A reflexão crítica como elemento potencializador do processo de aprender a ensinar

Palavras-chave: Licenciandos, Professor Formador, Reflexão Formativa

Resumo

Neste artigo socializamos reflexões acerca das contribuições da Formação Inicial no processo constitutivo de professores de Ciências Biológicas, que podem servir de instrumentos para a produção e transformação de ideários ou concepções do ser professor. A pergunta que orienta o desenvolvimento deste texto é: Que elementos da Formação Inicial se mostram potencialmente capazes de produzir e transformar concepções e modelos de ser professor apreendidos durante a vida? A investigação foi desenvolvida a partir de um Estudo de Caso na abordagem qualitativa de pesquisa em Educação, na qual participaram 17 licenciandos e 3 professores formadores de Ciências Biológicas. Os dados foram construídos desde narrativas de formação, questionário e entrevistas semiestruturadas, organizados pelo viés da Análise Textual Discursiva (ATD). Durante a análise emergiram duas categorias: (I) reflexão formativa e (II) professor formador. Os resultados indiciam que os licenciandos ingressam no Ensino Superior com concepções e modelos de docência resultantes do percurso histórico-cultural formativo vivenciado. A Formação Inicial implica constituição dos futuros professores e, para tanto, a reflexão formativa crítica e o professor formador têm papel essencial durante essa etapa formativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2011.

BASSO, Itacy Salgado. Significado e sentido do trabalho docente. Caderno Cedes, ano XIX, n. 44, p. 19-32, abr. 1998.

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, v. 2, n. 1, p. 68-80, 2005.

BRAGA, Elizabeth dos Santos. A constituição social da memória: uma perspectiva histórico-cultural. Ijuí: Editora Unijuí, 2000.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde: Resolução Nº 510/2016. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BREMM, Daniele; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Processos de investigação-formação-ação decorrentes de narrativas em ciências de professores em formação inicial: com a palavra o PIBID. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 9, n. 4, p. 139-152, 2018.

CHAVES, Sílvia Nogueira. Por uma nova epistemologia da formação docente: o que diz a literatura e o que fazem os formadores. In: SCHNETZLER, Roseli Pacheco; ARAGÃO, Rosália M. R. (org.). Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. Campinas, SP: Vieira Gráfica e Editora, 2000. p. 42-59.

CONTRERAS, José. A autonomia de professores. Tradução Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2002.

COPETTI, Camila et al. Análise textual discursiva em pesquisas no ensino de ciências e matemática: caminhos distintos e possíveis no processo de execução. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 3, p. 85-104, 2020.

CUNHA, Maria Isabel da. O bom professor e a sua prática. 2. ed. São Paulo: Papirus, 1992.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. A pesquisa dos educadores como estratégia para construção de modelos críticos de formação docente. In: DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio; ZEICHNER, Kenneth M. (org.). A pesquisa na formação e no trabalho docente. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. p. 11-37.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio; ZEICHNER, Kenneth. M. (org.). A pesquisa na formação e no trabalho docente. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

ECHEVERRÍA, Agustina Rosa; BENITE, Anna M. Canavarro; SOARES, Márlon H. F. B. A pesquisa na formação inicial de professores de Química: a experiência do Instituto de Química da Universidade federal de Goiás. In: ECHEVERRÍA, Agustina Rosa; ZANON, Lenir Basso (org.). Formação Superior em Química no Brasil: práticas e fundamentos curriculares. 2. ed. rev. Ijuí: Editora Unijuí, 2016.

ELKONIN, D. Sobre el problema de la periodización del desarrollo psíquico en la infancia. In: DAVIDOV, V.; SHUARE, M. (org.). La psicología evolutiva y pedagógica en la URSS. Moscou: Progresso, 1987. p. 125-142.

FAZENDA, Ivani. Interdisciplinaridade. Dicionário em construção. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

FREIRE, Paulo. A educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

GARCÍA, Carlos Marcelo. A formação de professores: centro de atenção e pedra-de-toque. In: NÓVOA, António (org.). Os professores e a sua formação. 2. ed. Lisboa: Don Quixote, 1995. p. 51-76.

GONÇALVES, Terezinha Valim Oliver. A pesquisa narrativa e a formação de professores: reflexões sobre uma prática formadora. In: CHAVES, Sílvia Nogueira; BRITO, Maria dos Remédios (org.). Formação e docência: perspectivas da pesquisa narrativa e autobiográfica. Belém: Cejup, 2011. p. 53-76.

GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Investigação-formação-ação em ciências: um caminho para reconstruir a relação entre livro didático, o professor e o ensino. Curitiba, PR: Prismas, 2013.

IMBERNÓN, Francisco; COLÉN, Maria Teresa. Los Vaivenes de la Formación Inicial del Profesorado: una reforma siempre inacabada. Revista Tendencias Pedagógicas, Madrid, n. 25, p. 57-56, 2015.

LEONTIEV, Alexis. O desenvolvimento do psiquismo. Tradução Manuel Dias Duarte. Lisboa: Livros Horizontes, 2004. 350 p.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MALDANER, Otavio Aloisio. A pesquisa como perspectiva de formação continuada do professor de química. Química Nova, v. 22, n. 2, p. 289-292, 1999.

MARTÍNEZ, Albertina Mitjans; SCOZ, Beatriz Judith Lima; CASTANHO, Marisa Irene Siqueira. Ensino e aprendizagem: a subjetividade em foco. Brasília, DF: Líber Livros, 2012.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. 2. ed. Ijuí, RS: Editora Unijuí, 2011.

NEVES, José Luis. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 1, n. 3, p. 1-5, 1996.

NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, António (org.). Vidas de professores. Portugal: Porto, 1992. p. 11-30.

NÓVOA, António. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, António (org.). Os professores e a sua formação. 2. ed. Lisboa: Don Quixote, 1995. p. 15-33.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione,1992.

PIMENTA, Selma Garrido. Saberes da docência e identidade do professor. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 22, n. 2, p.72-89, 1996.

POLONIA, Ana da Costa; SENNA, Sylvia Regina Carmo Magalhães. A ciência do desenvolvimento humano e suas interfaces com a educação. In: DESSEN, Maria Auxiliadora; JUNIOR, Áderson Luiz Costa (org.). A ciência do desenvolvimento humano: tendências atuais e perspectivas futuras. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 190-209.

PORLÁN, Rafael; MARTÍN, José. El diario del profesor: un recurso para investigación en el aula. Sevilla: Díada, 1997.

QUADROS, Ana Luiza et al. As práticas educativas e seus personagens na visão de estudantes recém-ingressados nos cursos de química e biologia. Revista Ciência e Educação, Bauru, v. 16, n. 2, p. 293-308, 2010.

REGO, Tereza Cristina R. A origem na singularidade humana na visão dos educadores. Cadernos Cedes, ano XX, n. 35, p. 97-113, jul. 2000.

SCHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SHULMAN, Lee S. Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma. Cadernos Cenpec, v. 4, n. 2, p. 196-229, dez. 2014.

SILVA, Lenice Heloísa de Arruda; SCHNETZLER, Roseli Pacheco. A mediação pedagógica em uma disciplina científica como referência formativa para a docência de futuros professores de Biologia. Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p. 57-72, 2006.

TARDIF, Maurice; RAYMOND, Danielle. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, v. 21, n. 73, p. 209-244, 2000.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

VIGOTSKI, Lev Semionovich. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2001.

VIGOTSKI, Lev Semionovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WYZYKOWSKI, T. O trabalho educativo e sua relação com a constituição social da memória individual no processo de formação de professores. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação nas Ciências) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências, Ijuí, RS, 2017.

YIN, Roberto K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

ZEICHNER, Kenneth. M. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educação e Sociedade, v. 29, n. 103, p. 535-554, maio/ago. 2008.

ZEICHNER, Kenneth. M. A pesquisa-ação e a formação docente voltada para a justiça social: um estudo de caso nos Estados Unidos. In: DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio; ZEICHNER, Kenneth. M. (org.). A pesquisa na formação e no trabalho docente. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. p. 61-83.

Publicado
2021-03-24
Como Citar
WYZYKOWSKI, T.; FRISON, M. A reflexão crítica como elemento potencializador do processo de aprender a ensinar. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 1, p. 1-26, 24 mar. 2021.
Seção
Artigos Gerais