Percepções de estudantes da Educação Básica sobre Saneamento Ambiental e Saúde Coletiva

Palavras-chave: Saneamento básico, Saúde Coletiva, Educação Ambiental, Educação em saúde, Doenças Relacionadas ao Saneamento Ambiental Inadequado

Resumo

No intuito de trabalhar a temática das Doenças Relacionadas ao Saneamento Ambiental Inadequado (DRSAI), o presente estudo buscou analisar as percepções de estudantes da Educação Básica em relação às estruturas do saneamento ambiental e sua interface com a saúde coletiva. A metodologia adotada envolveu a aplicação de questionários e a realização de uma intervenção pedagógica para sensibilização acerca do tema. Foram analisados 80 questionários, destes 77,5% eram alunos do Ensino Médio e 22,5% do Ensino Fundamental. Cerca de 95% dos estudantes acreditam que existem doenças e sintomas associados à água não tratada, resíduos sólidos, esgoto e à água da chuva. Ainda, 75% deles informaram o acometimento de alguma DRSAI sobre si, ou algum familiar, tendo as doenças de transmissão feco-oral apresentado maior incidência.  Os resultados demonstram que a aproximação da temática com o cotidiano dos alunos favoreceu a transposição didática, contribuindo para formação de cidadãos mais críticos acerca da importância do saneamento ambiental para a promoção da saúde coletiva. Conclui-se que é necessário que ações de educação sejam realizadas no intuito de aproximar o profissional da saúde, e suas vivências, à prática didática contextualizada da educação ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUGUSTIN, S.; RODRIGUES I. N.; LEONARDELLI, P. P. A influência da densidade populacional no desenvolvimento sustentável. In: Cunha BP, Augustin S. Sustentabilidade ambiental: estudos jurídicos e sociais. 2. ed. Caxias do Sul: EDUCS, 2014. p. 89-94.

BRASIL. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico. Brasília, DF, jan. 2007. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acesso em 14 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília, DF, ago. 2010a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm >. Acesso em 14 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, DF, abr. 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm>. Acesso em 14 fev. 2019.

BRASIL. Ministério das Cidades. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Programa de Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento. Caderno metodológico para ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento. Brasília, mai. 2009. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_publicacao/20_ publicacao06062011041901.pdf >. Acesso em 23 mar. 2019.

CABRAL, F. F.; RIBEIRO, I. L.; HRYCYK, M.F. Percepção ambiental de alunos do 6º ano de escolas públicas. Revista Monografias Ambientais, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 151-161, mai-ago. 2015.

CANOAS. Canoas em dados. 2012. Disponível em: <http://www.canoas.rs.gov.br/ uploads/paginadinamica/15857/Canoas_em_Dados2012.pdf>. Acesso em 02 mar. 2019.

CANOAS; IHU - INSTITUTO HUMANITAS UNISINOS. Diagnóstico Sócio territorial do município de Canoas. 2016b. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/ observasinos/images/outras/Municipios/Canoas/Diagnostico-socioterritorial-de-Canoas-errata-revistos-os-quadros(1).pdf>. Acesso em 20 mar. 2019.

CANOAS; IHU - INSTITUTO HUMANITAS UNISINOS. Estado da cidade: Um retrato de Canoas. 2016a. Disponível em: <http://www.canoas.rs.gov.br/site/home/pagina/id/341>. Acesso em 20 mar. 2019.

CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: A formação do sujeito ecológico. 5ª.ed. São Paulo: Editora Cortez, 2011.

COMISSÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Our Common Future. Genebra: Nações Unidas, 1988 (Relatório 42/187). Disponível em: <http://www.un.org/documents/ga/res/42/ares42-187.htm > Acesso em 20 fev 2019.

FELDMAN, R.; SANGER, J. The Text Mining Handbook. New York: Cambridge University Press, 2006.

FINKELMAN, J. Caminhos da saúde pública no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002. Disponível em: <http://books.scielo.org/id/sd/pdf/finkelman-9788575412848.pdf>. Acesso em 18 jan. 2019.

FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA (FEE). Estimativas populacionais. 2016. Disponível: <https://www.fee.rs.gov.br/indicadores/populacao/estimativas- populacionais/>. Acesso em 03 mar. 2019.

GARRIDO, L. S.; MEIRELLES, R. M. S. Educação Ambiental na formação docente: percepção de discentes do curso de ciências biológicas. Ensino, Saúde e Ambiente, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 171-183, dez. 2017

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo 2010: Aglomerados subnormais. Brasília, 2010b. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/aglomerados_subnormais/tabelas_pdf/tab1.pdf>. Acesso em 16 jan. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Doenças relacionadas ao saneamento Inadequado. 2010c. Disponível em: <http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?vcodigo=AM38>. Acesso em 02 fev. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE): Séries estatísticas, Censo demográfico 1940-2010. Taxa de urbanização. Brasília, 2010a. Disponível em: <http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?no=10&op=2&vcodigo=POP122&t=taxa-urbanizacao>. Acesso em 16 jan. 2019.

NOGUEIRA, M. L. S. L. S. Práticas interdisciplinares em educação ambiental na educação básica: O que nos revelam as pesquisas acadêmicas brasileiras (1981-2012). 2016. 337f. Tese (Doutorado em educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, [s.n.], 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Clean Water and sanitation: Why It Matters. Genebra, 2016. Disponível em: <http://www.un.org/sustainabledevelopment/wp-content/uploads/2016/08/6_Why-it-Matters_Sanitation_2p.pdf>. Acesso em 20 jan. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Progress on drinking water, sanitation and hygiene: 2017 update and SDG baselines. Genebra, 2017. Disponível em: <http://who.int/mediacentre/news/releases/2017/launch-version-report-jmp-water-sanitation-hygiene.pdf?ua=1> Acesso em 20 jan. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Water, Sanitation and Hygiene for Accelerating and Sustaining Progress on Neglected Tropical Diseases. A Global Strategy, 2025-2020. Genebra, 2015. Disponível em: <http://apps.who.int/iris/bitstream/ 10665/182735/1/WHO_FWC_WSH_15.12_eng.pdf?ua=1>. Acesso em 15 jan. 2019.

PERES, R. R. Educação ambiental para docentes enfermeiros: percepção e relação com a formação do enfermeiro. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 36, [s.n], p. 85-93, nov. 2015.

PICCOLI, A. S.; KLIGERMAN, S. C.; COHEN, S. C. Políticas em saúde, saneamento e educação: trajetória da participação social na saúde coletiva. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 397-410, jun. 2017.

PRÜSS-USTÜN, A. et al (editores). Preventing disease through healthy environments: A global assessment of the burden of disease from environmental risks. Genebra: Organização Mundial de Saúde, 2016. Disponível em: <http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/204585/1/9789241565196_eng.pdf?ua=1>. Acesso em 20 jan. 2019.

RODRIGUES, M. L. et al. A percepção ambiental como instrumento de apoio na gestão e na formulação de políticas públicas ambientais. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, supl. 3, p. 96-110, dez. 2012.

SATO, M.; CARVALHO, I. Educação Ambiental: Pesquisa e Desafios, Porto Alegre: Artmed, 2005.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 317-322, maio-ago. 2005.

SIQUEIRA, M. S. et al. Internações por doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado na rede pública de saúde da região metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 2010-2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 26, n. 4, p. 795-806, dez. 2017.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE O SANEAMENTO (SNIS). Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos. Brasília: Ministério das Cidades, 2018a. Disponível em: <http://www.snis.gov.br/diagnostico-agua-e-esgotos/diagnostico-ae-2016>. Acesso em 10 fev. 2019.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE O SANEAMENTO (SNIS). Diagnóstico do manejo de resíduos Sólidos Urbanos. Brasília: Ministério das Cidades, 2018b. Disponível em: <http://www.snis.gov.br/diagnostico-residuos-solidos/diagnostico-rs-2016>. Acesso em 10 fev. 2019.

SMILJANIC, K. B. A.; ALMEIDA JÚNIOR, J. J. Percepção ambiental dos estudantes de ensino básico e do programa de Educação de Jovens e Adultos - EJA em escolas da rede pública no município de Mineiros-GO. Revista Interação Interdisciplinar, Mineiros, v. 01, n. 01, p. 05-20, jan-jul. 2017.

SPINELLI, M.V. P. et al. Estudo sustentável da capacidade de carga antrópica e a sua influência no ponto de equilíbrio da resiliência ambiental. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife, v. 09, n. 01, p. 185-199, 2016.

TEIXEIRA, J. C. et al. Estudo do impacto das deficiências de saneamento básico sobre a saúde pública no Brasil no período de 2001 a 2009. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 87-96, jan-mar. 2014.

Publicado
2020-01-01
Como Citar
SILVA, C.; SANTOS, G. Percepções de estudantes da Educação Básica sobre Saneamento Ambiental e Saúde Coletiva. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 11, n. 1, p. 404-421, 1 jan. 2020.
Seção
Artigos Gerais