Ondas Eletromagnéticas e Visão: material complementar para o Ensino Médio sob a perspectiva do Currículo Mínimo do RJ

Palavras-chave: Ensino de Física, Currículo Mínimo-RJ, Estratégias de Ensino, Interdisciplinaridade, Olho Humano

Resumo

A presente pesquisa possui caráter qualitativo e tem como objetivo fazer apreensões sobre o ensino, diante de uma intervenção didática diferenciada por meio de material didático sobre Ondas Eletromagnéticas, aplicadas ao olho humano, na perspectiva do Currículo Mínimo-RJ, para a 3º série do Ensino Médio. Os modelos didáticos dos professores, assim como a história e filosofia da ciência e o uso de experimentações são apresentados como embasamento teórico da proposta didática. Perante a nova proposta curricular do Estado-RJ, destaca-se a dificuldade encontrada pelos professores de encontrar materiais e livros didáticos que tenham uma abordagem adequada ao currículo. Por meio de entrevistas semiestruturadas as categorias de análise foram elencadas: interdisciplinaridade, contextualização, história da ciência e/ou o uso de experimentos, conteúdos de Física, estratégia didática e atitude. Essas temáticas são postas em relevo no que concerne ao potencial do material para o ensino dos assuntos de Física em evidência, demonstrando resultados satisfatórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, A. J. O planejamento de pesquisas qualitativas em educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo: Fundação Carlos Chagas/Cortez, 77, p. 53-61, maio 1991.

ANDRÉ, M. O que é um estudo de caso qualitativo em educação? Revista FAEEBA - Educação e contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 95-103, jul./dez. 2013.

AUGÉ, P. S. Uma proposta didática diferenciada e a atitude dos alunos frente ao ensino de ciências. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 5. ed. Lisboa: edições 70, 2009.

BATISTA, J. de S.; GOMES, M. das G. Contextualização, experimentação e aprendizagem significativa na melhoria do ensino de cinética química. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n.4, p. 79-94, 2020.

BENDIA FILHO, A. G.; RIBEIRO, J. da S. Novo currículo mínimo de Física do Estado do Rio de Janeiro: análise do posicionamento de professores. 2014. 93f. Monografia (Licenciatura em Física) – Coordenação de Ciências da Natureza, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense. Campus Campos Centro, 2014.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Trad. Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994. 337 p. (Coleção ciências da educação). Tradução de: Qualitative Research for Education.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: DF: 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: Ensino Médio - Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias. Brasília, 1999.

DURAZZINI, A et al. Ensino de Química – algumas aulas práticas utilizando materiais alternativos. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 6, p. 330-349, 18 out. 2020.

FERNANDES JÚNIOR, M. A. J.; CALUZI, J. J. Concepções sobre Interdisciplinaridade entre Arte e Ciências: estudo a partir do relato de um professor e de alunos da Educação Básica. Ciênc. educ. (Bauru), Bauru, v. 26, e20045, 2020.

FERREIRA, M. V.; MUENCHEN, C.; AULER, D. Desafios e potencialidades em intervenções curriculares na perspectiva da abordagem temática. Ens. Pesqui. Educ. Ciênc. (Belo Horizonte), Belo Horizonte, v. 21, e10499, 2019.

FIDELIS, A. K.; GEGLIO, P. C. INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO: desafios de professores de ciências naturais em preparar os alunos para o ENEM. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n.6, p. 215-234, 2019.

FOUREZ, G. Crise no ensino de Ciências? Investigações em Ensino de ciências, v. 8, n. 2, ago. 2003.

GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 2o ed. Trad. Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003. Título original: Qualitative Researchingwith Text, Imageand Sound: a Pratical Handbook.

GUAITA, R. I.; GONCALVES, F. P. Atividades experimentais mediadas por tecnologias digitais de informação e comunicação em licenciaturas em ciências da natureza. Rev. Fac. Cienc. Tecnol., Bogotá, n. 47, p. 179-199, 2020.

HENNIG, G. J. Metodologia do ensino de ciências. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1994.

LABURÚ, C.E.; ARRUDA, S.M.; NARDI, R. Pluralismo metodológico no ensino de Ciências. EnR. Gadelha (Ed.), Ciência & Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência (247-260). Bauru: UNESP, 2003.

LEMOS, E. dos S. A aprendizagem significativa: estratégias facilitadoras e avaliação. Série-Estudos: Periódicos do Mestrado em Educação da UCDB, v. 1, n. 21, Campo Grande, p. 25-35, jan/jun. 2006.

MACÊDO, A. de A.; ALVES, F. R. V.; BARROSO, M. C. da S. Uma análise das categorias da história e filosofia das ciências nos periódicos de ensino de ciências. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, São Paulo, v. 11, n. 6, p. 741-760, out./dez. 2020.

MARTINS, R. A. Sobre o Papel da História da Ciência no Ensino. Boletim da Sociedade Brasileira da História da Ciência, 9, 3-5, 1990.

MATTHEWS, M. R. História, filosofia e ensino de ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 12, n. 3, Florianópolis, p. 164-165, dez. 1995.

MOREIRA, M. A.; GRECA, I. M. Mudança conceitual: análise crítica e propostas à luz da teoria da aprendizagem significativa. Ciência e Educação, v. 9, n. 2, p. 301-315. 2003.

NASCIMENTO, L. A.; CARVALHO, H. R.; SILVA, B. V. C. A Astronomia, a Historiografia da Ciência e os livros didáticos: Uma história mal contada? Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 7, n. 5, p. 40-52, 2016.

PEDUZZI, L. O. Q; MARTINS, A. F. P.; FERREIRA, J. M. H. (orgs.) Temas de História e Filosofia da Ciência no Ensino. Natal: EDUFRN, 2012.

PEREZ, D. G.; GONZÁLEZ, E. M. Las practicas de laboratorio de fisica, en la formacion del profesorado. Un análisis critico. Revista de Enseñanza de la Física, Argentina: APFA, s.vol., p. 47-60, 1992.

POZO, J. I.; GÓMEZ CRESPO, M. Á. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

POSNER, G.; STRIKE, K.; HEWSON, P.; GERTZOG, W. (1982). Accommodation of a scientific conception: toward a theory of conceptual change. Science Education, v. 66, p. 211-227.

REGO, T. C. Vygotsky: Uma perspectiva histórico-cultural da educação. 12. ed., Editora Vozes: Petrópolis, 2001.

RIO DE JANEIRO (Estado). Secretaria de Estado de Educação. Currículo Mínimo: Física. Rio de Janeiro: Governo do Estado do Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <http://www.rj.gov.br/web/seeduc/exibeconteudo?article-id=759820>. Acesso em: 16 set. 2020.

SCHWARTZMAN, U. P. y et al. Interdisciplinaridade: referencial indispensável ao processo de ensino-aprendizagem da bioética. Rev. Bioét., Brasília, v. 25, n. 3, p. 536-543, 2017.

SEKKEL, W.W.; MURAMATSU, M. Por que utilizar demonstrações nas aulas de física? Revista Brasileira de Física, v. 6, III SNEF, 1976.

SOUZA, R. T. Y. B. de et al. Formação continuada de professores de ciências utilizando a Aquaponia como ferramenta didática. Ciênc. educ. (Bauru), Bauru, v. 25, n. 2, p. 395-410, 2019.

STADLER, J. P.; HUSSEIN, F. R. G. S. O perfil das questões de ciências naturais do novo ENEM: interdisciplinaridade ou contextualização? Ciência e Educação, Bauru, v. 23, n. 2, p. 391-402, 2017.

YARED, I. O que é interdisciplinaridade? In: Ivani Fazenda (Org.). O Que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008. p. 161-166.

Publicado
2021-03-18
Como Citar
FREITAS, P.; AUGÉ, P. Ondas Eletromagnéticas e Visão: material complementar para o Ensino Médio sob a perspectiva do Currículo Mínimo do RJ. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 12, n. 1, p. 1-21, 18 mar. 2021.
Seção
Artigos Gerais