Matemática na comunidade: um contexto educativo para a aprendizagem social

Palavras-chave: Educação Matemática, Aprendizagem Social, Educação STEM, Aprender a Aprender, Matemática Financeira

Resumo

Este artigo traz um recorte de uma pesquisa desenvolvida no município de Vacaria, no estado do Rio Grande do Sul, onde investigou-se a integração e divulgação de conhecimentos matemáticos na comunidade, a partir de um contexto educativo para a socialização de tais conhecimentos do currículo da Educação Básica, tendo em vista a aprendizagem social e o despertar do interesse dos jovens para uma carreira acadêmica relacionada as áreas de Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática. A abordagem qualitativa de investigação-ação utilizou entrevistas dirigidas à comunidade participante, registros fotográficos com as resoluções das tarefas. As análises permeiam a Base Nacional Comum Curricular e as Demandas Cognitivas na escolha das tarefas. As diferentes formas de aprender a aprender Matemática, a mobilização, o interesse, o compartilhamento dos conhecimentos foi verificado; as diferentes formas de resoluções e de raciocínio matemático empregado perante as tarefas apresentadas. As evidências apontam que os conhecimentos que envolvem a Matemática Financeira estão muito presentes nas atividades sociais e profissionais da comunidade como um exercício de memória empregando algoritmos de Aritmética, porém, os conhecimentos relacionados ao desenvolvimento do pensamento algébrico ofereceram alguns empecilhos na compreensão da simbologia algébrica e, ainda, destacamos a importância da escola sobre o desenvolvimento de competências básicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas Ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 1998.

BECKER, K.; PARK, K. Effects of integrative approaches among science, technology, engineering, and mathematics (STEM) subjects on students’ learning: A preliminary metaanalysis. In: Journal of STEM Education, v. 12, n. 5, 2011.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. MEC, 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. MEC, 2018.

BRASIL. Programa Ciência na Escola: sobre o programa. Brasília, DF, 2019.

BREINER, J. M. et al. What Is STEM? A Discussion About Conceptions of STEM in Education and Partnerships. In: School Science and Mathematics, v. 112, n. 1, p. 3-11, jan. 2012.

BYBEE, Rodger. Advancing STEM education: a 2020 vision. Technology and Engineering Teacher, v. 70, n. 1, p. 30-35, set. 2010.

CACHAPUZ, A.; SÁ-CHAVES, I.; PAIXÃO, F. Saberes Básicos de todos os cidadãos no século XXI. Lisboa, CNE, 2004.

CURY, H. N. Análise de erros: o que podemos aprender com as respostas dos alunos. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

D'AMBROSIO, U. A Metáfora das Gaiolas Epistemológicas e uma Proposta Educacional. Revista Perspectivas da Educação Matemática. INMA/UFMS – v. 9, n. 20 – Ano 2016.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. 2ed. São Paulo: Cortez Elabore três tipos de fichas (citação, resumo e analítica) com base no texto: “Os 4 pilares da Educação” de Jacques Delors. Brasília, DF: MEC/UNESCO, 2003.

FIGUEIREDO, F.F.; RECALCATI, L.A.; GROENWALD, C.L.O. (Re)formulação e resolução de problemas abertos e que abordam temas de relevância social com o uso de planilhas eletrônicas. Revista de Educação Matemática. São Paulo, SP, v. 17, 2020, p. 01-15.

FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, Marcelo Carvalho e ARAÚJO, Jussara de Loiola (org.) Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autentica, 2004.

FLICK, U. Introdução a metodologia de pesquisa: um guia para iniciantes. Porto Alegre: Penso, 2013.

FREITAS, D. Indústria 4.0 e Educação em Ciências no Brasil: perspectivas STEM e Freire-PLACTS no horizonte de disputas por suas afirmações. Anais do XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XII ENPEC. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, jun. 2019.

GROENWALD, C. L. O. A metodologia resolução de problemas no ensino da Matemática. Artigo apresentado ao grupo de estudos. Canoas, RS: ULBRA, 2014.

GROENWALD, C. L. O.; SILVA, C. K.; MORA, C. D. Perspectivas em Educação Matemática. Acta Scientiae. Canoas, v. 6, n. 1, p. 37-55, jan./jun.2004.

GROENWALD, C. L. O.; OLGIN, C. A. Educação Financeira no Currículo de Matemática do Ensino Médio. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 11, n. 2, p. 158- 180, mai/ago. 2018.

NATIONAL EDUCATION ASSOCIATION. Preparing 21st century students for a global society an educator’s guide to the “Four Cs”. Washington: NEA, 2012.

NINOW, V; OLGIN, C.A.; GROENWALD, C.L.O. Educação STEM como formadora de competências para estudantes do ensino médio. Texto em fase de publicação.

PAVÃO, A.C. & FREITAS, D. (orgs). Quanta ciência há no ensino de Ciências. São Paulo: EdUFSCar, 2008.

PENALVA, M. C.; LLINARES, S. Tareas Matemáticas en la Educación Secundaria. In:GOÑI, Jesus María (coord) et al. Didáctica de las Matemáticas. Colección: Formación del Profesorado. Educación secundaria. Barcelona: Editora GRAÓ, 2011, Vol. 12, 27-51.

PINTO, J. B. G. Pesquisa-Ação: Detalhamento de sua sequência metodológica. Recife, 1989, Mimeo.

POLYA, G. A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático. Rio de Janeiro: Interciência, 2006.

POZO, J.I. Teorias cognitivas de aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1989.

ROSS, R. et.al. LaserTag for STEM Engagement and Education. IEEE Access, 2017.

SÁ, P.; PAIXÃO, F. Competências-chave para todos no séc. XXI: orientações emergentes do contexto europeu. Interações, v. 11, n. 39, p. 243-254, mar. 2015.

SANDERS, M. STEM, STEM Education, STEMmania. In: The Technology Teacher, v. 68, n. 4, p. 20–26, 2009.

SMITH, M. S; STEIN, K., M Selecting and Creating Mathematical Tasks: From Research to Practice. Mathematics Teacher in the Middle School, 1998. v.3, n.5, 344-350.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. São Paulo: Cortez,1985.

UNESCO. Pesquisa Nacional. O Perfil dos professores brasileiros: o que fazem, o que pensam, o que almejam. São Paulo: Moderna, 2004.

WILLOUGHBY, S. S. Perspectives on Mathematics Education. In: Learning Mathematics for a New Century. Reston. VA: NCTM, 2000. Cap.1, p. 1-15.

Publicado
2021-05-23
Como Citar
GIUSTI, N.; GROENWALD, C. Matemática na comunidade: um contexto educativo para a aprendizagem social. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 3, p. 1-25, 23 maio 2021.
Seção
Artigos Gerais