Concepções de biodiversidade para futuros professores de Ciências da Natureza

Palavras-chave: Diversidade Biológica, Termo Estruturante, Formação de Professores

Resumo

O conceito biodiversidade tem-se propagado no âmbito científico e social devido às discussões sobre preservação e conservação ambiental. Na formação de professores de Ciências e Biologia, podemos destacar que essa ideia aparece em todas as disciplinas, sendo, portanto, um termo estruturante. Isto posto, categorizamos esse conceito sob três perspectivas: ecológica, biocultural e biocêntrica, que organizaram a análise das concepções do conceito de futuros professores da Licenciatura Interdisciplinar em Ciências da Natureza (LICNT), da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), uma graduação baseada nas metodologias ativas. Aplicamos dez entrevistas para os discentes ativos do curso. As interpretações foram feitas a partir dos referenciais da Análise de Conteúdo de Bardin. Os resultados apontaram uma prevalência do termo em uma perspectiva ecológica, normalmente abordada nos livros didáticos das áreas técnicas da Biologia, havendo reduzida influência de fatores socioculturais e biocêntricos. Inferimos que essa tendência ecológica pode ser influenciada pela concepção de formação construída pelos docentes do curso, a qual contempla a Biologia como uma área técnica e neutra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBIERI, E. Biodiversidade: a variedade de vida no planeta terra. APTA. São Paulo, p1-19, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRANDÃO, C. R. A pesquisa em biodiversidade. Olhares sobre os diferentes contextos da biodiversidade: pesquisa, divulgação e educação, p. 8-12, 2010.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. A Convenção sobre diversidade biológica (CDB). Cópia do Decreto Legislativo, Decreto nº 2.519, n. 2, p. 30, 2000.

DIEGUES, A. C. (Org.) et al. Os saberes tradicionais e a biodiversidade no Brasil. São Paulo: MMA/COBIO/NUPAUB/USP, 211 p. 2000.

DIEGUES, A. C. S. Mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec. 2008.

FONSECA, M. de J. da C. et al. A biodiversidade e o desenvolvimento sustentável nas escolas do ensino médio de Belém (PA), Brasil. Educação e Pesquisa, v. 33, n. 1, p. 63-79, 2007.

FRANCO, J. L. de A. O conceito de biodiversidade e a história da biologia da conservação: da preservação da wilderness à conservação da biodiversidade. História (São Paulo), v. 32, n. 2, p. 21-48, 2013.

GIL, A. C. et al. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA, 2006.

INGOLD, T. Humanidade e animalidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 28, n. 10, p. 39-53, 1995.

JUNGES, J. R. Ética Ecológica: antropocentrismo ou biocentrismo? Perspectiva Teológica, v. 33, n. 89, p. 33, 2001.

KATO. D. S. Apresentação: PROFB – Observatório da educação para biodiversidade e a caravana da diversidade: experiências de pesquisa no formato de Bionarrativas Sociais (BIONAS). In: KATO, Danilo Seithi (Org.). BIONAS: para formação de professores de Biologia. São Paulo, LF editora, 2020.

KAWASAKI, C. S.; OLIVEIRA, L. B. Biodiversidade e educação: as concepções de biodiversidade dos formadores de professores de biologia. Atas do IV Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Baurú, SP, 2003.

LÉVÊQUE, C. A biodiversidade. Edusc, 1999.

MARÍN, J. Globalização, educação e diversidade cultural. Tellus, n. 11, p. 35-60, 2014.

MARÍN, Y. A. O. et al. O ensino da biodiversidade: tendências e desafios nas experiências pedagógicas. Góndola, enseñanza y aprendizaje de las ciencias, v. 12, n. 2, p. 173-173, 2017.

MATOS, D. A. S.; JARDILINO, J. R. L. Os conceitos de concepção, percepção, representação e crença no campo educacional: similaridades, diferenças e implicações para a pesquisa. Educação & Formação, v. 1, n. 3, p. 20-31, 2016.

MELAZO, G. C. Percepção ambiental e educação ambiental: uma reflexão sobre as relações interpessoais e ambientais no espaço urbano. Olhares & Trilhas, v. 6, n. 1, 2005.

MOTOKANE, M. T.; KAWASAKI, C. S.; OLIVEIRA, L. B. Por que a biodiversidade pode ser um tema para o ensino de ciências. Olhares sobre os diferentes contextos da biodiversidade: pesquisa, divulgação e educação. São Paulo: GEENF/FEUSP/INCTTOX, p. 30-60, 2010.

OLIVEIRA, V. S. S. Ecofeminismo e o ensino de biologia: sexismo e especismo nas falas de estudantes veganas. 2020. 90 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2020.

PAGAN, A. A. Biologia para o autoconhecimento: algumas considerações autobiográficas. XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências–XI ENPEC. Universidade Federal de Santa Catarina, v. 3, p. 1-9. 2017.

PAGAN, A. A. O ser humano do Ensino de Biologia: uma abordagem fundamentada no autoconhecimento. Revista Entreideias: educação, cultura e sociedade, v. 7, n. 3, 2018.

PAGAN, A. A. Entre o bélico e o diplomático. Revista Sergipana De Educação Ambiental, v. 7, n. Especial, p. 1-19, 2020.

PRIMACK, R. B.; RODRIGUES, E. Biologia da conservação. In: Biologia da conservação. 2006.

ROEDEL, S. C. da S.; BRANCO, A. B. de G.; NAGASHIMA, L. S. O mito da ciência como verdade absoluta e a perspectiva apresentada por licenciandos em ciências biológicas. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 6, p. 287-300, 2019.

ROWLAND, G. Towards a nem biology curriculum. Journal of Biology Education. V.40, n. 3, p. 99-101, 2007.

SANTOS, B. B.; CAMPOS, L. M. L. Plantas medicinais na escola: uma experiência com estudantes dos anos iniciais do ensino fundamental. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 5, p. 271-200, 2019.

SOUZA, M. F. de; DE BRITO, M. D. Identificando a biodiversidade local: uma proposta de ensino interligando estudantes, tecnologia e meio ambiente. Revista Brasileira de Educação Ambiental (REVBEA), v. 7, n. 2, p. 62-66, 2012.

STOPPA, T.; VIOTTO, T. B. Antropocentrismo x biocentrismo: um embate importante. Revista Brasileira de Direito Animal, v. 9, n. 17, 2014.

TOLEDO, V. M.; BARRERA-BASSOLS, N. A memória Biocultural: a importância ecológica das sabedorias tradicionais. Tradução de Rosa L. Peralta. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

TAYLOR, P. W. Respect for nature: A theory of environmental ethics. Princeton University Press, 2011.

TÔRRES, D. F. et al. Levantamento etnoecológico da biodiversidade da península de Galinhos, Rio Grande do Norte. In: 8 CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL. 2007.

VANUCHI, V. C. F. et al. Oficina temática “Tintas Indígenas”: ensino de Ciências por meio da temática “indígena”. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 5, p. 253-270, 2019.

VECCHIA, A. D. Significado do conhecimento pedagógico biocêntrico: o bem, enquanto desejável, explica a causalidade final. Revista Pensamento Biocêntrico, n. 12, 2009.

VINUTO, J. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, v. 22, n. 44, 2014.

WILSON, E. O. Diversidade da vida. Editora Companhia das Letras, 2012.

Publicado
2021-09-30
Como Citar
SANTOS, E.; SANTOS, S. S.; PAGAN, A. Concepções de biodiversidade para futuros professores de Ciências da Natureza. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 4, p. 1-25, 30 set. 2021.
Seção
Artigos Gerais