Alfabetização científica no ensino de Ciências: uma sequência didática sobre a pegada ecológica do lixo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26843/rencima.v11i2.2504

Palavras-chave:

Ensino e aprendizagem, Sequência didática, Temática ambiental, Contextualização

Resumo

A Alfabetização Científica no Ensino de Ciências a partir da temática ambiental possibilita debates e reflexões para que este saber contribua com a mudança de comportamento dos indivíduos em sua relação com o meio ambiente. Esse estudo teve como objetivo investigar o desenvolvimento da Alfabetização Científica de estudantes a partir da aplicação da Sequência Didática: Pegada Ecológica do Lixo. A pesquisa foi qualitativa na modalidade da Pesquisa Participante. A Educação Ambiental como temática no Ensino de Ciências viabiliza a sistematização do conhecimento científico a partir das experiências dos participantes com a problemática ambiental de forma contextualizada e no desenvolvimento de ações integradas e participativas incentivando as discussões que emergem das relações entre os seres humanos, a sociedade e Meio Ambiente. A partir de indicadores de Alfabetização Científica propostos por diversos autores, verificou-se que houve um desenvolvimento científico dos estudantes participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 279 p. 2011.

BAYARDO, M. G. M. Desde cuándo y desde donde pensar la fomación para la investigación. Educación y Ciencia, 2003. Disponível em: http://educacionyciencia.org/index.php/educacionyciencia/article/view/205/pdf

BERLAND, L. K.; REISER, B. J. Making sense of argumentation and explanation. Science Education, 2008. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/sce.20286/pdf

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: DF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Temas Transversais: Meio Ambiente. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRANDÃO, C. R. A pesquisa participante e a participação da pesquisa: um olhar entre tempos e espaços a partir da América Latina. In: BRANDÃO, C. R.; STRECK, D. R. Pesquisa participante: o saber da partilha. Aparecida: Ideias & Letras, p. 21-54, 2006.

CERVETTI, G. N. et al. The Impact of an Integrated Approach to Science and Literacy in Elementary School Classrooms. Journal of Research in Science Teaching. v. 49, n. 5, p.1-33, mai. 2012.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 4 ed. Ijuí: Ed. Unijui, 2006.

COLOMBO JUNIOR, P. D. et al.,. Ensino de Física nos anos iniciais: análise da argumentação na resolução de uma Atividade de Conhecimento Físico. Investigações em Ensino de Ciências, v.17, n.2, p.489-507, 2012.

DEL-CORSO, T. M. Indicadores de Alfabetização Científica, Argumentos e Explicações: análise de relatórios no contexto de uma sequência de ensino investigativo. 2014, 390 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências). Faculdade de Educação, Instituto de Física, Instituto de Química e Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

DEMO, P. Educação e Alfabetização Científica. São Paulo: Papirus, 2010.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. 5. ed. São Paulo: Gaia, 1998.

ESTEBAN, M. P. S. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: Artmed, 2010.

FABRI, F.; SILVEIRA, R. M. C. F. O ensino de Ciências nos anos iniciais do ensino fundamental sob a ótica CTS: uma proposta de trabalho diante dos artefatos tecnológicos que norteiam o cotidiano dos alunos. Investigações em Ensino de Ciências, v.18, n.1, p. 77-105, 2013. Disponível em: http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID321/v18_n1_a2013.pdf.

FERNANDES, R. S.; SOUZA, J.S; PELISSARI, V. B. E. FERNANDES, S.T. Uso da percepção ambiental como instrumento de gestão em aplicações ligadas às áreas educacional, social e ambiental, 2004. Disponível em: http://www.redeceas.esalq.usp.br/noticias/Percepcao_Ambiental.pdf.

FRACALANZA, H; AMARAL, I. A.; GOUVEIA, M. S. F. O ensino de ciências no primeiro grau. São Paulo: Atual, 1986.

GUIMARÃES, L. R. Atividades para Aulas de Ciências. 1 ed. São Paulo: Nova Espiral, 2009.

GUISASOLA, J. FURIÓ, C.; CEREBIO, M. Science education based on developing guided research. Science Education in Focus, p. 56-83, 2006.

KELLY, G. Inquiry, Activity, and Epistemic Practice. In R. A. Duschl, & R. E. Grandy (Eds.). Teaching Scientific Inquiry. Recommendations for Research and Implementation, p. 99-117, Rotterdam: Sense Publishers, 2008.

KRASILCHIK, M.; MARANDINO, M. Ensino de ciências e cidadania. São Paulo: Moderna, 2004.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos metodologia científica. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2001.

LEMKE, J. L. Investigar para el Futuro de la Educación Científica: nuevas formas de aprender, nuevas formas de vivir. Enseñanza de las Ciencias, v. 24, n. 1, p. 5-12, 2006.

LIMA, G. F.C. Educação Ambiental no Brasil: Formação, identidades e desafios. Campinas, SP: Papirus, 2011.

LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. AC no contexto das séries inicias. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v. 3, n. 1, p.1-17, 2001.

MACHADO, V. F.; SASSERON, L.H. As perguntas em aulas investigativas de Ciências: a construção teórica de categorias. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. v.12, n.2, p. 29-44, 2012.

MINAYO, M. C. S. O. Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10 ed. São Paulo: HUCITEC, 406p, 2007.

MARQUES, R.; BELLINI, E. M.; GONZALEZ, C. E. F.; XAVIER, C. R. Compostagem como ferramenta de prendizagem para promover a Educação Ambiental no ensino de ciências. In: Fórum Internacional de Resíduos Sólidos, 8, 2017, Curitiba. Anais Curitiba, 2017.

MARQUES, N. L. R.; ARAUJO, I. S. Investindo na formação de professores de ciências do ensino fundamental: uma experiência em física térmica. Experiências em Ensino de Ciências. v.5, n.3, p.131-152, 2010. Disponível em: http://www.if.ufrgs.br/eenci/artigos/Artigo_ID128/v5_n3_a2010.pdf.

PIZARRO, M. V.; LOPEZ JÚNIOR, J. Indicadores de Alfabetização Científica: uma revisão bibliográfica sobre as diferentes habilidades que podem ser promovidas no ensino de Ciências nos anos iniciais. Experiências em Ensino de Ciências, v.20, n.1, p.208- 238, 2015. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/66/42

RITCHIE, S. M.; TOMAS, L.; TONES, M. Writing stories to enhance scientific literacy. International Journal of Science Education, v.33, n.5, p.685-707, 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1080/09500691003728039.

SÁ, L. P.; QUEIROZ, S. L. Argumentação no ensino de Ciências: contexto brasileiro. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v.13, n.2, p.13-30, 2011. Disponível em: http://www.portal.fae.ufmg.br/seer/index.php/ensaio/article/view/379/609.

SANTOS, P. O ensino de ciências e a ideia de cidadania. Revista Reportagem, n. 68, 49-50, 2005.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Almejando a Alfabetização Científica no Ensino Fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências. v.13, n. 3, p. 333-352, 2008.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p. 317-322, 2005.

SILVA, M. B. A construção de inscrições e seu uso no processo argumentativo em uma atividade investigativa de biologia. 2015, 253 f. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo). 2015 Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-20052015-100507/en.php.

SILVA, A. F. da; AGUIAR JR, O. G. Água na vida cotidiana e nas aulas de Ciências: análise de interações discursivas e estratégias didáticas de uma professora dos anos iniciais do ensino fundamental. Investigações em Ensino de Ciências, v.16, n.3, p.529- 547, 2011.

SMITH, K. W. et al. Developing Scientific Literacy in a Primary School. International Journal of Science Education, v.34, n.1, p.127-152, 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1080/09500693.2011.565088.

SMITHENRY, D. Integrating guided inquiry into a tradicional chemistry curricular framework. International Journal of Science Education, v.32, n.13, p. 1689-1714, 2010.

SOUZA, V. F. M. A Importância da Pergunta na Promoção da Alfabetização Científica dos Alunos em Aulas Investigativas de Física. 2012, 150 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências). Universidade de São Paulo, 2012.

SPEKTOR-LEVY, O.; EYLON, B-S.; SCHERZ, Z. Teaching scientific communication skills in science studies: does it make a difference? International Journal of Science and Mathematics Education, n.7, p. 875-903, 2009. Disponível em: http://link.springer.com/content/pdf/10.1007%2Fs10763-009-9150-6.pdf

TOULMIN, S. E. Os usos do argumento, São Paulo: Contraponto, 2006.

TORT, M. R.; MÁRQUEZ, C.; SANMARTI, N. Las preguntas de los alumnos: una propuesta de análisis. Enseñanza de las Ciências, v.31, n.1, p.95-104, 2013. Disponível em: http://revistes.uab.cat/ensciencias/article/view/603/pdf

VIGOTSKY, L. Pensamento e linguagem. 3 ed. São Paulo: M. Fontes, 1991.

Downloads

Publicado

2020-03-30

Como Citar

MARQUES, R.; XAVIER, C. R. Alfabetização científica no ensino de Ciências: uma sequência didática sobre a pegada ecológica do lixo. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 11, n. 2, p. 84–106, 2020. DOI: 10.26843/rencima.v11i2.2504. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/2504. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos