Categorização de níveis de explicitação de conhecimentos construídos por estudantes na aprendizagem de conceitos de Física: pressupostos teóricos de um instrumento analítico

Palavras-chave: Aprendizagem em Física, Níveis de Explicitação, Representações

Resumo

No intuito de contribuir com a linha de pesquisa que busca alternativas para compreender o processo de aprendizagem de Física em domínios e momentos específicos do processo instrucional, este trabalho propõe um instrumento analítico inovador para categorizar níveis de explicitação de conhecimentos construídos e manifestados pelo estudante a partir de procedimentos e declarações. Para tanto, alicerça-se em especificidades da aprendizagem em Física e na articulação de pressupostos teóricos da Teoria dos Campos Conceituais e do modelo de Diversidade Representacional com o modelo original de Redescrição Representacional, a fim de enfatizar as atribuições das representações para atividades cognitivas e para a realização de procedimentos e declarações relacionados ao conhecimento de objetos de aprendizagem da Física. Com essa articulação, o trabalho oferece um instrumento analítico que direciona para o fato de que a apropriação do objeto de aprendizagem ocorre de maneira gradativa e está relacionada à proficiência em procedimentos, coordenação de representações e ao domínio declarativo e acesso consciente aos próprios conhecimentos. O instrumento analítico, nas bases teóricas escolhidas, colabora com as pesquisas educacionais que investigam desenvolvimentos conceituais e pode ser adaptado para contribuir com as avaliações contínuas em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BONI, K. T. 2019. Reestruturação do modelo de Redescrição Representacional para a categorização de níveis de explicitação de conhecimentos construídos por estudantes em aprendizagem de composição vetorial de forças. 2019. 265 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina. Londrina.

BONI, K. T.; LABURÚ, C. E. Conceitualização e metacognição em Ciências e Matemática: pressupostos teóricos de um instrumento analítico. Amazônia, Belém, v. 14, n. 29, p.177-192, jan./jun. 2018.

BZUNECK, J. A. Conceito e funções dos esquemas cognitivos para a aprendizagem: implicações para o ensino. Semina: Ciências Sociais e Humanas, v. 12, n. 3, p. 142-145. 1991.

CHANDLER, D. Semiotics for beginners. Oxford: Routledge, 2004.

DUVAL, R. Semiósis e pensamento humano: registros semióticos e aprendizagens intelectuais. 1. ed. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2009.

DUVAL, R. Registros de representação semiótica e funcionamento cognitivo do pensamento. Revista Eletrônica de Educação Matemática, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. 266-297. 2012.

ECO, H. Tratado geral de semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2003.

ERTMER, P.; NEWBY, T. The expert learning: strategies, self-regulated and reflective. Instructional Sciencem, v. 24, p. 01-24. 1996.

KARMILOFF-SMITH, A. Más allá de la modularidad: la ciencia cognitiva desde la perspectiva del desarrollo. Madrid: Alianza Editorial, 1994.

KARMILOFF-SMITH, A. Dos meta-processos ao acesso consciente: evidência a partir de dados metalinguísticos e de reparo produzidos por crianças. Cadernos de Educação, Pelotas, v. 35, p. 407-483, jan/abr. 2010.

LABURÚ, C. E.; SILVA, O. H. M. Multimodos e múltiplas representações: fundamentos e perspectivas semióticas para a aprendizagem de conceitos científicos. Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 7-33, mar. 2011.

MORTIMER, E. F.; et al. Interações entre modos semióticos e a construção de significados em aulas de ensino superior. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v.16, n.3, p. 121-145, set/dez. 2014.

OLIVEIRA, R. M. L. O que revelam os textos das crianças: atividades metalinguísticas na escrita infantil. 2009. 213 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Ceará. Ceará. 2009.

PLAISANGE, E.; VERGNAUD, G. As ciências da educação. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

PRAIN, V.; WALDRIP, B. Na exploratory study of teacher’s and students’ use of multi-modal representations of concepts in primary Science. International Journal of Science Education, Abingdon, v. 28, n. 15, p. 1843-1866. 2006.

RADFORD, L.; EDWARDS, L.; ARZARELLO, F. Introduction: beyond words. Educational Studies in Mathematics, v. 70, n. 2, p. 91-95. 2009.

VERGNAUD, G. La théorie des champs conceptuels. Recherches em Didactique des Mathématiques, v. 10, n. 23, p. 133-170. 1990.

VERGNAUD, G. Atividade humana e conceituação. Porto Alegre: Comunicação Impressa, 2008.

VERGNAUD, G. A criança, a matemática e a realidade: problemas do ensino da matemática na escola elementar. Curitiba: Editora da UFPR, 2009.

VERGNAUD, G. O que é aprender? Por que Teoria dos Campos Conceituais? In: GROSSI, E. P. (Org.). O que é aprender? O iceberg da conceitualização Teoria dos Campos Conceituais TCC. Porto Alegre: GEEMPA, 2017.

Publicado
2021-09-30
Como Citar
BONI, K.; LABURÚ, C.; SILVA, O. Categorização de níveis de explicitação de conhecimentos construídos por estudantes na aprendizagem de conceitos de Física: pressupostos teóricos de um instrumento analítico. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 4, p. 1-25, 30 set. 2021.
Seção
Artigos Gerais