIZON, R. S. Reflexões acerca da formação inicial de professores de química e o papel da experimentação como instrumento pedagógico no ensino. Revista Didática Sistêmica, Rio Grande do Sul, v. 15, n. 2, p. 140 - 154, 2013.

SCARPA, D. L; CAMPOS, N. F. Potencialidades do ensino de Biologia por Investigação. Revista Estudos Avançados, São Paulo, v. 12, 2018.

SILVA, L. H. A.; ZANON, L. B. Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. 1. ed. São Paulo: UNIMEP. 2000

SOUZA, F. L.; AKAHOSHI, L. H.; MARCONDES, M. E. R.; CARMO, M. P. Atividades experimentais investigativas no ensino de química. São Paulo: CETEC, 2013.

SUART, R. C.; MARCONDES, N. E. R. A manifestação de habilidades cognitivas em atividades experimentais investigativas no ensino médio de química. Ciência e Cognição, Rio de Janeiro, vol. 14, n.1, p. 50 - 74. 2009.

ZOMPERO, A. F; LABURÚ, C. E. Atividades investigativas no ensino de ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 13, n. 3, 2011.

Publicado
2021-09-30
Como Citar
CARVALHO DE MELO, G.; KAISER DUTRA, B.; DÁVILA, E. A experimentação investigativa na formação de professores a partir da prática como componente curricular. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 4, p. 1-24, 30 set. 2021.
Seção
Artigos Gerais