O ensino de Paleontologia: interpretações de uma abordagem contextualizada à realidade local

Palavras-chave: Ensino de Paleontologia, Educandos, Realidade Local, Contexto

Resumo

O estado do Rio Grande do Sul é reconhecido por pesquisadores que se dedicam à paleontologia pelo significativo registro de fósseis. Nesse cenário, destaca-se a cidade de Mata, conhecida como a cidade de pedra que foi madeira, devido à vasta ocorrência de fósseis vegetais do Período Triássico. O presente artigo propõe-se a investigar de que maneira ocorre a abordagem da Paleontologia nas unidades escolares em Mata, a partir de uma pesquisa-ação, que analisou as concepções prévias dos educandos e buscou retomar possíveis conceitos paleontológicos abordados pelos professores, enfocando a riqueza paleontológica do município, a partir de uma proposta de ensino contextualizada à realidade local. Valendo-se de uma abordagem qualitativa/indutiva, foram aplicados questionários pré e pós intervenção a estudantes de 5 escolas públicas (municipais e estaduais), em turmas de 6° ano do ensino fundamental ao 3° ano do ensino médio, totalizando 101 alunos. A intervenção pedagógica seguiu a metodologia do Arco de Maguerez. Os resultados indicam que as ideias prévias dos alunos mostravam um conhecimento superficial sobre a temática paleontológica e que a intervenção pedagógica possibilitou um aprofundamento dos conhecimentos de forma contextualizada, baseado na realidade local dos educandos e proporcionando, assim, uma aproximação do conhecimento científico com o cotidiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cibele Schwanke, Instituto Federal do Rio Grande do Sul

.

Referências

ADAMS, F. W. et al. Contribuições de metodologias diversificadas para a formação crítico/reflexiva de alunos da educação básica. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 7, n. 3, p. 01-17, 2016.

ANTUNES, B. C.; COSTA, S. A. R. F.; RUIVO, M.L.P. dificuldades de inserir a temática paleontologia na sala de aula em Belém- PA. In: XIII Simpósio de Geologia da Amazônia, 2013, Belém. Anais do XIII Simpósio de Geologia da Amazônia, 2013. v. 1. p. 22-25.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4ª ed. Lisboa: Edições, v. 70, 2016.

BERBEL, N. A. N. A Metodologia da Problematização em três versões no contexto da didática e da formação de professores. Revista Diálogo Educacional, v. 12, n. 35, p. 101-118, 2012.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, v. 32, n. 1, p. 25-40, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Segunda versão revista. Brasília: MEC, 2017.

CERVATO, C.; FRODEMAN, R. A importância do tempo geológico: desdobramentos culturais, educacionais e econômicos. Terra e Didática, v. 10, n. 1, p. 67-79, 2013.

DUARTE, S. G. et al. Paleontologia no Ensino Básico das Escolas da Rede Estadual do Rio de Janeiro: uma Avaliação Crítica. Anuário do Instituto de Geociências, v. 39, n. 2, p. 124-132, 2016.

IPHAN. Patrimônio Cultural. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/218. Acesso em 9 set. 2018.

IZAGUIRRY, B. B. D. et al. Paleontologia na escola: uma proposta lúdica e pedagógica em escolas do município de São Gabriel, RS. Cadernos da Pedagogia, v. 7, n. 13, p. 2-16, 2013.

LEAL, C.A.; MEIRELLES, R. M.S.; RÔÇAS, G.O que estudantes do ensino médio pensam sobre genética? Concepções discentes baseada na Análise de conteúdo. Revista Eletrônica Científica Ensino Interdisciplinar. Mossoró, v. 5, n. 13, 2019

LIMA, R. M. et al. Contribuições da disciplina de paleontologia e evolução para a formação dos licenciados em Ciências biológicas do CCA-UFPB. In: XIII Congresso Nacional de Educação. Anais do XII Congresso Nacional de Educação, 2015.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MANZIG, P.; WEINSCHUTZ, L.C. Museu e fósseis da Região Sul do Brasil. Marechal Cândido Rondon: Editora Germânica, 2012.

MATOS, S. A; CASTRO, T. B. R; Coutinho, F. A. O ensino de paleontologia a partir dos conhecimentos prévios dos alunos. Revista da SBEnBIO, v. 5, p. 1-10, 2012.

MARCONI, M. D. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. - São Paulo: Atlas, 2009.

MENDES, L. A. S.; NUNES, D. F.; PIRES, E. F. Avaliação do conhecimento paleontológico com intervenção em escolas de ensino médio: um estudo de caso no Estado do Tocantins. Holos, v. 8, 2015.

MORAIS, C. S.; FERREIRA, H. S.; NETO, J. E. S. Oficina pedagógica de aprendizagem: uma proposta de ferramenta didática para museus de ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 3, p. 204-222, 2019.

NOVAIS, T. et al. Uma experiência de inserção da Paleontologia no ensino fundamental em diferentes regiões do Brasil. Terra e Didática, v. 11, n. 1, p. 33-41, 2015.

NUNES, L. H. M. N.; PIOKER-HARA, F. C. Detetive paleontológico: o destino dos fósseis de plantas do Geopark Araripe como ferramenta para o ensino das Geociências. Terra e Didática, v. 14, n. 1, p. 5-14, 2019.

SANTOS W.F.S.; CARVALHO I.S. Propostas para a preservação do Parque Paleontológico de São Joséde Itaboraí (Brasil) a partir da percepção populacional. Anuário Institucional de Geociências. UFRJ, 34(2):24-37, 2011.

SANTOS W.F.S.; CARVALHO I.S. Percepção dos professores do entorno do Parque Paleontológico deSão José de Itaboraí (RJ) sobre aspectos geológicos, paleontológicos e arqueológicos locais. Terra e Didática, 9:50-62, 2013.

SCHWANKE, C. A divulgação da Paleontologia através de atividades de Ensino e Extensão. Perspectivas do Ensino de Biologia, VIII, São Paulo, Faculdade de Educação, USP, Anais Perspectivas do Ensino de Biologia, v. 24179, p. 1-3, 2002.

SOMMER, M. G.; SCHERER, C. M. S. Sítios paleobotânicos dos Arenito Mata (Mata e São Pedro do Sul) RS: uma das mais importantes “florestas petrificadas” do planeta. In: Schobbenhaus, C.; Campos, D. A.; Queiroz, E. T.; Winge, M. SIGEP. Sítios geológicos e paleontológicos do Brasil, p. 3-10, 2002.

SOUZA, R. C. et. al. O ensino de paleontologia nas escolas públicas estaduais de floriano-pina concepção dos docentes. III Congresso Nacional de Educação, 2016.

TAVARES, S. A. S. et al. O Museu de Paleontologia de Monte Alto como disseminador doconhecimento paleontológico. In: Carvalho (Org.) Paleontologia: Cenários de Vida. 01 ed. Rio de Janeiro: Editora Interciência, v. 02, p. 199-208, 2007.

Publicado
2021-03-11
Como Citar
HOHEMBERGER, R.; GÓES BILAR, J.; SCHWANKE, C.; COUTINHO, R. O ensino de Paleontologia: interpretações de uma abordagem contextualizada à realidade local. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 1, p. 1-23, 11 mar. 2021.
Seção
Artigos Gerais