Educação Ambiental pelo viés da argumentação: o panorama e as possibilidades desta relação

Palavras-chave: Educação ambiental, Argumentação, Crise socioambiental, Reflexão crítica

Resumo

Em pleno século XXI a educação precisa voltar o seu olhar para a urgente necessidade de se realizar a inserção da educação ambiental no contexto escolar, de modo a promover a construção da habilidade de se posicionar criticamente frente à já instalada crise socioambiental. Neste caso, fica a indagação: de que maneira o ambiente escolar e os protagonistas do processo educativo podem construir tal habilidade? Acreditamos que isso é possível desde que no ambiente escolar as práticas pedagógicas se pautem no desenvolvimento da habilidade de argumentar, fato este que por sua vez é condição para o desenvolvimento da reflexão crítica dentro do contexto socioambiental. É dentro deste contexto que este artigo tem como objetivo dialogar sobre o seguinte problema: Como a argumentação científica possibilita e favorece a educação ambiental? E, com isso, identificar as possibilidades frutíferas da educação ambiental conduzida pelo viés da argumentação. Os resultados revelaram que, a educação ambiental pelo viés da argumentação facilitaria a compreensão por parte dos educandos e educandas da necessidade de pensar e repensar suas ações para planejar atitudes sustentáveis ao meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACSELRAD, H. A duração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Meio Ambiente e Saúde. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. 2 ed. Brasília, 2000.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Temas Transversais, meio ambiente. Brasília: SEF, 1997b

BRITO, R. A. de; OLIVEIRA, G. F. A prática dialógica-argumentativa nas aulas de educação socioambiental. AMBIENTE & EDUCAÇÃO-Revista de Educação Ambiental, v. 19, n.1, p. 207-219, 2014.

CARVALHO, I. Educação ambiental crítica: nomes e endereçamentos da educação. In: MMA/ Secretaria Executiva/ Diretoria de Educação Ambiental (Org.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: MMA, 2004.

CMMAD – Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. 2a ed. Tradução de Our common future. 1a ed. 1988. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

CONRADO, D. M.; NUNES-NETO, N. F.; EL-HANI, C. N. Argumentação sobre problemas socioambientais no ensino de biologia. Educação em Revista, v. 31, p. 329-357, 2015.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 8. ed. São Paulo: Gaia, 2003.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2004. GALVÃO, I. C. M.; DE LOURDES SPAZZIANI, M.; DE CASTRO MONTEIRO, I. C. Argumentação de alunos da primeira série do Ensino Médio sobre o tema" Energia": discussões numa perspectiva de Educação Ambiental. Ciência & Educação, v. 24, n. 4, p. 979-991, 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

GUIMARÃES, M. Educação Ambiental Crítica. In: LAYRARGUES, P.P. (Coord.). Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília. 2004.

GUIMARÃES, M. Por uma educação ambiental crítica na sociedade atual. Revista Margens Interdisciplinar, v. 7, n. 9, p. 11-22, 2016.

JARA, C. J. A Sustentabilidade do desenvolvimento local: desafios de um processo em construção. Brasília: IICA; Recife: Seplan, 1998.

JACOBI. P. R. Educação Ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p.189-205. 2003.

JACOBI. P. R. Educação ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p. 233-250, 2005.

KOFF, E. D. A questão ambiental e o estudo de Ciências: algumas atividades. Goiânia: UFG, 1995.

KONDRAT, H.; MACIEL, M. D. Educação ambiental para a escola básica: contribuições para o desenvolvimento da cidadania e da sustentabilidade. Revista Brasileira de Educação, v. 18, n. 55, p. 825-846, 2013.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, v. 17, n. 1, p. 23 – 40, 2014.

LATINI, R. M.; SOUSA, A.C. Ensino de Química e Ambiente: as articulações Presentes na Revista Química Nova na Escola (QNEsc). Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 143-159, 2016.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2001.

MARCATTO, C. Educação ambiental: conceitos e princípios. 1. ed. Belo Horizonte: FEAM, 2002.

MEDINA, N. M. Formação de Multiplicadores para Educação Ambiental. In: PEDRINI. A.G. (Org.). O Contrato Social da Ciência, unindo saberes na Educação Ambiental. Petrópolis: Vozes, 2002.

MORIN, E. Planetarización y crisis de la humanidad. Educación 2001, n. 152, p. 34-38, 2008.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2002.

NOVICKI, V. Práxis: problematizando consciência e participação na educação ambiental brasileira. In: LOUREIRO, C.F. (org). A questão ambiental no pensamento crítico: natureza, trabalho e educação. Rio de Janeiro, 2007.

PRAIA, J.; GIL-PÉREZ, D.; VILCHES, A. O papel da natureza da ciência na educação para a cidadania. Ciência & Educação, v. 13, n. 2, p. 141- 156, 2007.

REIGOTA, M. O que é educação ambiental. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2009. RIBERAYGUA, M. F.; FABRÍCIO, T. M.; DE FREITAS, D. La gestión del agua en un município: una oportunidad para conectar la escuela, la ciudad y el mundo. Investigações em Ensino de Ciências, v. 22, n. 2, p. 154, 2017.

RODRIGUES, A. R. F; LABURU, C. E. A Educação Ambiental no ensino de biologia e um olhar sobre as formas de relação entre seres humanos e animais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 14, n. 2, p. 171 – 184, 2014.

SATO, M. Educação Ambiental. Rima. São Carlos, SP. 2003

SATO, M. Debatendo os desafios da educação ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 1, p. 14-33, 2001.

SOUZA, D. A., et al. Educação ambiental no ensino fundamental i: a construção de uma proposta curricular a partir da abordagem CTSA (CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SOCIEDADE E AMBIENTE). RECM. Revista de Educação, Ciências e Matemática, v. 8, n. 1, p.73- 89, 2018.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Montréal. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p. 317-322, 2005.

TRAVASSOS, E. G. A prática de educação ambiental nas escolas. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2006.

Publicado
2020-03-30
Como Citar
PEZARINI, A.; MACIEL, M. Educação Ambiental pelo viés da argumentação: o panorama e as possibilidades desta relação. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 2, p. 127-143, 30 mar. 2020.
Seção
Artigos Gerais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)