Percepções de estudantes do Ensino Médio sobre a presença das mulheres na Ciência

Palavras-chave: Educação Básica, Gênero, Mulheres na Ciência, Estudantes do Ensino Médio

Resumo

Embora haja certo otimismo com relação à participação da mulher na ciência, pesquisas apontam diversos entraves para o alcance da igualdade. Nesse aspecto, destaca-se a escola como espaço privilegiado de intervenção, auxiliando estudantes e professores a romper com os estereótipos de gênero. Tendo em vista o processo histórico de exclusão das mulheres, este trabalho tem como objetivo investigar as percepções de estudantes da 2ª série do Ensino Médio de uma escola pública estadual do Município de Goiânia/GO sobre a presença das mulheres na ciência, com vistas a identificar a proximidade do tema na educação básica. A pesquisa possui abordagem qualitativa, utilizando a análise de conteúdo temática. Os resultados indicam que os estudantes possuem uma visão estereotipada de ciência e cientistas, associando a ciência a homens, e têm dificuldade de citar nomes de cientistas mulheres, principalmente as brasileiras. Ademais, a temática mulheres na ciência não é comum a eles, sobretudo na escola, o que reforça a necessidade de inserção desse tema no contexto escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, F. L. Determinismo biológico e questões de gênero no contexto do ensino de biologia: representações e práticas de docentes do ensino médio. 2011. 252 f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) - Universidade Federal da Bahia (UFBA) / Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), 2011.

ALMEIDA, C. Mulheres são minorias entre reitores e nas bolsas de pesquisa mais privilegiadas. 2018.

ALONSO, L. B.; ALONSO, L. B.; SOARES, Z. M. P. Cientistas brasileiras - O que elas fizeram pela ciência. Goiânia: Cegraf UFG, 2020.

ARANGO, C.; TESSIO, N.; PORRO, S. Pareja Científica. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 3, n. 3, p. 80-90, 2012.

BELO, R. P. Gênero e profissão: análise das justificativas sobre as profissões socialmente adequadas para homens e mulheres. 2010. 161 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010.

BIAN, L.; LESLIE, S.; CIMPIAN, A. Gender stereotypes about intellectual ability emerge early and influence children’s interests. Science, v. 355, n. 6323, p. 389-391, 2017

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo Escolar 2018: Notas Estatísticas. Brasília: MEC, 2018.

BRUSCHINI, C.; AMADO, T. Estudos sobre mulher e educação: algumas questões sobre o magistério. Cadernos de Pesquisa, n. 64, p.4-13, 1988.

CAIRES, L. Crescem iniciativas que dão visibilidade a mulheres cientistas e divulgadoras de ciência. Jornal da Unicamp, 2018.

CARVALHO, M. G.; CASAGRANDE, L. S. Mulheres e ciência: desafios e conquistas. Revista Internacional Interdisciplinar Interthesis, v. 8, n. 2, p. 20-35, 2011.

CAVALLI, M. B.; MEGLHIORATTI, F. A. A participação da mulher na ciência: um estudo da visão de estudantes por meio do teste DAST. Actio: Docência em Ciências, v. 3, n. 3, p. 86-86, 2018.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS – CGEE. Percepção pública da C&T no Brasil - 2019. Resumo executivo. Brasília, DF: 2019.

CNPQ/MCTIC. Chamada CNPq/MCTIC Nº 31/2018 - Meninas nas Ciências Exatas, Engenharias e Computação. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), 2018.

CONCEIÇÃO, J. M.; TEIXEIRA, M. R. F. A produção científica sobre as mulheres na ciência brasileira. Contexto & Educação, n. 112, 2020.

COSTA, A. F.; FERNANDES, H. L. Mulher na ciência: concepções de estudantes na fase da adolescência. In: CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EM DIDÁCTICA DE LÃS CIENCIAS, 10, 2017, Sevilla. Anais [...]. Sevilha, 2017. p. 5565-5570.

CUNHA, M. B. et al. As mulheres na ciência: o interesse das estudantes brasileiras pela carreira científica. Educación Química, v. 25, n. 4, p. 407-417, 2014.

ELSEVIER. Gender in the Global Research Landscape. 2017.

GROSSI, M. G. R. et al. As mulheres praticando ciência no Brasil. Estudos Feministas, v. 24, n. 1, p.11-30, 2016.

HEERDT, B.; BATISTA, I. L. Representações sociais de ciência e gênero no ensino de Ciências. Praxis Educativa, v. 12, n. 3, p. 995-1012, 2017.

JORNAL DA CIÊNCIA. Pesquisadoras brasileiras contribuem com metade da produção científica nacional. 2018.

KONFLANZ, T. L.; SCHEID, N. M. J. Concepção de cientista no ensino fundamental. Ensino de Ciências e Tecnologia em Revista, v. 1, n. 1, p. 70-83, 2011.

KOSMINSKY, L.; GIORDAN, M. Visões sobre Ciências e sobre o cientista entre estudantes do ensino médio. Química Nova na Escola, n° 15, 2002.

LETA, J. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso. Estudos Avançados, v. 17, n. 49, p. 271-284, 2003.

LIMA, L. V. S.; DANTAS, J. M.; CABRAL, C. G. “Cientista, como é?”: Concepções de estudantes do ensino médio sobre gênero e natureza da ciência. In: X CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS, 10, 2017, Sevilha. Anais […]. Sevilla: Enseñanza de Las Ciencias, N.º Extraordinario, 2017. p. 5607-5611.

LOURO, G. L. Gênero, Sexualidade e Educação: Uma Perspectiva Pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2003.

LOURO, G. L. Currículo, gênero e sexualidade: o “normal”, o “diferente” e o “excêntrico”. LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2010. p. 41- 52.

MATOS, R. L. O.; SANTIN FILHO, O.; KIOURANIS, N. M. M. A “linha de abastecimento”: reflexões sobre a educação das meninas na área das ciências exatas e da computação. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 3, p. 18-36, 2019.

MEGID NETO, J.; FRACALANZA, H. O Livro Didático de Ciências no Brasil. 7. ed. Campinas/SP: Komedi, 2006.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis/RJ: Vozes, 2002.

MONNERAT, A. “Teto de vidro” na ciência: apenas 25% na categoria mais alta do CNPq são mulheres. Gênero e Número, 2017.

PLATAFORMA AGENDA 2030. Acelerando as transformações para a Agenda 2030 no Brasil. PNUD/IPEA, s/d.

REVISTA GALILEU. As brasileiras que lideraram o sequenciamento do novo coronavírus. 2020.

ROSENTHAL, R.; REZENDE, D. B. Mulheres cientistas: um estudo sobre os estereótipos de gênero das crianças acerca de cientistas. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress, 2017, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, 2017.

SANCHEZ, G. R. Mulheres são menos de 10% dos personagens em livros de história usados em escolas públicas. Gênero e Número, 2017.

SCHIEBINGER, L. O feminismo mudou a ciência? São Paulo: EDUSC, 2001.

SILVA, F. F. DA; RIBEIRO, P. R. C. A inserção das mulheres na ciência: narrativas de mulheres cientistas sobre a escolha profissional. Linhas Críticas, v. 18, n. 35, p. 171-191, 2012.

SOUSA, L. P.; GUEDES, D. R. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos Avançados, v. 30, n. 87, p. 123-139, 2016.

TEIXEIRA, R. R. P.; COSTA, P. Z. Impressões de estudantes universitários sobre a presença das mulheres na ciência. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 10, n. 2, p. 217-234, 2008.

VELHO, L.; LEÓN, E. A construção social da produção científica por mulheres. Cadernos Pagu, v. 10, p. 309-344, 1998.

Publicado
2021-03-30
Como Citar
SOARES, Z.; MENDES, M.; FREITAS, A. Percepções de estudantes do Ensino Médio sobre a presença das mulheres na Ciência. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 1, p. 1-19, 30 mar. 2021.
Seção
Artigos Gerais