De um caminhar na perspectiva inclusiva a um coletivo de atores em uma formação continuada em tecnologias no ensino de Matemática: reflexões da trajetória

Palavras-chave: Educação Matemática, Pesquisa-formação, Rede Sociotécnica

Resumo

Este artigo apresenta uma jornada docente, em formação, relatada a partir de quatro produções científicas e uma pesquisa em andamento, situados na Educação Básica e Ensino Superior, envolvendo professores, alunos e Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação. E ante às diferenças, esse andar, que objetiva uma Educação Matemática Inclusiva, tem conduzido uma professora a desafiar-se na elaboração de uma formação sobre ensino de Matemática com Scratch para docentes que atuam em escolas bilíngues de surdos do Núcleo Regional de Educação de Foz do Iguaçu/PR. Nessa investigação, esses entes têm elaborado objetos de aprendizagem da Matemática para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental. No processo científico dessa pesquisa, as descrições das ações dos participantes são acatadas sob os fundamentos da abordagem teórico-metodológica da Teoria Ator-Rede, a qual reivindica um olhar na perspectiva da antropologia simétrica. Também, amparada na Pesquisa-formação, visa lançar posicionamentos acerca dessa abordagem e no que isso tem impactado na formação da investigante. Dos resultados, um (re)pensar da profissão perante a dinâmica das ações educativas tem sido levantado, como reflexões sobre o ensino e os conhecimentos emergidos quanto a historicidade dos elementos envolvidos, resultantes das interações coletivas, humanas e não humanas, em uma rede que se mostra em produção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, M. A. Informação e mediações: considerações em torno de Latour e Becker. In: SEGUNDO, J. E. S.; SILVA, M. R.; MOSTAFA, S. P. (Orgs.). Os Pensadores e a Ciência da Informação. Rio de Janeiro: E-papers, 2012, p. 85-100.

BOTO, C. António Nóvoa: uma vida para a educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 44, p. 1-24, 2018.

COUTINHO, F. Â.; VIANA, G. M. Teoria ator-rede e educação. Curitiba: Appris, 2019.

DESSBESEL, R. S.; SILVA, S. C. R.; SHIMAZAK, E. M. O processo de ensino e aprendizagem de Matemática para alunos surdos: uma revisão sistemática. Ciência & Educação, Bauru, v. 24, n. 2, p. 481-500, 2018.

DOMINICÉ, P. A formação de adultos confrontada pelo imperativo biográfico. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 345-357, maio/ago. 2006.

JOSSO, M. C. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

JOSSO, M. C. Caminhar para si. Trad. Albino Pozzer. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

LATOUR, B. Os objetos têm história? Encontro de Pasteur com Whitehead num banho de ácido láctico. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 7-26, mar./jun. 1995.

LATOUR, B.; WOOLGAR, S. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LATOUR, B. A Esperança de pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Trad. Gilson César Cardoso de Sousa. Bauru: EDUSC, 2001.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Trad. Gilson César Cardoso de Sousa. Bauru: EDUFBA/EDUSC, 2012.

LATOUR, B. Investigação sobre os modos de existência: uma antropologia dos modernos. Trad. Alexandre Agabiti Fernandez. Petrópolis: Vozes, 2019.

KLAUS, V. L. C. de A.; LÜBECK, M.; SILVA, P. G. N. Da. Da Universidade à Escola: a diversidade presente na sala de aula. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 12, n. 2, p. 530-543, maio/ago. 2018.

KLAUS, V. L. C. A.; BOSCARIOLI, C. Tecnologias digitais como recursos de apoio para o professor de Matemática de alunos surdos. In: XIII ENEM, 2019, Cuiabá – MT, Anais... Educação Matemática com as Escolas da Educação Básica: interfaces entre pesquisas e salas de aula, 2019. p. 1-15.

MARQUESIN, D.; NACARATO, A. M. Cenas de práticas de ensino de matemática em narrativas de futuras professoras. Educação. Santa Maria, v. 44, p. 1-22, 2019.

MEDEIROS, Z.; VENTURA, P. C. S. Cultura tecnológica e redes sociotécnicas: um estudo sobre o portal da rede municipal de ensino de São Paulo. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 34, n. 1, p. 63-75, jan./abr. 2008.

MIGNOT, A. C.; SOUZA, E. C. Modos de viver, narrar e guardar: diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica. Revista Linhas, Florianópolis, v. 16, n. 32, p. 10-33, set./dez. 2015.

MORAS, N. A. B.; KLAUS, V. L. C. de A. Estrategias y procedimientos de alumnos sordos en la resolución de problemas do campo conceptual aditivo. Paradigma, Maracay, v. 39, p. 301-318, 2018.

MOSTAFA, S. P.; SILVA, M. R.; SEGUNDO, J. E. S. História Cultural e Ciência da Informação. In: SEGUNDO, J. E. S.; SILVA, M. R.; MOSTAFA, S. P. (Orgs.). Os Pensadores e a Ciência da Informação. Rio de Janeiro: E-papers, 2012, p. 37-47.

NEVES, F., PEIXOTO, J. Abordagem curricular do desenho universal para aprendizagem: implicações para a educação matemática inclusiva. RPEM, Campo Mourão, v. 8, n. 17, p. 320-345, jul./dez. 2019.

NÓVOA, A. Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 25, n. 1, p. 11-20, jan./jun. 1999.

PASSEGGI, M. C. Memorial de formação. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. DICIONÁRIO: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010.

PASSEGGI, M. C. Aproximaciones teóricas a las perspectivas de la inevstigación (auto)biográfica em educación. Trad. Dora Lilia marín Díaz. Revista Educación y Pedagogía, v. 23, n. 61, set./dez. 2011.

ROSA, F. M. C. da; BARALDI, I. M. O uso de narrativas (auto)biográficas como uma possibilidade de pesquisa prática de professores acerca da Educação (Matemática) Inclusiva. Bolema, Rio Claro, v. 29, n. 53, p. 936-954, dez. 2015.

SALES, E. R. de. A visualização no ensino de matemática: uma experiência com alunos surdos. 235 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista. Rio Claro, 2013.

SANTAELLA, L.; CARDOSO, T. O desconcertante conceito de mediação técnica em Bruno Latour. Matrizes, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 167-185, jan./jun. 2015.

SCAPIN, L. L.; KLAUS, V. L. C. A.; BONDEZAN, A. N.; LÜBECK, M. Tecnologias assistivas, ensino de frações e surdez: olhares de acadêmicos de um curso de licenciatura em matemática. Revista Prática Docente, v. 4, n. 2, p. 391-410, jul./dez. 2019.

TOZZINI, D. L. Programa forte em sociologia do conhecimento e teoria Ator-Rede: a disputa dentro dos sciences studies. 438f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2019.

Publicado
2021-03-16
Como Citar
KLAUS, V.; LÜBECK, M.; BOSCARIOLI, C. De um caminhar na perspectiva inclusiva a um coletivo de atores em uma formação continuada em tecnologias no ensino de Matemática: reflexões da trajetória. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 1, p. 1-19, 16 mar. 2021.
Seção
Artigos Gerais