Fundamentos epistemológicos na pesquisa educacional: possibilidades para o campo da educação em Ciências

Palavras-chave: Enfoques Epistemológicos, Formação de Professores-Pesquisadores, Educação em Ciências

Resumo

Este ensaio reacende a discussão a respeito das correntes epistemológicas na pesquisa em educação. O objetivo é apresentar os aspectos centrais que caracterizam os três principais enfoques epistemológicos vinculados à investigação educacional, a saber: positivismo, fenomenologia e materialismo histórico-dialético. Para tanto, buscou-se elencar a respeito dos mesmos: contexto geral de surgimento; questão matéria-consciência; possibilidade do conhecimento; critério da verdade; principais formulações teóricas; críticas. Outrossim, o texto se propõe a traçar um cenário e exemplo comparativo de investigação no campo da Educação em Ciências em cada perspectiva. Com isso, pretende-se fomentar o debate e a instrumentalização filosófica para a pesquisa na área. As reflexões sinalizam para a necessidade da ampliação da inserção da discussão epistemológica nos cursos de formação de professores seja inicial ou continuada. Indicam ainda, a urgência de se considerar a articulação filosófica e teórico-metodológica como via para as qualidades formal e política das pesquisas a serem desenvolvidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANA, H. G. Positivismo – reabrindo o debate. Coleção Educação Contemporânea. Campinas – SP, Autores Associados, 2007.

CACHAPUZ, A.; PRAIA, J., GIL-PERÉZ, D.; CARRASCOSA, J.; MARTÍNEZ TERRADES, I. A emergência da didáctica das ciências como campo específico de conhecimentos. In: CACHAPUZ, A.; PRAIA, J., GIL-PERÉZ, D.; CARRASCOSA, J.; MARTÍNEZ TERRADES, I. (orgs.). A necessária renovação do ensino de ciências. São Paulo: Cortez, 2005. p.155-195.

CAPALBO, C. Fenomenologia e Educação. Fórum Educacional, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 41-61, jun. 1990.

CAPALBO, C. Fenomenologia e Ciências Humanas. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2008.

CHALMERS, A. F. O que é ciência, afinal? São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.

COSTA, J. C. Augusto Comte e as origens do Positivismo. Revista de História, São Paulo, v. 2, n. 5, p. 81-103, mar. 1951.

COMTE, A. Discurso preliminar sobre o conjunto do positivismo. In: GIANNOTTI, J. A.(org). Comte (Coleção Os Pensadores), 2. Ed., São Paulo: Abril Cultural, 1983. pp. 95-115.

DARTIGUES, A. O que é a fenomenologia? São Paulo: Centauro editora, 2008.

DELLA FONTE, S. S. Considerações sobre o ceticismo contemporâneo a partir da ontologia e gnosiologia marxista. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 101, p. 1525-1542, set./dez. 2007.

DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 2009.

DIONNE, J.; LAVILLE, C. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

ENGELS, F. Natureza geral da dialética como ciência. In: ENGELS, F. A dialética da natureza. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000, p. 34-40.

GAMBOA, S. S. Pesquisa em educação: métodos e epistemologias. 2. ed. Chapecó: Argos, 2012.

GAMBOA, S. S. Tendências epistemológicas: dos tecnicismos e outros “ismos” aos paradigmas científicos. In: FILHO, J. C. S.; GAMBOA, S. S. (org.). Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2013. p. 59-82.

GUIDOTTI, C.; HECKLER, V. Investigação na educação em ciências: concepções e aspectos históricos. Revista Thema, v. 14, n. 3, p. 191-209, 2017.

KONDER, L. O que é a dialética. 28ª ed. 12ª reimp. São Paulo: Brasiliense, 2011.

KOPNIN, P.V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

MARTINS, L. M.; LAVOURA, T. N. Materialismo histórico-dialético: contributos para a investigação em educação. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, v. 34, n. 71, p. 223-239, set./out. 2018.

MARX, K. O método da economia política (Introdução); In: MARX, K. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011, p. 54-64.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11 ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SCHAFF, A. A relação cognitiva, o processo do conhecimento, a verdade. In: SCHAFF, A. História e verdade. São Paulo: Martins Fontes, 1995, p. 65-98.

SILVA, R. F.; ZUCOLOTTO, A. M. Pesquisas sobre o Estado da Arte no Ensino de Ciências e Biologia: um estudo a partir de teses e dissertações. Revista Thema, v. 17, n. 1, p. 221-232, 2020.

SLONGO, I. I. P.; DELIZOICOV, D. Um panorama da produção acadêmica em Ensino de Biologia desenvolvida em programas nacionais de pós-graduação. Investigações em Ensino de Ciências, v. 11, n. 3, p. 323-341, 2006.

TEIXEIRA, P. M. M.; MEGID NETO, J. O Estado da Arte da pesquisa em Ensino de Biologia no Brasil: um panorama baseado na análise de dissertações e teses. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 11, n. 2, p. 521-549, 2017.

TOURINHO, C. C. Fenomenologia e ciências humanas: a crítica de Husserl ao positivismo. Rev. Filos., Aurora, Curitiba, v. 22, n. 31, p. 379-389, jul./dez. 2010.

TOURINHO, C. C. A dupla implicação da epoché e sua relação com o mundo na fenomenologia de Husserl. Philósophos - Revista De Filosofia, Goiânia, v. 21, n. 1, p. 37-58, 2016.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2011.

VAZQUEZ, A. S. Filosofia da Práxis. 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1977.

Publicado
2021-09-30
Como Citar
AVELAR, L.; OLIVEIRA, L.; GENOVESE, C.; PARANHOS, R. Fundamentos epistemológicos na pesquisa educacional: possibilidades para o campo da educação em Ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 4, p. 1-23, 30 set. 2021.
Seção
Artigos Gerais