O uso de simuladores virtuais educacionais e as possibilidades do PhET para a aprendizagem de Física no Ensino Fundamental

Palavras-chave: Ensino de Física, Simuladores Virtuais, Metodologias Alternativas, Aprendizagem Significativa

Resumo

Diante do cenário atual desfavorável do ensino de Física na Educação Básica brasileira, novas estratégicas metodológicas são sugeridas para propor uma aprendizagem significativa. O uso de simuladores virtuais educacionais, em especial os disponíveis no Physics Educacional Technology (PhET), se inserem nesse contexto como potencial alternativa para tratar essa questão. Este trabalho tem como objetivos compreender a prática desses simuladores no processo de ensino-aprendizagem (em especial de Física), relacionando-a com teóricos como Ausubel, Freire e Vigotsky, e analisar os temas do currículo abordados nas simulações do PhET para o Ensino Fundamental. Para isso, foi realizada uma revisão bibliográfica exploratória-descritiva a partir de dados da literatura disponíveis no Portal de Periódicos Capes, Google Acadêmico, Scopus e no PhET. Os dados foram interpretados qualitativamente ou representados na forma de tabelas e de agrupamento de palavras-chave. Os resultados mostraram que há uma grande variedade de simuladores disponíveis para o Ensino Fundamental, distribuídos por temas que são trabalhados no currículo. Além disso, verificou-se que a proposta do uso do PhET no ensino de Física está de acordo com o que defendem os teóricos destacados, considerando a evolução conceitual e a aprendizagem significativa da criança frente às constantes transformações socioculturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANTES, A. R.; MIRANDA, M. S.; STUDART, N. Objetos de Aprendizagem no Ensino de Física: Usando simulações de PhET. Revista Física na Escola, v. 11, n. 1, 2010, 27-31.

ARIZA, R. P.; HARES, J.B.S. A epistemologia evolucionista de Stephen Toulmin e o ensino de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 19, 2002, 70-83.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e Retenção de Conhecimentos: uma Perspectiva Cognitiva. Lisboa: Paralelo Editora LTDA, 2002.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. Tradução Eva Nick. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BARBETA, V. B.; YAMAMOTO, I. Desenvolvimento e utilização de um programa de análise de imagens para o estudo de tópicos de Mecânica Clássica. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 24, n. 2, 2002, p. 158-167.

BERNARDI, S. T. Utilização de softwares educacionais nos processos de alfabetização, de ensino e aprendizagem com uma visão psicopedagógica. Revista de Educação do IDEAU, v. 5, n. 10, 2010, 1-15.

BINEK, S. et al. Using computer simulation to aid the interactive learning of physics in secondary education. Physics Education, 53, 5, 055006, 2018.

CARVALHO JUNIOR, J. H. T. O software Modellus aliado a estratégia de ensino: um estudo comparativo do desempenho dos alunos do ensino médio nas aulas de física. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira. Universidade Federal de Alagoas. 2011.

COSTA, M. Simulações computacionais no ensino de física: revisão sistemática de publicações da área de ensino. Comunicação. In: Anais do XIV Congresso Nacional de Educação. Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR, Curitiba, Paraná. 2017.

CUSTÓDIO J. F. et al. Práticas didáticas construtivistas: critérios de análise e caracterização. Tecné, Episteme y Didaxis, n. 33, 2013, 11-35.

DAMASIO, F.; STEFFANI, M. H. A Física nas séries iniciais (2ª a 5ª) do ensino fundamental: desenvolvimento e aplicação de um programa visando a qualificação de professores. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 30, n. 4, 2008, 4503.1-4503.9.

DELIZOICOV, D. La Educación en Ciencias y la Perspectiva de Paulo Freire. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 1, n. 2, 2008, 37-62.

DEMO, P. TICs e educação.

FERREIRA, A. C. R. O uso do simulador PhET no ensino de indução eletromagnética. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Fluminense, Volta Redonda-RJ, 2016.

FILGUEIRA, S. S.; SOARES, M. H. O lúdico no ensino de física: elaboração e desenvolvimento de um minicongresso com temas de física moderna no ensino médio. Experiências em Ensino de Ciências, v. 10, n. 3, 2015, 66-93.

FREIRE, F. M. P.; VALENTE, J. A. Aprendendo para a vida: os computadores na sala de aula. São Paulo: Cortez, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GABRIEL, M. Educ@r: a revolução digital na educação. São Paulo: Saraiva, 2013.

GAMA, T. V.; SANTOS, A. R.; QUEIROZ, S. L.. Estudo de caso e aprendizagem cooperativa: contribuições para o desenvolvimento do pensamento crítico na educação básica. Experiências em Ensino de Ciências, v. 15, n. 2, 1-21, 2020.

GRECA, I. M., SEOANE, E., ARRIASSECQ, I. Epistemological issues concerning computer Simulations in science and their implications for science education. Science & Education, Millsboro, v. 23, 2014, 879-921.

LARA, S. M.; MARTINS, P. L. O. Processo de ensino e aprendizagem escolar: uma análise da prática docente sob o olhar dos educandos. Comunicação. In: Anais do XIV Congresso Nacional de Educação. Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR, Curitiba, Paraná. 2017.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos, para quê? 9. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

LIMA, T. C. S.; MIOTO, R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista katálysis, v. 10, 2007, 37-45.

MACÊDO, J. A. Simulações computacionais como ferramenta auxiliar ao ensino de conceitos básicos de eletromagnetismo: elaboração de um roteiro de atividades para professores do Ensino Médio. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. 2009.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARINHO, S. P. Tecnologia, educação contemporânea e desafios ao professor. In: JOLY, M. C. R. A. (org.). A tecnologia no ensino: implicações para a aprendizagem. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular.

MORAN, J. M. A Educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 2. ed. Campinas: Papirus, 2007.

MORAN, J. M., MASSETTO, M. T., BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediações pedagógicas. Campinas: Papirus, 2012.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Livraria da Física, 2011.

MOREIRA, M. A.; MASINI. E. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 2001.

MULLER, M. G.; ARAÚJO, I. S.; VEIT, E. A. Metodologias Interativas de Ensino na Formação de Professores de Física: um estudo de caso com o método instrução pelos Colegas (Peer Instruction). ALEXANDRIA: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 10, n. 2, 2017, 171-195.

NEIDE, I. G., et. al. Percepções dos professores sobre o uso do software Modellus em uma experiência de modelagem. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 36, n. 2, 2019, 567-587.

NUNES, C.B. Resolução de problemas: uma proposta didática na formação de professores. REnCiMa, v. 5, n. 2,1-17, 2014.

PARANHOS, M. C. R., et al. Metodologias ativas no ensino de física: uma análise comparativa. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa, v. 14, n. 36, 2017, p. 124-131.

PAULA, A. C., et al. Softwares educacionais para o ensino de Física, Química e Biologia. Revista Ciência e Ideias, v. 5, n. 1, 2014, 106-121.

PhET. Physics Educacional Technology.

PRAIS, J. L. S; ROSA V. F. Nuvem de palavras e mapa conceitual: estratégias e recursos tecnológicos na prática pedagógica. Nuances: estudos sobre Educação, v. 28, n. 1, 2017, 201-219.

RIBEIRO, R. J. Game design aplicado em simulações interativas educacionais. 2017. 182 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciência e Tecnologia) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2017.

SENTHILKUMAR, R. Work in Progress: Use of Interactive Simulations in the Active Learning Model in Physics Education for Engineering Students at a College in Oman. IEEE Global Engineering Education Conference (EDUCON). Dubai, United Arab Emirates, 2019, 1359-1362.

SILVA, W. P., et al. Apresentação do Software Educacional ''Vest21 Mecânica''. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 24, n. 2, 2002, p. 221-231.

SOUZA, C. S.; PINEL, H.; MELO, D. C. F. Paulo Freire: o uso crítico sobre as tecnologias na educação. ARTEFACTUM - Revista de Estudos em Linguagem e Tecnologia, v. 16, n. 1, 2018.

TEIXEIRA, A. C.; BRANDÃO, E. J. R. Software educacional: o difícil começo. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 1, n. 1, 2003, p. 1-7.

VERAS, R. S. Simulações digitais com uso do PHET para o ensino e aprendizagem de força e movimento. 76f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Licenciatura em Física. Universidade do Estado do Amazonas. Manaus, 2018.

VIGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Publicado
2021-05-23
Como Citar
ARAÚJO, E.; NASCIMENTO, J. L.; SILVA, J.; ANDRADE, C. O uso de simuladores virtuais educacionais e as possibilidades do PhET para a aprendizagem de Física no Ensino Fundamental. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 3, p. 1-25, 23 maio 2021.
Seção
Artigos Gerais