Possibilidades de superação de desafios no ensino de Ciências: o caso dos Planos Nacional e Municipais de Educação

Palavras-chave: Ensino de Ciências, Desafios, Planos de Educação, Ensino Fundamental

Resumo

Em 2014 foi publicado o Plano Nacional de Educação, dando origem aos planos municipais. Seu objetivo é trazer melhorias para a educação brasileira. Este estudo identifica e analisa as possibilidades de melhorias para o Ensino de Ciências (EC), no Ensino Fundamental, anos finais, inseridas no Plano Nacional de Educação e nos Municipais de Educação da região do grande ABC. A pesquisa documental foi utilizada para apreciar os documentos: nacional e os municipais. Os resultados foram agrupados em dois grandes grupos. No primeiro, estão aqueles que apresentam consonância com as melhorias do EC, como a melhoria da infraestrutura com a implantação de laboratórios de ciências e a compra de equipamentos para as escolas. No segundo, todavia, estão aqueles alinhados com as políticas neoliberais, como o fomento para a oferta de vagas para a formação docente, promovido pela iniciativa privada, e a obrigatoriedade de se assumir o Ideb como indicador para melhorar a qualidade, estratégias que legitimam o processo de mercantilização da educação. Os avanços para o EC nos planos se traduzem em melhorias cambiantes que combinam elementos que se coadunam com a melhoria e outros que agregam aspectos ideologizados e marcados pelas políticas neoliberais. Esses dados poderão mobilizar discussões sobre políticas públicas de melhorias no Ensino de Ciências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. 1995.

BAUER, A. Estudos sobre Sistemas de Avaliação Educacional. Rev.@mbienteeducação, SP, n. 5, p. 7-31, 2012.

BAUER, A. PIMENTA, C. O.; HORTA NETO, J. L.; SOUSA, S. Z. Est. Aval. Educ., SP., v. 26, n. 62, p. 326-352, 2015.

BAUER, M.; GASKELL, G. (Eds.). Qualitative researching with text, image, and sound. London: Sage. 2008.

BIONDI, R. L.; FELÍCIO, F. Atributos Escolares e o Desempenho dos Estudantes: uma Análise em Painel dos Dados do SAEB. Brasília: INEP, 2007.

BIZZO, N. Ciências: Fácil ou difícil? SP: Ed. Biruta. 2009.

BONNAMINO, A. C. Avaliação educacional no Brasil 25 anos depois: onde estamos? In: BAUER, A.; GATTI, B. A. (Org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. Florian.: 2013, p. 43-60.

BRASIL. CNE Conselho Nacional de Educação. Escassez de Professores no ensino médio. Relatório produzido pela Comissão Especial instituída para estudar medidas que visem a superar o déficit docente no Ensino Médio (CNE/CEB). 2007.

BRASIL. MEC/INEP. Inclusão de Ciências no SAEB: Documento Básico. Brasília, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação e cultura. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Brasília: MEC, 2013.

BRASIL. Plano Nacional de Educação, Lei n. 13.005, junho de 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm. Acesso em: 23 set. 2014.

BROOKE, N. P.; CUNHA, M. A.; FALEIROS, M. A avaliação externa como instrumento da gestão educacional nos estados: relatório final. BH: Game/UFMG. 2011.

CARVALHO, L. M. Governando a educação pelo espelho do perito: uma análise do pisa como instrumento de regulação. Educ. Soc., Campinas, vol. 30, n. 109, p. 1009-1036, set./dez. 2009.

CARVALHO, L. M. Intensificação e sofisticação dos processos da regulação transnacional em educação: o caso do programa internacional de avaliação de estudantes. Educ. Soc., Campinas, v. 37, nº. 136, p.669-683, jul.-set., 2016.

CARVALHO, L. M. International Assessments and Its Expertise Fabricating expert knowledge for policy. IN: Sverker Lindblad, Daniel Pettersson, Thomas S. Popkewitz: Education by the Numbers and the Making of Society: The Expertise of International Assessments. Routledge: 2018.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais (8a ed.). São Paulo: Cortez. 2006.

DIAS SOBRINHO, J. Professor universitário: contextos, problemas e oportunidades. In: Maria Isabel da Cunha; Sandra Regina Soares; Marinalva Lopes Ribeiro. (Org.). Docência universitária: profissionalização e práticas educativas. Feira de Santana: UEFS Editora, 2009, p. 15-31.

DIDONET, V. Apresentação: Plano Nacional de Educação. Brasília, DF: Plano, 2000.

ESPÓSITO, Y.L.; DAVIS, C.; NUNES, M. M. R. Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar – O modelo adotado pelo estado de São Paulo. Revista Brasileira de Educação, n. 13, pp.25-53, 2000.

FAZIO, X.; KARROW, D. D. Science Takes a Back Seat: An unintended consequence of prioritizing literacy and numeracy achievement. 2014. Available at: http://www.cea-ace.ca/education-canada/article/science-takes-back-seat. Retrieved in: 11 Jan. 2015.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: BOOKMAN, 2009.

GARCIA, P. S. Inovações e Mudanças: por que elas não acontecem nas escolas? Uma macroanálise envolvendo professores de ciências. 1. ed. São Paulo: LCTE Editora, 2010.

GARCIA, P. S.; BIZZO, N. O Processo de Elaboração dos Planos Municipais de Educação na Região do Grande ABC. Educação e Realidade. v. 43, p. 337-362, 2018b.

GARCIA, P. S.; FAZIO, X. ; PANNIZZON, D.; BIZZO, N. Austrália, Brasil e Canadá: impacto das avaliações no Ensino de Ciências. Estudos em Avaliação Educacional (impresso), v. 1, p. 1-34, 2018a.

GARCIA, P. S.; PREARO, L. L. C.; ROMERO, M. C.; BASSI, M. S. A Infraestrutura das Escolas de Ensino Fundamental da Região do Grande ABC Paulista. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 9, p. 614-631, 2014.

GARCIA, P. S.; PREARO, L. L. C.; ROMERO, M. C.; BASSI, M. S.; SECCO, A.; BASSI, M. S. School performance: An IDEB analysis of the seven municipalities in the ABC region. Revista Eletrônica de Educação (São Carlos), v. 10, p. 115-134, 2016.

HAGOPIAN, J. (Ed.). More than a score: the new uprising against high-stakes testing. Chicago: Haymarket Books, 2014.

KLEIN, R.; FONTANIVE, N. S. Gestão de resultados e de aprendizagem. Apresentação no XIV Encontro Nacional de Diretores da Fundação Bradesco - Gestão escolar: as articulações do diretor, São Paulo. 2010.

KRASILCHIK, M. O professor e o currículo das Ciências. São Paulo: EPU, 2012.

LABARCE, E. C. Atividades práticas no ensino de ciências: saberes docentes e formação do professor. 2014. 231 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências, 2014.

LIMA K. E. C.; VASCONCELOS, S. D. O professor de Ciências das Escolas Municipais de Recife e suas perspectivas de educação permanente. Ciência e Educação. Bauru, v.14, n.2, 2008.

LINGARD, B. Policy borrowing, policy learning: testing times in Australian schooling. Critical Studies in Education, v, 51, n. 2, p. 129-147, 2010.

MARTINS, A. L. M. A marcha do “capitalismo universitário” no Brasil nos anos 1990. Avaliação. Campinhas; Sorocaba, v. 13, 2008.

MEDEIROS, F. V. Privatização do Ensino Superior no Brasil e a Profissão Docente. Dissertação de Mestrado - Universidade de Sorocaba. São Paulo, 2011.

MENEZES FILHO, N. Os Determinantes do desempenho escolar do Brasil. São Paulo: Instituto Futuro Brasil/IBMEC, 2007.

MINAYO, M. C. S. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes. 2001.

OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO DO GRANDE ABC. Relatório do primeiro trimestre de 2019. São Caetano do Sul: Universidade Municipal de São Caetano do Sul, 2019.

OLENKA, L. Dificuldades e avanços na utilização de roteiros investigativos: a prática investigativa na prática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v. 10, p. 119-130, 2019.

PINTO, J. M. R. O que explica a falta de professores em escolas brasileiras? Jornal de Políticas Educacionais, n. 15, p. 03-12, 2014.

POPKEWITZ, T.S. The greyzone: an in-between space of intervention models in Mckinsey and OECD. In: LINDBLAD, S.; PETTERSSON, D.; POPKEWITZ, T.S. International comparisons of school results: a systematic review of research on large scale assessments in education. Stockholm: Swedish Research Council, 2015. p. 130-145.

REID, A. Rethinking national curriculum collaboration: towards an Australian curriculum. Canberra: Department of Education, Science and Training, 2005.

SALVADEGO, W.N.C. A atividade experimental no ensino de química: uma relação com o saber profissional do professor da escola média [dissertação]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina; 2007.

SANTANA, R. S.; FRANZOLIN, F. O Ensino de Ciências por Investigação e os desafios da implementação na práxis dos professores. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), v. 9, p. 218-237, 2018.

SCARTEZINI, R. A.; VIANA, T. de C. O Efeito professor e sua Transmissibilidade. In: COLÓQUIO DO LEPSI IP/FE-USP, 2010, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2010.

SOUSA, S. Z. Avaliação externa e em larga escala no âmbito do Estado brasileiro: interface de experiências estaduais e municipais de avaliação da educação básica com iniciativas do governo federal. In: BAUER, A.; GATTI, B. A. (Org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. Floria.: Insular, p. 61- 85, 2013.

Publicado
2020-04-01
Como Citar
GARCIA, P.; SÁ, I.; LIMA, M. Possibilidades de superação de desafios no ensino de Ciências: o caso dos Planos Nacional e Municipais de Educação. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 3, p. 388-406, 1 abr. 2020.
Seção
Artigos Gerais