Os conceitos estruturantes de foreground sob as lentes da pesquisa brasileira

Palavras-chave: Foreground, Estudantes, Pesquisas Brasileiras, Conceitos Estruturantes

Resumo

Este trabalho guiou-se pelo objetivo de investigar os conceitos estruturantes de foreground desenvolvidos nas pesquisas brasileiras, quando da investigação da estruturação do foreground de estudantes. É no campo da Educação Matemática Crítica (EMC), base teórica deste estudo, que o conceito de foreground é colocado em tela no âmbito da educação, referindo-se aos desejos e expectativas que os indivíduos criam, à forma como cada um vê o seu futuro. Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo, desenvolvido por meio de um estudo bibliográfico de caráter exploratório, tomando como foco de análise publicações de teses e dissertações brasileiras até o ano de 2020. A análise de dados foi desenvolvida através da Análise Textual Discursiva. Como resultados da análise do material selecionado, destaca-se a compreensão do conceito de foreground a partir de intenções, motivos e significados, de possibilidades e obstáculos do contexto social e de atribuição de características.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APOLINÁRIO, Vladinei G. A escola, o foreground do estudante e a matemática: o que dizem as pesquisas em educação. 2021. 110f. Dissertação. (Mestrado em Educação) Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões. Frederico Westphalen, 2021.

BIOTTO FILHO, Denival. Quem não sonhou em ser um jogador de futebol? trabalho com projetos para reelaborar foregrounds. 2015. 234f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista. São Paulo, 2015.

BRITO, Valéria. Um convite à pesquisa: epistemologia qualitativa e psicodrama. In: MONTEIRO, André Maurício; MERENGUÉ, Devanir; BRITO, Valéria. Pesquisa qualitativa e psicodrama. São Paulo: Ágora, 2006.

CAMPOS, Ilaine da Silva. Alunos em ambientes de modelagem matemática: caracterização do envolvimento a partir da relação com o background e o foreground. 2013. 204f. Dissertação (Mestrado em Educação: Conhecimento e Inclusão Social) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2013.

D'AMBRÓSIO, Ubiratan. Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. São Paulo: Ática, 1990.

DINIZ, Amanda M. R. Os foregrounds de estudantes quilombolas e suas intenções em aprender matemática. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática e Tecnológica) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2019.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. 3.ed. rev. e ampl. Ijuí: Unijuí, 2016.

REIS, Jaqueline Ferreira dos. Etnomatemática, educação matemática crítica e pedagogia dialógico-libertadora: contextos e caminhos pautados na realidade sociocultural dos alunos. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez Editora, 2007.

SANTOS, Boaventura de Souza. Um discurso sobre as ciências. 10. ed. Porto: Edições Afrontamento, 2013.

SKOVSMOSE, Ole. Towards a philosophy of critical mathematics education. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1994.

SKOVSMOSE, Ole. Travelling through education: uncertainty, mathematics responsibility. Rotterdam: Sense Publishers, 2005.

SKOVSMOSE, Ole. Foreground dos educandos e a política de obstáculos para aprendizagem. In: RIBEIRO, José Pedro Machado et al. (Orgs.). Etnomatemática: papel, valor e significado. 2.ed. Porto Alegre: Zouk, 2006.

SKOVSMOSE, Ole. Educação crítica: incerteza, matemática, responsabilidade. São Paulo: Cortez, 2007.

SKOVSMOSE, Ole. Desafios da reflexão em educação matemática crítica. Campinas: Papirus, 2008. (Coleção Perspectivas em Educação Matemática).

SKOVSMOSE, Ole et al. “Antes de dividir temos que somar”: ‘entre-vistando’ foregrounds de estudantes indígenas. Bolema, Rio Claro, v.34, p. 237-262, 2009.

SKOVSMOSE, Ole. An invitation to critical mathematics education. Rotterdam: Sense Publishers, 2011.

SKOVSMOSE, Ole. Students’ foregrounds: Hope, despair, uncertainty. Pythagoras, v. 33, n. 2, 2012.

SKOVSMOSE, Ole. Um convite à educação matemática crítica. Campinas: Papirus, 2014a.

SKOVSMOSE, Ole. Foregrounds: opaque stories about learning. Boston, EUA: Sense Publishers: 2014b.

SKOVSMOSE, Ole. Interpretações de significado em educação matemática. Bolema, Rio Claro, v. 32, n. 62, p. 764-780, dez. 2018.

STINSON, David W. Matemática como “guardião do portão”: três perspectivas teóricas que visam capacitar todas as crianças com a chave do portão. The Mathematics Educator, v.14 p. 8-18, Georgia, 2004.

TESSARO, Mônica. Jovens olhares sobre a escola: vivências dos processos educativos a partir do background e do foreground, Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), Chapecó, 2018.

TESSARO, Mônica; BERNARDI, Luci. S. O futuro pode ter muitos nomes: significando o foreground. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 15, n. 36, p. 415-432, 2019.

TORISU, Edmilson Minoru. Motivos para participação em tarefas investigativas na aula de matemática: uma análise a partir dos backgrounds e dos foregrounds de um grupo de estudantes do Ensino Fundamental. Bolema [online]. 2018, vol.32, n.61, p.549-569, 2018.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013.

Publicado
2021-06-06
Como Citar
APOLINÁRIO, V.; BERNARDI, L. T. Os conceitos estruturantes de foreground sob as lentes da pesquisa brasileira. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 3, p. 1-20, 6 jun. 2021.
Seção
Artigos Gerais