Modelagem Matemática na perspectiva sociocrítica: construção de uma usina hidrelétrica na cidade de Itapiranga-SC

Palavras-chave: Modelagem Matemática, Perspectiva Sociocrítica, Educação Matemática, Educação do Campo, Usinas Hidrelétricas

Resumo

O presente relato de experiência objetiva investigar como a Modelagem Matemática pode contribuir para a aprendizagem da matemática e para o desenvolvimento sociocrítico relacionado à construção de uma usina hidrelétrica. A prática foi realizada em uma turma de 2º ano do Ensino Médio de uma escola do campo, localizada em Santa Catarina. O problema modelado pelos estudantes foi “A barragem é uma alternativa vantajosa para o município de Itapiranga? Por quê?”. A escolha da barragem como temática vem ao encontro com as perspectivas da Educação do Campo, objetivando contemplar a demanda dos povos campesinos por um currículo próprio e específico para o campo. No que se refere às conclusões, foi possível constatar que a Modelagem Matemática propiciou um ambiente investigativo, oportunizando que os alunos refletissem sobre as vantagens e desvantagens na construção da usina hidrelétrica na comunidade, do ponto de vista econômico e social, utilizando-se dos conhecimentos matemáticos necessários para contribuir com essa análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, J. C. Integrando Modelagem Matemática nas práticas pedagógicas. Educação Matemática em Revista, São Paulo, v. 26, p. 17-25, 2009.

BARBOSA, J. C. Modelagem Matemática: O que é? Por quê? Como? Veritati, Salvador, v. 4, n. 4, p. 73-80, 2004.

BARBOSA, J. C. Modelagem na Educação Matemática: contribuições para o debate teórico. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 2001, Caxambu. Anais. ANPED. Rio Janeiro, 2001, p. 24.

BASSANEZI, R. Modelagem Matemática. Dynamis, Blumenau, v. 2, n. 7, p. 55-83, 1994.

BIEMBENGUT, M. S. Modelagem matemática & implicações no ensino-aprendizagem de matemática. Blumenau: FURB, 1999.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Educação Matemática do Campo - Alfabetização matemática. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, Brasília, 2014.

BRASIL. Resolução CNE/CEB 1: Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Brasília: Conselho Nacional de Educação e Câmara de Educação Básica, 2002.

CAMPOS, A. B.; KISTEMANN, Jr. Uma proposta de Educação Financeira com Jovens Indivíduos Consumidores. BoEM, Joinville, v. 4, n. 7, p. 211-233, 2016.

CARDOZO, D.; POSSAMAI, J. Resolver e investigar: possibilidades para o ensino de funções exponenciais. REnCiMa, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 164-183, 2019.

DALFOVO, M. S.; LANA, R. A.; SILVEIRA, A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v. 2, n. 4, p .01-13, 2008.

DALLA VECHIA, R. A Modelagem Matemática e a Realidade do Mundo Cibernético. 2004. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2004.

FIOREZE, L. A. Atividades digitais e a construção dos conceitos de proporcionalidade: uma análise a partir da teoria dos campos conceituais. 2010. Tese (Doutorado em Informática na Educação) - Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.

HERMINIO, M. H. G. B.; BORBA, M. de C. A noção de interesse em projetos de modelagem matemática. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 12, n. 1, 2010.

KLÜBER, T. E.; BURAK, D. Concepções de modelagem matemática: contribuições teóricas. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 10, n. 1, 2008.

LIMA, A. S.; LIMA, I. M. S. Educação Matemática e Educação do Campo: desafios e possibilidades de uma articulação. EM TEIA- Revista da Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, Recife, v. 4, n. 3, 2013.

LITTIG, J. et al. Modelagem matemática na perspectiva sociocrítica e a teoria da situação didática: identificando aproximações potencializadores da aprendizagem e do desenvolvimento do conhecimento reflexivo. REnCiMa, São Paulo, v. 10, n.1, p. 01-13, 2019.

RIBEIRO, T. G. Modelagem matemática na Educação do Campo: um olhar para os saberes locais. 2020. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação do Campo) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

SILVA, C.; KATO, L. A. Quais elementos caracterizam uma atividade de Modelagem Matemática na perspectiva sócio-crítica? Bolema, Rio Claro (SP), v. 26, n. 43, p. 817-838, 2012.

SKOVSMOSE, O. Cenários para Investigação. BOLEMA, Rio Claro, n. 14, p. 66-91, 2000.

SKOVSMOSE, O. Educação Matemática Crítica: a questão da democracia. 4a. ed. Papirus: São Paulo, 2008.

SKOVSMOSE, O. Reflective knowledge: its relation to the mathematical modelling process. International Journal of Mathematical Education in Science and Technology, London, v. 21, n. 5, p. 765-779, 1990.

Publicado
2021-03-01
Como Citar
RAMBO, P.; FIOREZE, L. Modelagem Matemática na perspectiva sociocrítica: construção de uma usina hidrelétrica na cidade de Itapiranga-SC. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 2, p. 1-25, 1 mar. 2021.
Seção
Artigos Gerais